Domingo, 23 de Agosto de 2020

ERA UMA VEZ UMA PRINCESA

ERA UMA VEZ UMA PRINCESA.jpg

Há perto de 30 anos, sempre que acordo, dou com este rosto de criança, de olhar enigmático, mas doce, sereno, talvez um pouco triste, e muito ataviada de enfeites, rendas e roupagens. Por baixo, numa chapinha dourada dois nomes: «Princesa Eleonora – Pourbus». Comprei o quadro em Lisboa, numa loja de decoração, que já não existe. Gostei do rosto da menina, da moldura, dos tons das tintas, da tranquilidade que todos esses elementos, no seu conjunto, nos transmitem. Umas vezes com mais tempo, outras com menos, tentei, depois, saber quem era esta princezinha que veio morar no meu quarto. Não foi fácil descobrir o mistério que se escondia por trás do seu olhar. Demorei muito tempo até conhecer, entre muitas figuras da monarquia estrangeira, quem era, afinal, Eleanora Gonzaga Princesa de Mântua. Comparando nomes, datas de matrimónios, nascimentos e falecimentos, acabei por ordenar toda a história, saindo bastante surpreendida com o final, inesperado, que se esconde muito para além do olhar desta criança.

Sua mãe foi Margarida de Sabóia Duquesa de Mântua (apelido herdado de seu marido, Francisco Duque de Mântua), nascida em Turim (Itália) em 1589. No ano em que o nosso país perde a independência (1580) e começa a ser governado por um vice-rei espanhol, Margarida de Mântua, em nome da dinastia filipina, é nomeada vice-rainha de Portugal, tomando posse do lugar em 1634. Reinava a Duquesa de Mântua, quando se dá a Restauração da Independência em 1640. Margarida, foi, assim, durante seis anos, a última vice-rainha de Portugal em nome da dinastia filipina. Presa no Convento de Santos, em Lisboa, de personalidade forte, buscando o poder e perfilhando a intriga, ainda tentou, na condição de prisioneira, uma contra revolução, mas sem êxito. Nesse mesmo ano, parte para Burgos (Espanha), onde acaba por falecer em 1656.

Viúva de Francisco Gonzaga Duque de Mântua e de Montferrat (falecido vítima de surto epidémico), foi mãe de três filhos: Maria; Ludovico (que faleceu ainda criança com o mesmo surto que vitimou o pai) e Eleonora, falecida no dia seguinte ao do seu nascimento, verificado a 12 de Setembro de 1612. E aqui temos a Eleonora que procurava desde há muito! Maria (já duquesa de Rethel e Montferrat), acaba por dar o nome da falecida irmã a uma das suas filhas: Eleonora.

Mas não se julgue que a história acaba aqui! Falta a pergunta que se impõe: se a bebé faleceu no dia seguinte ao do seu nascimento, como é que aparece retratada, como criança, pelo pintor Pourbus, conforme o atesta a chapinha do meu quadro?! Falemos, então, de Pourbus.

De seu nome Frans Pourbus, o Jovem (por ser filho e neto de pintores), nascido em Antuérpia (Bélgica, em 1589), pintou as mais notáveis personalidades do seu tempo – incluindo os monarcas de diversas casas reais. Seria este genial artista quem viria a pintar o retrato de Eleonora de Mântua, como uma menina já crescidinha, muito embora, ela se tivesse recusado a permanecer na Terra. Como foi isto possível? Guiando-se pela sua intuição de artista, valendo-se da sua arte, da sua imaginação, da sua fantasia, circunscritas à visualização de semelhanças, induzida, por certo, pelo conhecimento e contacto com os familiares da criança. E aí temos, finalmente, revelado, o segredo da «minha Eleonora de Mântua», graças ao engenho e arte de Frans Pourbus.

O retrato que mostra uma menina adornada com pulseiras e colares de pérolas, a segurar um fruto na mão direita, não é, afinal, o de uma menina verdadeira. Não existe, nunca existiu! A Eleonora de Mântua que mora há perto de 30 anos na parede do meu quarto, sobre a cómoda, não é mais do que o resultado da tocante invenção e criação de um notável pintor.

Agora, que descobri o segredo que se esconde atrás do seu olhar, que sei que se trata de um anjo que subiu aos Céus, só pretendo pedir-lhe protecção e passar a dar-lhe os bons-dias todas as manhãs.

Soledade Martinho Costa

publicado por sarrabal às 21:33
link | comentar | favorito
Quarta-feira, 19 de Agosto de 2020

NOSSA SENHORA DO FADO

publicado por sarrabal às 19:18
link | comentar | favorito

NOSSA SENHORA DO FADO

401591_3286197988122_1062831030_32638482_173682186
Vestiram-se de luto
As cordas das guitarras
Calou-se a tua voz
Companheira de longas caminhadas.

Nossa Senhora do Carmo
A quem pedias
Que te acompanhasse 
Em cada palco
Chamou-te um dia a si
E tu partiste
Ao encontro de quem por ti chamava.

Ficou o teu perfume no cristal
Aprisionado na distância e na saudade
Entre o silêncio
E o rolar da lágrima 
Como quem espera a vinda sem sinal
De um barco que no mar
Está naufragado.  

Lembrar agora as tuas mãos
Em sobressalto
E a solidão do teu olhar
É mais do que saber de ti
Onde tu moras.

É dizer que as rosas 
Também choram
Quando lhes falta quem as ame.

Recordo a tua sala
Os sons, a luz
O teu retrato, o teu piano
Os objectos dispersos
Em sítios que a memória traz.

Hoje o teu nome
Como o da ave o roçar da asa
Bate diariamente à tua porta.

Sobe os degraus de pedra
E vai procurar-te
Ao lugar onde não estás.

Tu continuas a ser a tua casa.

 

Soledade Martinho Costa

 

Do livro «Um Piano ao Fim da Tarde»

Edições Sarrabal/Lunadil Uni Lda.

(O vídeo está publicado no post acima))

publicado por sarrabal às 18:54
link | comentar | favorito
Terça-feira, 4 de Agosto de 2020

PARABÉNS «SARRABAL» - E VÂO 13 ANOS!

92146613-blue-bar-mitzvah-cake-for-13th-birthday.j

Não me foi possível mencionar aqui, no passado dia 23 de Julho, o aniversário do «Sarrabal – 13 anos! O tempo passa, os anos somam e, muito embora os blogues tenham muito menos impacto do que já tiveram, este vai continuando. Já só tenho a agradecer um ou dois comentários feitos nos últimos tempos. Mas sei que as publicações vão sendo lidas. No Canadá, por exemplo, tenho um leitor fiel, conquanto não comente. Para si, Virgílio Pires, o meu abraço com a amizade de sempre!

O ano tem sido terrível, de tristeza e de preocupação. Mesmo assim, a vida continua, menos alegre, mais solitária. Muito diferente da vida que tínhamos meses atrás. Esperemos que voltem os dias felizes, em família, com os amigos, livre de medos e inquietações.

Para todos os leitores do «Sarrabal» vão os meus votos de protecção, de saúde e de felicidades. E um obrigada a quem me vai lendo!

 

Soledade Martinho Costa

publicado por sarrabal às 15:46
link | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30


.posts recentes

. CONVERSA DE POMBOS - (Par...

. MEMÓRIAS

. ERA UMA VEZ UMA PRINCESA

. NOSSA SENHORA DO FADO

. NOSSA SENHORA DO FADO

. PARABÉNS «SARRABAL» - E V...

. ASSOCIANDO-ME À CELEBRAÇÃ...

. COVID - NEGÓCIOS À PORTUG...

. (IN)CONFIDÊCIAS

. UM PIANO AO FIM DA TARDE

. ABRE-LATAS - O CÃO DA DON...

. A ARTE DE SER AVÓ

. A FLAUTA

. CONFISSÃO

. HISTÓRINHA - O PICA-PAU E...

. SÃO ROQUE - ADVOGADO CONT...

. (IN)CONFIDÊNCIAS

. (IN)CONFIDÊNCIAS

. (IN)CONFIDÊNCIAS

. (IN)CONFIDÊNCIAS

.arquivos

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Março 2020

. Novembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Dezembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.links

blogs SAPO