Domingo, 13 de Dezembro de 2015

ÁRVORE DE NATAL - ORIGENS

img_4470_ins_22593_orig.jpg

 

Remontará, supostamente, à Antiguidade, quando no solstício do Inverno era hábito decorarem os templos e as casas com folhagem (símbolo da vitória da vida sobre a morte), ritual pagão que tinha por finalidade “revigorar e reverdecer a natureza e apelar aos espíritos das árvores o seu regresso na Primavera, para tornarem a cobri-las de folhas”.
 
Outra hipótese para a sua proveniência, leva-nos à Idade Média, altura em que terá feito a sua aparição integrada nos «Jogos da Natividade» ou «Jogos do Paraíso», celebrados a 24 de Dezembro em Estrasburgo (capital da Alsácia) , alusivos a Adão e Eva (segundo parece, a darem depois origem aos «presépios vivos», cujos primeiros textos foram localizados naquele país). Nestas representações, a simbolizar a «Árvore do Paraíso», era escolhido o abeto para nele se colocarem as maçãs. Uma outra menção, de 1605, indica que nessa data os Alsacianos enfeitavam as suas casas com abetos ornamentados com gravuras douradas, maçãs e guloseimas. Noutra versão, o abeto terá sido escolhido devido à sua configuração (triangular), representando, com os seus três bicos, a Santíssima Trindade: Pai, Filho e Espírito Santo.
 
Na corte de França, em 1711, tentou lançar-se, pela primeira vez, o hábito da árvore de Natal, mas a intenção não resultou. A figuração da árvore natalícia veio a consolidar-se, fazendo a sua aparição nas Tulherias, somente em 1840. Na Alemanha, a árvore de Natal (enfeitada com papel de cor em honra de Nossa Senhora) foi adoptada em 1772, costume seguido, um pouco mais tarde, pela família real de Inglaterra.
 
Em 1861 surge na América (levada pelos emigrantes alsacianos) e em 1863 aparece na antiga Checoslováquia. A partir daí, a árvore de Natal é considerada e aceite, definitivamente, como elemento decorativo alusivo à Natividade por muitos outros países, como a Suécia, a Holanda, a Noruega e a Rússia.
 
Muitas são também as suposições para a colocação das velas na árvore natalícia (símbolo de Cristo como a Luz do Mundo), uma delas associando a sua origem, uma vez mais, aos Alsacianos, que terão introduzido esta variante de enfeite de árvore no século XVII, conforme asseguram documentos datados dessa época – velas hoje representadas pelas lampadazinhas de cores.
 
Para a iluminação dos abetos no Natal (em Portugal substituídos pelos pinheiros), existe uma lenda que conta “ ter-se perdido um cavaleiro, homem bom e crente, numa grande floresta na noite de Natal. Para o ajudarem a encontrar o caminho de casa, os anjos do Natal enfeitaram, então, com estrelas o maior abeto da floresta, assim iluminando a densa escuridão, para orientar o bondoso cavaleiro”.
 
Soledade Martinho Costa
 
Do livro «Festas e Tradições Portuguesas”, Vol. VIII
Ed. Círculo de Leitores
publicado por sarrabal às 01:36
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. CALENDÁRIO - OUTUBRO

. 1 DE OUTUBRO - DIA MUNDIA...

. «O NOME DOS POEMAS»

. HISTORINHA - O MOCHO E A ...

. A CONTRACAPA DE «O NOME D...

. O MEU NOVO LIVRO «O NOME ...

. A VOZ DO VENTO CHAMA PELO...

. ALGUMA COISA ACONTECE

. HISTORINHA - A TOUPEIRA E...

. CALENDÁRIO - AGOSTO

. LEMBRAR AMÁLIA

. PARABÉNS SARRABAL - E VÃO...

. CERTEZA

. SÃO JOÃO - O SOL E AS PLA...

. PORTUGAL A ARDER - O FOGO...

. HISTORINHA - A ABELHA E O...

. ALGUÉM SE LEMBRA?

. SANTO ANTÓNIO - AS MARCHA...

. CANTO DO VENTO

. ZECA AFONSO

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.links

.Contador

conter12
blogs SAPO