Quinta-feira, 19 de Novembro de 2009

BORDA-D'ÁGUA - MATANÇA DO PORCO (I)

                  

                                 Valpaços, Vila Real, Trás-os-Montes  
             
Em diversas zonas do País, Novembro não significa apenas os «magustos» e a prova do vinho novo, com o abrir dos tonéis e das pipas. Simboliza também um acontecimento da maior relevância no conjunto das tarefas cíclicas do nosso calendário rural: a matança do porco – pretexto para a reunião da família, dos amigos e vizinhos e motivo para os repastos conjuntos, onde a fartura da carne não impede o vinho de ser rei.
 
A matança do porco pode ir até inícios de Fevereiro – na ilha da Madeira começa a partir do dia 8 de Dezembro, sempre de madrugada – beneficiando do tempo mais frio e a constituir, na grande parte das aldeias portuguesas, uma das mais tradicionais celebrações familiares rurais.
 
Ocasião festiva e acontecimento que se reveste de particular importância do ponto de vista económico, uma vez que as carnes, os enchidos, o toucinho e a banha representam alimentos fundamentais da família ao longo do ano, a matança do porco encontra-se associada a algumas praxes e rituais mantidos até hoje no seio da comunidade rural.
 
Ficamos a saber que as mulheres, durante o período menstrual, «não devem aproximar-se da carne», nem mesmo «do lugar onde decorre a matança», segundo o povo «porque podem, sem querer, estragar a carne». Outro costume consiste em colocar sobre a carne, depois de temperada com sal e pimentão, algumas rodelas de laranja «sempre em número ímpar».
 
Em certas localidades da Beira Baixa, antes do suíno ser agarrado, continua a observar-se a praxe dos donos do porco oferecerem a quem toma parte na matança (ou «matação») figos secos, vinho e aguardente. No Algarve mantém-se a oferta de filhoses, café e aguardente de medronho, oferta que continua a estender-se às pessoas conhecidas que passam na rua.
 
Depois de morto e chamuscado, o porco é pendurado pelo «chambaril» (antigamente um pau curvo, hoje um ferro, que se enfia nos «jarretes», parte posterior da articulação do joelho do animal), num local apropriado, de cabeça para baixo, tarefa nem sempre fácil quando se trata de um cevado de grande porte, ocasião que obriga, na Beira Baixa, a que os presentes digam bem alto: «Porco acima, vinho abaixo!», a dar motivo para se beberem mais uns copos…
 
Nessa posição é feita a «abertura», ou seja, é aberto pela barriga, sendo-lhe retirada em primeiro lugar a tira de gordura («barrigueira»), com febra no interior (há quem lhe chame toucinho), que vai da parte inferior do pescoço até entre as pernas traseiras, e de seguida as vísceras (miudezas) e as tripas. O toucinho ou entremeada encontra-se agarrado, de lado, à costela baixa.
 
O sangue do animal é recolhido num alguidar, onde se deitou sal e vinagre (ou vinho), que se vai mexendo com uma colher de pau para não coalhar, só parando esta operação quando o sangue se encontra completamente frio.
 
O porco fica no «chambaril» até ao dia seguinte, para arrefecer, altura em que a carne é «desmanchada», separando-se as «peças» destinadas ao fumeiro (enchidos) e as que vão ser guardadas nas arcas frigoríficas – outrora nas salgadeiras, embora o toucinho continue a ser conservado no sal.
 
Os paios, as morcelas, as farinheiras e os chouriços só devem permanecer no fumeiro no máximo oito dias «para não azedarem». Anteriormente os enchidos eram conservados submersos em azeite, dentro de potes de barro, chamados, na aldeia do Bom Velho de Cima (Condeixa, Beira Litoral), «açucareiros».
 
Segue-se o «almoço da matança», mantendo-se o costume, na Beira Baixa, conquanto mais raramente, de servir-se a tradicional sopa de pão e ovos, introduzidos no caldo onde se cozeram os nabos, a hortaliça e o feijão. Da ementa fazem igualmente parte a carne de carneiro assada no forno com batatas, o arroz com miudezas de porco, o guisado de galinha e outros acepipes, comidos ao jantar desse dia e no dia seguinte – ou não seja o dia da matança aquele em que se fazem convites «como se fosse uma boda», visto marcar-se a matança quase sempre para um fim-de-semana.
 
Em Cafede (mesma região) era servido antigamente ao almoço um caldo de castanhas piladas com arroz e «laburdo». Desaparecido o caldo, mantém-se o «laburdo»: um guisado feito com as miudezas do porco (fressura, fígado, coração, bofe), toucinho da barriga (a «barrigueira») e sangue, ao qual se acrescenta, no final, ainda durante a fervura, algumas rodelas de laranja.
 
No Bom Velho de Cima faz-se uma sopa, já com a «queixada» do porco (carne magra das bochechas do suino), batatas, cenouras e hortaliça, sendo a carne da «queixada» servida à parte, acompanhada com arroz cozido no caldo da sopa. Saboreia-se também o «guisado de torresmos», feito com a «barrigueira» e miudezas, umas vezes com batatas já misturadas, ou apresentadas separadamente. Ao jantar fazem honras ao repasto as febras assadas na brasa.
 
Em Vila Alva e noutros locais do Baixo Alentejo serve-se a «rechina», uma espécie de guisado confeccionado com o sangue e as miudezas do porco, a que se junta sopas de pão.
 
Em Aljezur (Algarve) ao almoço come-se polvo ou bacalhau cozido com batatas, galinha de cabidela ou galinha de molho (apenas refogada com cebola e temperos) e ao jantar pedacinhos de carne de porco frita e sopa de couve branca («coração»), «que leva miudezas, chispe, orelha, toucinho, chouriço e morcela». No segundo dia da matança, como manda a tradição, servem-se as «papas mouras», que se fazem juntando ao caldo onde se cozeram as morcelas a farinha de milho grossa e o sangue do porco.
 
Actualmente, é hábito generalizado petiscar-se assim que termina a matança, antes mesmo do porco arrefecer, retirando-lhe umas febras, a «cachola» e pedaços de entrecosto e de orelha, assados depois na brasa. Em Alcains (Beira Baixa) a «cachola» e o entrecosto são condimentados com alho e vinagre e regados com vinho novo tirado da pipa, quase sempre aberta nesse dia.
 
Soledade Martinho Costa
                                 
                                                        
                                                                               Fumeiro
  
Do livro «festas e Tradições Portuguesas»
Ed. Círculo de Leitores, Vol. VIII
  
publicado por sarrabal às 16:41
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
17
18

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.posts recentes

. CALENDÁRIO - MARÇO

. CARNAVAL - A MÁSCARA

. TODOS OS LUGARES SÃO TEUS

. BOLO-REI - ORIGENS

. A VIAGEM DOS TRÊS REIS MA...

. FELIZ NATAL E BOM NOVO AN...

. OUTROS NATAIS

. UM OLHAR SOBRE A PAISAGEM...

. OUTRO MILAGRE

. «SEARINHAS» DE NATAL

. COMO SE FOSSE HERODES O M...

. NATAL - AS FOGUEIRAS DO M...

. CALENDÁRIO - DEZEMBRO

. VULTO DE UM PAÍS

. POETAS

. CALENDÁRIO - SETEMBRO

. FIAR A SOLIDÃO

. CALENDÁRIO - AGOSTO

. 15 DE AGOSTO - «DORMIÇÃO»...

. INCENDIÁRIOS, FOGOS E FUM...

.arquivos

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.tags

. todas as tags

.links

.Contador

Site Meter
blogs SAPO