Terça-feira, 23 de Junho de 2015

EXCERTO

Cópia de Cópia de IMG_3191.jpg

«[…] não posso sequer imaginar o que terá sido a nossa guerra em África. Feita, especialmente, por jovens […]. Não me atrevo. Acho mesmo que não tenho esse direito. […] Que abrange todos aqueles que lá não estiveram. Que nela não participaram. Restam os outros, que se negam a testemunhá-la, mas que, em todo o seu comportamento, tudo testemunham e tudo confessam. Tive um familiar nessa guerra. Tão jovem quando partiu no navio que o levou, que lhe ouvia a voz de criança a chamar pelo meu nome. Que lhe via no rosto o riso infantil ainda a ressoar nos meus ouvidos. Brincámos juntos, crescemos juntos, partilhámos o aconchego do tecto da casa que o viu nascer. As brincadeiras, as festas de família, os fins-de-semana, pontualmente, em casa dos meus pais, no Ribatejo – comigo. Por esses anos não havia tristezas. As alegrias, muitas, num céu sempre azul no nosso olhar sem nuvens. Mais tarde, os passeios, as confidências. O amor a despontar um dia, os projectos, os sonhos. […] O amor dos pais retribuído, o ser filho único – como eu. Mas a tristeza chegou um dia, em meia dúzia de linhas dentro de uma carta. E foi a acenar na amurada do navio que se afastava mar fora que o vi pela última vez ser o jovem que era. O resto desse dia fiquei ao lado da minha tia Bé. Mas não consegui confortá-la. As palavras, por vezes, também são inúteis. A casa ficou vazia, e o vazio estava lá, vestido de ausência em todos os recantos, em todos os objectos, na cama vazia, a soletrar um nome atirado para um país desconhecido, para um destino desconhecido, para uma sorte desconhecida. Dois anos. Dois anos roubados a todos nós – mas sem dúvida a ele, mais do que a ninguém. E veio o regresso noutro navio. Mas nesse navio não veio o mesmo jovem. Esse ficou por lá, por terras de África, perdido de angústia, de receio (medo), de saudades. Não regressou. Não pôde. Regressou um outro jovem no seu lugar, desconhecido para mim: taciturno, triste. De poucas ou nenhumas palavras, calado. E ainda de menos sorrisos. Desinteressado, desintegrado da família e de si. Nunca quis falar, nunca quis contar nada do que se passou durante esses dois anos em África. Fugia ao assunto e abrigava-se no mutismo de recordações silenciadas por conversas ausentes. Nunca mais nos reencontrámos na cumplicidade e no afecto dos dias antigos, transformados em anos de lonjura entre os dois – como se fosse o mar que certo dia nos separou. As marcas de vivências como estas fazem estragos, deixam cicatrizes no corpo e na alma. Aos poucos, as palavras família, esposa, filho, mãe deixaram de ter para ele qualquer significado. Notava-se. Sentia-se. Adivinhava-se. O que ficara lá para trás, em terras de África, oculto na importância do desabafo, nunca ele o quis fazer detonar como uma bala. Submetia-nos, manobrava-nos. E todos nós, que o cercávamos, baixámos os braços sem ver a realidade (ou sem a querer ver?). Quando devíamos levantá-los e agir. Com urgência, com a pressa com que se socorre um náufrago. Ninguém o fez. Ninguém percebeu, nem eu. Por esses anos, não se falava em apoio psicológico – como hoje. Não houve qualquer apoio. Apenas perguntas sem resposta. Apenas preocupação e angústia por esse silêncio repetido, dia após dia. […] Mas não chegou. Era preciso ir mais longe. E ninguém foi. A razão para a mudança do seu comportamento tinha um nome: chamava-se Guerra em Angola. E como a palavra esposa passou a não ter para ele qualquer significado, partiu de novo. Agora, não de navio, mas pelo seu próprio pé. Assim como a palavra filho também passou a nada lhe dizer. Nem a palavra mãe. Decorreram muitos anos. Tantos, que o filho se tornou um homem, e a mãe foi envelhecendo. […] Na data em que celebrava ter dado à luz, fechava-se no quarto o dia inteiro. Só nesse dia a ouviam chorar. […] o jovem que acenou certo dia da amurada de um navio, rumo a um destino desconhecido, nunca mais voltou. A ajuda que, por ignorância, não lhe demos na devida altura resultou na fuga ao respeito pelos valores da família (que sempre prezou) e, muito mais dramático, na fuga de si próprio.»

Soledade Martinho Costa
Do livro «Uma Estátua no Meu Coração»

publicado por sarrabal às 10:46
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. CALENDÁRIO - OUTUBRO

. 1 DE OUTUBRO - DIA MUNDIA...

. «O NOME DOS POEMAS»

. HISTORINHA - O MOCHO E A ...

. A CONTRACAPA DE «O NOME D...

. O MEU NOVO LIVRO «O NOME ...

. A VOZ DO VENTO CHAMA PELO...

. ALGUMA COISA ACONTECE

. HISTORINHA - A TOUPEIRA E...

. CALENDÁRIO - AGOSTO

. LEMBRAR AMÁLIA

. PARABÉNS SARRABAL - E VÃO...

. CERTEZA

. SÃO JOÃO - O SOL E AS PLA...

. PORTUGAL A ARDER - O FOGO...

. HISTORINHA - A ABELHA E O...

. ALGUÉM SE LEMBRA?

. SANTO ANTÓNIO - AS MARCHA...

. CANTO DO VENTO

. ZECA AFONSO

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.links

.Contador

conter12
blogs SAPO