Sábado, 16 de Maio de 2009

O TEATRO POPULAR EM PORTUGAL - «AUTOS PASTORIS» / FIGUEIRA DA FOZ (VI)

 

Parte I – Origens e Tradições
Parte II – Origens e Tradições
Parte III – As «Brincas» (Évora)
Parte IV – Da «Fama» aos «Quadros Vivos»
Parte V – «Presépios Vivos» (Estremoz)
Parte VI – «Autos Pastoris» (Figueira da Foz)
 
 
Não é, com certeza, errado afirmar que os «autos pastoris» ou «presépios vivos» da Figueira da Foz foram os mais famosos e apreciados do País. De grande nomeada, além de servirem de ponto de encontro das famílias figueirenses, os autos chamavam à Figueira durante a quadra natalícia gentes das localidades vizinhas e mesmo outras vindas de longe para apreciar a arte do teatro popular, dizendo-se por essa época que, «para ver os «presépios vivos» caía meio mundo na Figueira».
 
Ricos e pobres, irmanados na mesma expectativa, aguardavam o mês de Dezembro para assistirem à representação dos autos, a cargo de grupos de actores amadores, pertencentes a todas as classes sociais, desempenhando, também, as mais diversas profissões. Alguns desses nomes ainda hoje são recordados em escritos datados desse tempo, devido às excelentes interpretações por si desempenhadas.
 
Nos finais de Novembro iniciavam-se os ensaios, a decorrerem diariamente nas noites de Inverno até à véspera de Natal, dia da primeira representação. As récitas tinham lugar nos chamados «palheiros» ou «cardenhos» (armazéns), escolhidos entre os mais amplos, de modo a albergar o maior número de espectadores. A iluminação era feita com velas, candeias e lanternas de azeite. Posteriormente a acetileno, só mais tarde as representações começaram a ser efectuadas em locais dispondo já de luz eléctrica.
 
Com o passar dos anos vários teatros se foram construindo, a par de salões nas colectividades recreativas, sempre munidos do respectivo palco, o que nos leva a pensar no grande amor, interesse e enraizado hábito cultural que os Figueirenses nutrem pelo teatro, constituindo, a nível do País, um caso absolutamente invulgar.
 
Entre 1885 a 1905 existiam na Figueira da Foz cerca de duas dezenas de associações recreativas que se dedicavam ao teatro «quer em grandes palcos ou em minúsculos teatrinhos». Até mesmo nas casas senhoriais ou apalaçadas, começaram a surgir os denominados «teatros» (salões destinados a récitas), cujos actores, na maioria dos casos, eram constituídos pela própria família dona da casa, com os espectadores, naturalmente, seleccionados.
 
Nos populares «cardenhos», depois de varridos, limpos, caiados e alindados com festões de verdura e flores, os cenários repetiam-se, invariavelmente, de ano para ano: armava-se um palco ao fundo, onde os elementos cénicos principais apresentavam uma gruta ou «lapinha» ao centro, sendo o restante espaço de cena ocupado por uma espécie de colina revestida com musgo, por onde subiam e desciam pastores, pastoras, romeiros e toda uma diversidade de personagens que tomavam parte na encenação do nascimento de Cristo, levando-lhe as suas oferendas: cestinhos com queijos, «rosários» de pinhões, bolos e mesmo réstias de alhos e de cebolas, além de pequenos objectos para o Menino brincar: apitos, chocalhos, etc.
 
Na «lapinha» encontravam-se a Virgem Maria, o Menino, São José, o burrinho e a vaquinha – estes sempre de loiça das Caldas. Neste cenário e defronte da «lapinha» decorria toda a acção dos autos: falas, cânticos e bailados. Como pano de fundo, para lá da colina, uma imagem pintada da cidade de Jerusalém, enquanto para pano de boca era utilizada, geralmente, uma cortina de chita florida.
 
A «lapinha» encontrava-se oculta por um taipal de madeira, a dar ensejo às diversas e singelas interpretações dos actores e ao seu espanto e alegria sempre que descobriam, no seu vai-e-vem, onde se encontrava o Deus Menino, após corrido o respectivo taipal.
 
O guarda-roupa era também diversificado e deixado ao critério de cada um, desde o trajo de pastor, com a devida «palhoça» às costas, à pastora, de colete vermelho e saia de veludo preto ou de outra cor. Isto, além do ouro, sempre presente nas orelhas ou ao peito das raparigas, seu ou emprestado «para o presépio»: arrecadas, cordões, corações, etc.
 
Os bancos eram corridos, sem costas, ficando o preço dos bilhetes ao critério do público. Para isso, colocava-se uma mesa na entrada e cada qual depositava ali a quantia que melhor entendesse. Retirado o dinheiro destinado às despesas do «cardenho», se sobejassem algumas moedas, organizava-se, de acordo com a praxe, uma bacalhoada, na qual tomava parte toda a companhia, encerrando, assim, comunitária e fraternalmente, os famosos «autos pastoris» da Figueira da Foz.
 
Nessa época os autos representavam-se sem a divisão actual, que consiste em quatro actos, durando, desde o começo da noite até alta madrugada. Os próprios actores, a dado passo, interrompiam espontaneamente as suas interpretações para descansar, intervalos aproveitados pela assistência para saborear as fartas merendas levadas de casa, principalmente as tradicionais «filhoses» e a apreciada «torta doce» das Alhadas, acompanhados pela garrafinha do vinho ou da geropiga.
 
Comia-se, bebia-se, conversava-se, as senhoras chegavam mesmo a fazer renda, discutia-se a actuação dos actores, a dar motivo, por vezes, devido a opiniões divergentes, para uma ou outra bordoada, que também as havia por aqueles tempos, desferida à saída do «cardenho» – quando o caso não resultava num verdadeiro tumulto, tomando parte nele toda a assistência, como se de outros actores e de outro auto se tratasse, agora representado na via pública.
 
Apesar destes imprevistos, os «autos pastoris», vistos e revistos anualmente, sabidos de cor, trauteados e assobiados, mereciam do público sempre a mesma atenção. O importante, afinal, era o respeito pela devoção, o aconchego da amizade, da boa vizinhança, do calor humano que alimentavam o frio do «cardenho» e a alma dos actores.
 
 
                                     A seguir: Parte VII – «Autos Pastoris» (Figueira da Foz)
 
Soledade Martinho Costa
                  
                              
publicado por sarrabal às 01:02
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. CALENDÁRIO - OUTUBRO

. 1 DE OUTUBRO - DIA MUNDIA...

. «O NOME DOS POEMAS»

. HISTORINHA - O MOCHO E A ...

. A CONTRACAPA DE «O NOME D...

. O MEU NOVO LIVRO «O NOME ...

. A VOZ DO VENTO CHAMA PELO...

. ALGUMA COISA ACONTECE

. HISTORINHA - A TOUPEIRA E...

. CALENDÁRIO - AGOSTO

. LEMBRAR AMÁLIA

. PARABÉNS SARRABAL - E VÃO...

. CERTEZA

. SÃO JOÃO - O SOL E AS PLA...

. PORTUGAL A ARDER - O FOGO...

. HISTORINHA - A ABELHA E O...

. ALGUÉM SE LEMBRA?

. SANTO ANTÓNIO - AS MARCHA...

. CANTO DO VENTO

. ZECA AFONSO

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.links

.Contador

conter12
blogs SAPO