Sábado, 14 de Novembro de 2009

COISAS DA VELHA DO ARCO - UMA QUESTÂO DE CORES

 
A minha neta Soli brincava no jardim. Uma outra menina, um pouco mais velhinha, aí para os nove, dez anos, fazia-lhe companhia. De repente a Soli dá uma corrida na minha direcção e informa, entusiasmada:
- Vó, aquela menina, vês? – E aponta a outra criança. – Vai para Angola!
- Ah, sim? – Respondo.
O entusiasmo da Soli devia-se ao facto de ter vivido em Angola alguns dos seus poucos anos de vida. Tudo o que diz respeito a África, sobretudo a Angola, lhe desperta interesse.
A outra criança, interrompida a brincadeira, aproxima-se também. A Soli apresenta:
- É a Filipa, Vó, mora ali. – E aponta, agora, para um dos prédios que circundam o jardim.
- Olá, Filipa! – Digo e acrescento à saudação uma pergunta: - Já sei que estás de partida para Angola, é verdade?
- É. – Confirma a Filipa.
Sem razão aparente, insisto em saber mais, talvez por ter amigos em Angola:
- E para que zona vais, sabes?
A resposta veio, explícita, sem rodeios:
- Sei. Vou para a zona dos ricos!
«Eis a zona de Angola para onde vai a Filipa», penso para mim.
- Como é que sabes? – Intromete-se a Soli, atenta à conversa, pergunta feita num tom entre o curioso e o recriminatório.
- Disse-me o meu pai. Ele é que disse «vamos para a zona dos ricos»! – esclarece a menina.
- Muito bem, Filipa. – Rematei. – Desejo que gostes muito de lá estar, tu e os teus pais. Tens irmãos? – Perguntei, por fim.
- Não. – Foi a resposta.
Pelo aspecto modesto da criança e do prédio onde morava, já antigo, deduzi que a meta da pessoa pobre continua a ser a mesma: chegar a rica.
Para a família da Filipa, suponho que a meta seja Angola. «Lá é que se ganha bem, é que está o dinheiro», diz-se, ultimamente. O objectivo desta família, será, portanto, o de melhorar as condições de vida, porventura difíceis em Alverca do Ribatejo, ou em Portugal, o que vem a ser a mesma coisa.
 
O que me surpreende pela negativa é que se incuta a uma criança a noção, naturalmente sem grandes explicações, de que existem classes sociais distintas: pobres e ricas. É uma verdade, eu sei. Até sei (e passe o lugar-comum) que os pobres do meu país estão cada vez mais pobres e os ricos cada vez mais ricos. Só não aceito que uma criança vá atrás de um sonho que não é seu, mas do pai. Pode ser que o sonho se concretize, ou não. Neste caso, que resposta dará o pai à Filipa? Que têm de mudar para a «zona dos pobres»?
 
A riqueza devia trazer implicações sociais obrigatórias: ajudar os outros, ser solidário, dar a quem precisa o muito de que não se precisa. Uma utopia? Sem dúvida.
 
Não raras vezes penso nos ordenados milionários que muita gente recebe em Portugal. Para não destoar, os jogadores de futebol. Mas não apenas esses. Temos os políticos e aqueles que, em diversas áreas da vida nacional, pública e privada, ocupam lugares de destaque. Uma vergonha e um escândalo num país de tantas carências. Sem falar na corrupção que grassa em Portugal, a fazer concorrência  à epidemia da gripe A -  mas sem esperança de vacinação à vista.  
 
Será que para além das famílias, essas pessoas ajudam alguém? Que pensam um pouco nos desempregados, com dívidas e outras dificuldades? Nos idosos com reformas de fome? Nas crianças com necessidades de toda a ordem? Rodeados do seu bem-estar e gozando da sua milionária qualidade de vida, será que essas pessoas se lembram dos que precisam de ser ajudados? Aceito que achem estas palavras moralistas, simplórias, piegas. Pois é. Às vezes, acontece.
 
«Zona dos ricos» implica de antemão uma divisória. Um muro. Uma linha invisível (ou não) de separação entre os seres humanos. O pai da Filipa sabe. A Filipa ainda não. Mas com o passar do tempo, a Filipa irá aprender algo tão certo, tão real, quanto cruel: em Angola, como em outros lugares do Mundo, não é só a cor da pele que divide as pessoas. Há outras cores a dividi-las. Uma delas, a cor do dinheiro.
 
Soledade Martinho Costa
 
                                         
publicado por sarrabal às 12:27
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De garatujando a 14 de Novembro de 2009 às 19:09
Uma frase simples, ditada pela singela inocência de uma criança, serviu de motivo para esta pequena estória.
Soledade, com o seu jeito tão pessoal de fazer literatura infantil, transforma-a, subtilmente, numa lição.
Lição recheada de conceitos filosóficos em que sobressaem as suas preocupações de carácter social, tão esquecidas da maioria das pessoas.
É por isso que o Sarrabal prende sempre, por um motivo ou por outro, o interesse dos seus muitos leitores.
O meu abraço de sempre

Carlos Ferreira


De sarrabal a 14 de Novembro de 2009 às 20:15
Carlos, é um prazer para qualquer bloguista ter um comentador assim. Acho que já lhe disse isto. Mas repito.
Tenho sempre um prazer redobrado ao escrever este género de crónicas: o de falar das crianças e o de poder ir um pouco mais longe na abordagem que faço. Foi o que sucedeu agora.

O abraço afectuoso da Sol


De Ibel a 14 de Novembro de 2009 às 21:19
Uma história que se repete implacavelmente nos degraus do tempo.Morar na zona dos ricos parece ser a única ambição do ser humano, porque ser pobre é estigma, quase pecado." Morar na zona dos ricos!"A frase fere como chicote, sobretudo vinda da boca de uma criança que já cresce com o preconceito e o desprezo, não pela pobreza, mas de quem a carrega como um fardo. E isso é ainda mais grave, muito grave, porque quem assim pensa nunca vai estender a mão a um necessitado.Vive na miragem da gaiola de ouro que fará dela refém do egoísmo e da impiedade, mais uma"pessoa sensível, incapaz de matar galinhas..."


De sarrabal a 14 de Novembro de 2009 às 22:37
Uma análise muito bem feita, muito pertinente a sua, Ibel. Há que ver o problema com os seus olhos. Mas, na prática, não é assim. Infelizmente. Os ricos (está provado!) não querem ser pobres. Ao contrário destes. Porque será? Lamentável, como diz, é ouvi-lo da boca de uma criança.

Beijinho afectuoso da Sol


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. CALENDÁRIO - AGOSTO

. LEMBRAR AMÁLIA

. PARABÉNS SARRABAL - E VÃO...

. CERTEZA

. SÃO JOÃO - O SOL E AS PLA...

. PORTUGAL A ARDER - O FOGO...

. HISTORINHA - A ABELHA E O...

. ALGUÉM SE LEMBRA?

. SANTO ANTÓNIO - AS MARCHA...

. CANTO DO VENTO

. ZECA AFONSO

. 23 DE ABRIL - DIA MUNDIAL...

. DEDICATÓRIA

. SEMANA SANTA - O GALO DAS...

. CELEBRAÇÕES DA QUARESMA -...

. CALENDÁRIO - MARÇO

. CARNAVAL - A MÁSCARA

. TODOS OS LUGARES SÃO TEUS

. BOLO-REI - ORIGENS

. A VIAGEM DOS TRÊS REIS MA...

.arquivos

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.links

.Contador

conter12
blogs SAPO