Terça-feira, 12 de Maio de 2009

O TEATRO POPULAR EM PORTUGAL - ORIGENS E TRADIÇÕES (II)

   

 
Parte I – Origens e Tradições
Parte II – Origens e Tradições
 
 
Depois dos «momos» impôs-se na corte o teatro vicentino ou de Gil Vicente, enquanto o povo na rua representava os «colóquios», as «comédias», as «farsas» ou as «pantominas», particularmente nas datas cíclicas do calendário religioso.
 
De acordo com diversos autores, subsistem algumas dúvidas de que o teatro português tenha nascido com o Monólogo do Vaqueiro ou Auto da Visitação, de Gil Vicente, na noite de 7 para 8 de Junho de 1502, representado para comemorar o nascimento de um príncipe – o futuro D. João III –, dando início aos «autos pastoris», a que se seguiram o teatro religioso e a farsa (crítica social) vicentinos.
 
No teatro popular inserem-se as «brincas» (mistura de dança, pantomina e recitação de estilo burlesco); as «cegadas» (cantos de crítica e maldizer); as «chacotas» (antigas danças acompanhadas de cantos, a fazerem parte dos «autos populares», alguns de Gil Vicente); os «vilancicos» (pequenas composições poéticas cantadas em festividades religiosas); os «colóquios» (narração de um texto entre dois ou mais intérpretes); as «comédias» (antigamente a relatarem um drama, hoje a indicarem a sátira ou a graça, o teatro para rir); os «entremezes» (breves composições jocosas, burlescas ou dramáticas, representadas entre os actos de uma comédia ou drama); as «famas» (monólogo ou diálogo de louvor a um santo, dividido entre uma parte séria e outra jocosa, geralmente para anunciar que se lhe vai dedicar uma festa); as «farsas» (narração e acção burlesca e de zombaria); as «mouriscadas» (danças e narração de conteúdo dramático e histórico); os «fantoches» ou «robertos» (narrações caricatas e por vezes de crítica em que as personagens são bonecos que se fazem mover por meio de cordéis ou apenas com as próprias mãos de quem os manipula); as «reisadas» (representações populares em honra dos Reis Magos); as «loas» (cânticos religiosos em louvor dos santos ou resumo da comédia ou drama que se vai apresentar); as «pantominas» (com parte coreográfica acompanhada de música e letra, em que os actores só se exprimem por gestos – mímica); as «danças de Entrudo» (compostas por danças e recitação, tradicionais da ilha Terceira, Açores), etc.
 
Outros são ainda os nomes que designam estas mesmas produções teatrais populares adoptados em diversas regiões do País, caso das «calhandras» (por começarem ao alvor do dia) ou «estreléquios», em Braga, das «ensaiadas» em Aveiro, e dos «actos» ou «cascos» em Chaves. Muito embora, na sua maioria, se trate de representações que foram, ao longo dos anos, caíndo em desuso.
 
No que se refere aos «poetas populares», continuam a conceber os seus textos para os integrar em diversas representações ou recitações de cariz mais sério ou mais ligeiro, nas diversas celebrações cíclicas do calendário religioso ou profano, de modo a que se não perca uma das tradições mais populares que se realizam ainda hoje um pouco por todo o País.
 
Na sua grande parte constituem-se por críticas de maldizer, brincadeiras e zombarias, sempre em verso, estilo muito em uso principalmente pelo Carnaval: «enterro do Entrudo», «julgamento das comadres e dos compadres» e «enterro do galo»; pelo São Martinho, com o respectivo «testamento», e pela Páscoa com o ritual da «queima do Judas» - se bem que os textos dos «autos», na quadra quaresmal, aludam somente a temas religiosos ou bíblicos.
 
De um modo geral, estes textos em verso são elaborados anualmente, caso das críticas e zombarias ou dos dramas e comédias representados, por exemplo, nas «brincas» de Évora ou nas «danças de Entrudo» dos Açores. Todavia, verifica-se que os temas religiosos se repetem ao longo dos anos, por vezes apenas com ligeiras modificações, enquanto outros, de acordo com a tradição, se mantêm fiéis ao remoto texto original.
 
Registem-se ainda, neste âmbito, as antigas «patranhas», dando-se o nome de «patranheiros» (sobretudo no Minho) àqueles que percorriam as mais remotas vilas e aldeias, principalmente no tempo frio, em busca de guarida, uma ou outra refeição quente e algumas moedas. Em troca contavam historietas frente ao fogo da lareira às pessoas presentes, a atear as imaginações, a crendice e a magia, enchendo os serões de lengalengas e anedotas, particularmente de contos com enredo dramático ou para rir (as «patranhas»), sempre dados como verdadeiros. A fazer lembrar as «paramitias» da Grécia Antiga, mulheres que tinham a profissão de contar contos a quem as quisesse ouvir, ou os rawia (narradores) árabes, que se faziam escutar nas «zambras» (reuniões para ouvir contos), enquanto na antiga Rússia, entre as famílias abastadas, coabitavam mulheres cuja missão era a de contar skaski (contos) às suas amas antes de estas adormecerem.
 
                                 
                                    A seguir: Parte III – As «Brincas» (Évora)
 
 
Soledade Martinho Costa
                               
                              
publicado por sarrabal às 00:09
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. CALENDÁRIO - AGOSTO

. LEMBRAR AMÁLIA

. PARABÉNS SARRABAL - E VÃO...

. CERTEZA

. SÃO JOÃO - O SOL E AS PLA...

. PORTUGAL A ARDER - O FOGO...

. HISTORINHA - A ABELHA E O...

. ALGUÉM SE LEMBRA?

. SANTO ANTÓNIO - AS MARCHA...

. CANTO DO VENTO

. ZECA AFONSO

. 23 DE ABRIL - DIA MUNDIAL...

. DEDICATÓRIA

. SEMANA SANTA - O GALO DAS...

. CELEBRAÇÕES DA QUARESMA -...

. CALENDÁRIO - MARÇO

. CARNAVAL - A MÁSCARA

. TODOS OS LUGARES SÃO TEUS

. BOLO-REI - ORIGENS

. A VIAGEM DOS TRÊS REIS MA...

.arquivos

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.links

.Contador

conter12
blogs SAPO