Sábado, 4 de Julho de 2009

RAINHA SANTA ISABEL - MEDIANEIRA DA PAZ

                                             

                                  Rainha Santa Isabel, imagem deTeixeira Lopes (século XIX).

 
O dia 4 de Julho assinala a morte da Rainha Santa Isabel, ocorrida em 1336.
 
Invocada em favor da paz, nasceu em Saragoça (reino de Aragão, Espanha) no dia 11 de Fevereiro de 1270. Celebra o seu casamento com o rei D. Dinis de Portugal, por procuração e escritura antenupcial, segundo o direito romano, no dia do seu décimo segundo aniversário, corria o ano de 1282.
 
O casamento religioso e as Festas das Bênçãos Nupciais realizam-se em Portugal no dia 24 de Junho desse mesmo ano, na Igreja de São Bartolomeu, em Trancoso. De registar que o local e a data do seu nascimento, assim como a do seu casamento, diferem de acordo com a opinião de alguns investigadores.
 
Os reis de Portugal acabam por fixar residência nos Paços de Santa Ana, junto ao Mosteiro de Santa Clara, em Coimbra – que a rainha virá a doar ao referido mosteiro, situado na margem esquerda do rio Mondego.
 
 
Andor da Rainha Santa Isabel durante a Procissão Solene a percorrer as ruas de Coimbra.
 
Isabel de Aragão, rainha de Portugal, foi cativando o coração do povo português pelos actos de extrema bondade praticados em favor dos humildes, dos doentes, dos abandonados, das crianças, dos que tinham fome. As obras que patrocinou foram inúmeras e contam-se de norte a sul do País: hospitais, asilos, leprosarias, casas de assistência aos desvalidos. Muitos mosteiros e igrejas foram igualmente construídos graças à sua generosa contribuição. Distribuía o que tinha de seu, visitava os doentes, servia os pobres, velava pelas crianças abandonadas, amparava as filhas de gente humilde, às quais dava dote quando casavam, mandava sepultar os mortos cristã e dignamente, pagava as dívidas de quem não tinha possibilidades de o fazer, vestia os nus, redimia os presos ou aqueles que andavam transviados, lavava as feridas dos leprosos com as próprias mãos.
 
Procissão da Penitência.
 
Por altura das grandes fomes que assolaram o País devido à infecundidade das terras, mandou vir de longe, despendendo somas elevadas, o trigo que oferecia aos necessitados. Conta-se que terá vendido parte das suas jóias para fazer face à fome do povo.
 
«Medianeira da Paz», foi o título que lhe valeu a sua intervenção, feita de bondade, tenacidade, esforço e inteligência, em prol da concórdia e da tolerância. Graças à sua intercessão foi possível por diversas vezes encontrar uma solução que não a das armas. Assim aconteceu entre seu marido e seu cunhado, o infante D. Afonso, irmão mais novo de D. Dinis; entre seu irmão, Jaime II, rei de Aragão, e seu genro, Fernando IV, rei de Castela, casado com sua filha D. Constança; entre seu pai, Pedro III, rei de Aragão e da Sicília, e o rei de Nápoles, Carlos II; entre seu marido e seu filho, D. Afonso, casado com D. Beatriz, irmã do rei de Castela – temendo o infante ser afastado do trono por seu irmão ilegítimo, D. Afonso Sanches.
 
Procissão da Penitência.
 
Em favor dessa mesma paz, chega a atravessar sozinha os campos de batalha e a caminhar numa procissão em Santarém descalça e vestida de penitente. Culta, incansável, formosa, sem uma queixa, sofre as infidelidades D’el-rei D. Dinis, adoptando e educando os seus filhos bastardos, que aceita como legítimos herdeiros.
 
Em 1325, anonimamente, vai como peregrina a Santiago de Compostela, misturada entre os humildes, comendo do pão que lhe ofereciam e ajudando a transportar as crianças ao colo. No regresso, após ter deixado dádivas valiosas ao santo apóstolo São Tiago, traz consigo, oferecidos pelo arcebispo, o bordão e a esclavina (espécie de cabeção usado sobre a túnica pelos peregrinos que se deslocavam em romagem a Santiago de Compostela), que guarda religiosamente.
 
                                              
                                   Imagem da Rainha Santa no interior da Igreja de Santa Clara-a-Nova.
 
Nas deslocações que fazia levava consigo o seu oratório pessoal, acompanhada pelos sacerdotes, que celebravam missa diária, observando a rainha a prática dos jejuns constantes e da confissão – e também da Sagrada Comunhão em alturas especiais.
 
Após a morte de seu marido, veste um hábito assemelhado ao de monja franciscana, corda grossa atada à cintura e a cabeça real envolta em panos de linho, e muda-se para o Mosteiro de Santa Clara. Assim passa os onze anos de viuvez, até à sua morte, ocorrida em Estremoz.
 
Em Junho de 1336, com 66 anos, ao saber que havia sido declarada guerra entre seu filho D. Afonso IV, o Bravo, rei de Portugal, e seu neto, Afonso XI, rei de Castela, segue em direcção ao Alentejo, para tentar pôr fim às hostilidades entre ambos. Devido à fatigante caminhada e ao excessivo calor, a rainha chega exausta e adoece. Morre poucos dias depois, a 4 de Julho.
   
Túmulo primitivo da Rainha Santa Isabel, executado por Mestre Pêro (1330)        
 
No dia 11 de Julho (sete dias durou a viagem de regresso) o corpo da Rainha Santa Isabel dá entrada no Mosteiro de Santa Clara – por si reedificado, ampliado e sagrado em 1330 – para nele ser depositado num túmulo de pedra. Em 15 de Abril de 1516 é beatificada pelo papa Leão X. Em 21 de Janeiro de 1556 o papa Paulo IV estende o seu culto a todo o País. A 26 de Março de 1612, ao abrir-se o túmulo, verificou-se que o seu corpo se encontrava incorrupto. Em Maio de 1625 é canonizada solenemente pelo papa Urbano VIII, que a considera «uma das mais perfeitas mulheres da Idade Média». Nesse mesmo ano (14 de Outubro) o rei Filipe III declara-a «Padroeira de Portugal».
 
Claustro do Convento de Santa Clara-a-Nova.
 
Por ruína total do mosteiro, cuja primeira pedra tinha sido lançada em 28 de Abril de 1286, el-rei D. João IV manda construir em 1649 o Mosteiro de Santa Clara-a-Nova, localizado cerca de um quilómetro acima do primeiro, num dos pontos mais altos da cidade de Coimbra. Para ali é trasladado o corpo da Rainha Santa Isabel em 29 de Outubro de 1677. Mas como o mosteiro só é dado inteiramente por concluído em 1696, os seus restos mortais voltam a ser trasladados agora no seu belíssimo esquife de prata e cristal, desta vez para serem depositados, definitivamente, sobre o altar-mor da sumptuosíssima capela.
 
                   
 
O túmulo definitivo da Rainha Santa Isabel, em prata e cristal, exposto no coro baixo do  Mosteiro de Santa Clara a Nova.
 
No ano da sua beatificação (1516) são instituídas por D. Manuel I as Festas em Louvor da Rainha Santa Isabel que se realizam em Coimbra.
 
                    
 O PÃO E AS ROSAS - A LENDA
 
 
                      
                  Óleo sobre madeira, de autor Anónimo (século XVI), Museu Nacional Machado de Castro, Coimbra.
 
 
Quando, certo dia, a Rainha Santa Isabel se dirigia ao Mosteiro de Santa Clara, levando consigo, para dar aos pobres, algum dinheiro e pão escondidos no regaço, encontra seu marido el-rei D. Dinis.
Não escapa ao rei a preocupação da rainha ao tentar esconder o pão que levava. Sem intenção de importuná-la, mas no desejo de enaltecer a bondade e modéstia extremas que faziam com que lhe ocultasse tão louvável como piedosa acção, perguntou-lhe o rei: «Que levais no regaço?» A rainha responde: «São rosas, senhor.»
Corria o mês de Janeiro e D. Dinis terá manifestado interesse em ver as rosas, colhidas em pleno Inverno. A rainha abre então o regaço e mostra as pétalas de seda de perfumadas rosas que lhe caíram aos pés.
 
Não terá sido por acaso que seu avô Jaime I lhe chamava «a rosa da Casa de Aragão».
 
 
Soledade Martinho Costa
                                           
 
Do livro «Festas e Tradições Portuguesas» Vol. IV
Ed. Círculo de Leitores
publicado por sarrabal às 00:25
link do post | comentar | favorito
|
6 comentários:
De garatujando a 4 de Julho de 2009 às 16:20
Lição numa linguagem escorreita e acessível, sem dispensáveis pormenores que, por vezes, tornam fastidioso o estudo da História.
Numa visão transversal da época em que tiveram lugar os acontecimentos narrados ficam memorizados, sem esforço, dados elementares relacionados com a excelsa rainha evocada, figura das maiores e das mais veneradas da toda a História de Portugal.
O episódio conhecido como o "milagre das rosas" é contado com visível enternecimento, a demonstrar uma sensibilidade que transparece frequentemente naquilo que a SOLEDADE escreve.
Agradecimento por mais este belo texto.

Com admiração, o abraço do
Carlos Ferreira


De sarrabal a 4 de Julho de 2009 às 19:11
Sim, Carlos, trata-se de uma pequena lição de História para lembrar uma rainha que foi uma extraordinária mulher, celebrada em Coimbra de dois em dois anos.

Abraço da Sol


De Anónimo a 17 de Julho de 2010 às 02:52
Cando se fala da Casa d Aragao </a>posterior a uniao com a Catalunha ( 1131 ) pela donaçao do ultimo rei d Aragao </a>Afonso I o Batallador ao conde de Barcelona Ramon Berenguer IV, estase a falar principalmente de catalaes. A rainha casou em Barcelona capital da Catalunha e se principal da Coroa d Aragao </a>. Aragao e Catalunha eran duas naçoes distintas en caracter e em linguas mais unidos pelo mesmo rei e conde.


De sarrabal a 18 de Julho de 2010 às 02:12
Grata pela informação adicional. De resto, tudo está certo: o casamento realiza-se por procuração e escritura antenupcial, segundo o direito romano, celebrando-se o casamento religioso e as festas das Bênçãos nupciais, posteriormente, em Portugal.
Sendo duas nações distintas, mas governadas pelo mesmo rei, está correcta a frase de seu avô Jaime I quando chama a Santa Isabel « a Rosa da Casa de Aragão».


De Z.Monteiro a 15 de Junho de 2012 às 18:02
Os dois túmulos que aí apresenta não são os da Rainha Santa, mas sim da neta, embora sejam ambos de Mestre Pêro. O da Rainha Santa está no Coro Baixo.


De sarrabal a 19 de Junho de 2012 às 02:31
Olá, Z. Monteiro. Grata por ter corrigido este meu post no que respeita às fotos. Infelizmente, ao procurá-las nem sempre encontramos as fotos com a indicação que desejamos. Outras vezes, somos levados ao engano, se não estivermos com a devida atenção. Nesse aspecto, creio que o Google piorou muito. O seu reparo, que volto a agradecer, fez com que mudasse algumas das imagens, rectificando as dos túmulos. Acho que ficou mais bonito - além da correcção que se impunha. É sempre positivo haver alguém que esteja atento e nos chame a atenção para estes «deslizes».
Cumprimentos gratos!
Soledade Martinho Costa


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. LEMBRAR AMÁLIA

. PARABÉNS SARRABAL - E VÃO...

. CERTEZA

. SÃO JOÃO - O SOL E AS PLA...

. PORTUGAL A ARDER - O FOGO...

. HISTORINHA - A ABELHA E O...

. ALGUÉM SE LEMBRA?

. SANTO ANTÓNIO - AS MARCHA...

. CANTO DO VENTO

. ZECA AFONSO

. 23 DE ABRIL - DIA MUNDIAL...

. DEDICATÓRIA

. SEMANA SANTA - O GALO DAS...

. CELEBRAÇÕES DA QUARESMA -...

. CALENDÁRIO - MARÇO

. CARNAVAL - A MÁSCARA

. TODOS OS LUGARES SÃO TEUS

. BOLO-REI - ORIGENS

. A VIAGEM DOS TRÊS REIS MA...

. FELIZ NATAL E BOM NOVO AN...

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.links

.Contador

conter12
blogs SAPO