Quarta-feira, 14 de Fevereiro de 2018

EXCERTO

esta.jpg

«(…)Tempo antes, tinha morrido o nosso peixinho vermelho, que se chamava Pim-Pim, graças a uma escritora minha amiga que publicou um livro para crianças intitulado «Pim-Pim, o Peixinho Prateado». Os meus filhos acharam que seria o nome indicado para dar ao peixe. Durou alguns anos, tantos, que as escamas vermelhas, aos poucos, começaram a ficar brancas: sinal de velhice nos peixes, informaram-me depois. Certa manhã, encontrei-o morto, fora do aquário. Um salto para a morte a que a velhice o terá obrigado. E chorei pelo peixinho vermelho, que se tornara branco ao longo dos anos. Ficou enterrado dentro de uma caixinha num jardinzito ali perto. Não podia conceber o Pim-pim deitado no lixo.
Veio depois um periquito, ainda bebé, lindo, azul e de raça pequenina, oferecido à minha filha no dia do seu aniversário. Com o passar do tempo, surpreendente, inteligente, uma graça, um esvoaçar de asas sempre em liberdade, o novo Pim-Pim, nome herdado do peixinho falecido – ainda desta vez por decisão dos meus dois filhos.
[…] e o Pim-Pim ia envelhecendo. Começou a cair do poleiro quando entrava na gaiola para dormir um sono. Uma vez, muitas vezes. Reparei, mas sem associar as coisas. Falei então com um veterinário especialista em periquitos, um estudioso destas aves: – Tem de habituar-se à ideia, o seu periquito começa a ter falhas de coração. Sempre são dez anos, o tempo máximo de vida para um periquito! Essas quedas são desmaios. Aí teve início a minha preocupação. À noite tive sempre o cuidado de o levar para outra dependência da casa, com a gaiola tapada e onde não chegasse a luz, o barulho das vozes, o som da televisão. Nem as pessoas sabem o mal que tudo isso faz às pobres aves, dentro de gaiolas, como presos atrás das grades. Havia uma coisa que o Pim-Pim detestava. Acho mesmo que odiava: que o agarrassem. Mesmo a comer à nossa mesa, a debicar no nosso pão, a provar a nossa ementa, da beirinha do nosso prato (gostava de tudo, principalmente de sopa), a beber empoleirado no rebordo dos nossos copos […] mesmo com toda esta familiaridade, apanhá-lo, só à falsa-fé. Metia a mão, devagarinho, pela porta da gaiola, que nunca se fechava, e ele numa gritaria, a dar-me bicadas (o ingrato) na vã tentativa de escapar-se. Mas era tanta a minha vontade de fazer-lhe festinhas (sempre a custo), que não resistia à tentação, mesmo antevendo o burburinho e a sua irritação. De manhã ia buscar a gaiola, destapava-a e colocava-a na cozinha, sobre a pedra mármore, junto da janela. Era a hora de o sol fazer companhia ao Pim-Pim. E lá vinha o banho, umas vezes apenas com a cabecita enfiada na tina, outras, num pulinho ágil, patitas dentro da água, num banho completo, espanejado, num palreio, a salpicar de gotinhas a pedra mármore e o que lhe ficava por perto. Numa dessas manhãs, ao transportar a gaiola para o lugar do costume, no trajecto entre a divisão onde dormia o Pim-Pim e a sala, até chegar à cozinha, caiu do poleiro. Mas dessa vez não se levantou. Não se ergueu para depois, ajudado pelo bico, voltar a trepar, como era seu costume, para ajeitar-se no poleiro. O meu coração bateu mais apressado (ele que raramente bate menos do que noventa pulsações). Pousei a gaiola. Meti a mão, a medo, pela porta. Docilmente, deixou-se apanhar. Nem um grasnado nem uma recusa. Deitado na palma da minha mão, olhinhos postos por uns escassos momentos nos meus, fechou os dele. Ainda senti o coraçãozito a bater. Depois, mais nada. Morreu na minha mão, o Pim-Pim, ele que durante dez anos não se deixou apanhar. Foi como se me pedisse desculpa. Por isso esperou que eu acordasse, que o fosse buscar para se despedir de mim, na minha mão, porque sabia quanto eu gostava de sentir nela o seu corpo pequenino e macio. Chorei dias a fio. […] Ama-se um animal como se ama uma pessoa? Num choro igual? Num desgosto igual? Ficou enterrado num canteiro da piscina, no Algarve. Do Algarve veio como presente, dez anos antes, e ao Algarve voltou. Escrevi um poema: Canto Azul. E choveram os conselhos: – Se fosse a ti, comprava outro, passava-te mais depressa o desgosto. Achei que talvez, quem sabe? Tempos depois, o dono de uma loja de animais, pessoa minha conhecida, foi pôr-me em casa outro periquito. Verde. Antipatizei logo com ele, coitado do bicho. Certamente pelo facto de vê-lo vivo na gaiola do meu Pim-Pim. Devolvi-o ao fim de três dias. Enquanto o Pim-Pim viveu, volta não volta, ia guardando as suas penas azuis, quando lhe caíam, porque eram realmente lindas. Uma a uma, dentro de uma latinha pequena, redonda, com uns arabescos dourados. Estava cheia e guardei-a dentro do cofre da minha escrivaninha, bem lá ao fundo, como se fosse um tesouro. Depois da sua morte, de tempos a tempos dava comigo a abri-la, numa recordação feita daquela tristeza que parece não ter fim. Foi quando alguém me disse: – Não é nada bom guardar penas em casa. Fiquei a pensar. Pelo sim pelo não, certo dia abri a janela, abri também a latinha e soprei-as, lancei-as ao vento. Como se faz no mar, com a cinza dos defuntos. No pensamento, palavras do meu poema: «[…] a certeza de não querer repetir o amor.»

Soledade Martinho Costa
Do livro «Uma Estátua no Meu Coração»

 
publicado por sarrabal às 20:48
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. CAMÕES

. ROSAS DE LONJURA

. AS PALAVRAS DOS POEMAS

. 21 DE MARÇO - DIA MUNDIAL...

. DIA MUNDIAL DA FLORESTA

. FIANDEIRA

. EXCERTO

. CONTRACAPA

. O MEU NOVO LIVRO

. 8 DE DEZEMBRO - NOSSA SEN...

. MEDITERRÂNICA

. SAUDADE

. CALENDÁRIO - OUTUBRO

. 1 DE OUTUBRO - DIA MUNDIA...

. «O NOME DOS POEMAS»

. HISTORINHA - O MOCHO E A ...

. A CONTRACAPA DE «O NOME D...

. O MEU NOVO LIVRO «O NOME ...

. A VOZ DO VENTO CHAMA PELO...

. ALGUMA COISA ACONTECE

.arquivos

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.links

.Contador

conter12
blogs SAPO