Quarta-feira, 15 de Abril de 2009

COISAS DA VELHA DO ARCO - A «CARRAÇA»

 
Viviam na mesma casa há já uns anos. Tinham vindo do Norte. Coisas de negócios, falências, necessidades, originaram a sua vinda para o Sul (Algarve). Objectivo? Reorganizarem a vida, que dinheiro já tinham tido com fartura. Marido e mulher, dois filhos, na casa dos vinte e poucos anos, e os pais do primeiro.
 
Laurinda, a mulher do Saraiva, com quarenta e três anos, bonita, vistosa, cabelo negro, curtíssimo, olhos grandes, da mesma cor, rosto com traços a fazerem a inveja de muita mulher. Arranjada, decotada, moderna, sexi. Como tinha aptidão para a cozinha, arranjou trabalho num hotel como cozinheira. O Saraiva, que fora empreiteiro nos bons tempos, conseguiu trabalho no mesmo ramo. O filho acompanhou-o. A filha casou logo depois e o problema dela ficou resolvido. Voltou para o Norte. O pai do Saraiva, casado pela segunda vez, estava aposentado.
 
Laurinda, apanhado o jeito de conversar comigo, fazia-me confidências sempre que vinha, nas folgas, limpar as escadas e os patamares. O casamento estava por um triz. Durava há vinte e cinco anos. Já não aguentava mais. Os problemas tinham surgido logo após o casamento: o marido eram noitadas, mulheres, dinheiro esbanjado, copos. Maus-tratos físicos, não. Psicológicos, muitos. Tinha ciúmes da Laurinda, criticava-lhe o vestir, o calçado, as pinturas. No Algarve as coisas não melhoraram. Pelo contrário. Laurinda chegava a sair de casa a meio da noite, em pijama, para ir acabar o sono (se é que o tinha começado) em casa de pessoa amiga. «É uma tristeza a minha vida! – Dizia-me. E acrescentava decidida: - Vou deixá-lo. Arranjo casa e vou-me embora. E já o devia ter feito há muito tempo!»
 
O Saraiva sabia dos propósitos da mulher. Chorava junto de quem tinha paciência para escutá-lo. A Laurinda era a mulher da sua vida. Nunca tinha amado outra mulher daquela maneira. «Se ela me deixar, mato-me, pode ter a certeza!», confessou-me certa vez. Impressionaram-me as suas palavras e as suas lágrimas. Implorou-me que intercedesse por ele junto da Laurinda. Falei com ela. Respondeu-me: « É o costume. Ele faz sempre a mesma coisa. Chora, diz que se mata, mas é mentira. Gosta agora de mim! Se gostasse não me fazia a vida num inferno. Ajudava nos gastos da casa e não se embebedava!»
 
Fiquei confusa. Tantas tinham sido já as confidências, que acreditei na Laurinda. Certo dia contou-me que tinha arranjado casa: «Finalmente, vou ter uma vida descansada! – Afirmou.»
 
O filho foi com ela. Na casa que deixou ficaram os sogros e o marido. Tempo depois, os sogros voltaram para o Norte e o Saraiva ficou sozinho. Nas conversas que tinha dizia que deixara de beber. Chegou a oferecer a um dos seus amigos duas garrafas de aguardente de medronho «porque já não fazia sentido tê-las em casa». Homem de olhos tão verdes como nunca vi, começou a andar mais aprumado. Volta não volta, afirmava: «A bebida é que me fez perder a mulher. Por isso, acabou-se!».
 
Com um pé dentro, outro fora do desemprego, habituado durante anos a ser patrão, o Saraiva não tinha grande vocação para empregado. Por esta altura, foi fazer um trabalho numa propriedade em Monchique. Chegada a hora do almoço, a pessoa que o contratou convidou-o a acompanhá-lo ao restaurante. Conhecedor da situação do Saraiva no que tocava a bebida, mandou vir uma garrafa de água e outra pequena de vinho. E logo o Saraiva: «Ó senhor engenheiro, mande vir antes uma garrafa de litro. É que dias, não são dias!»
 
E enquanto o senhor engenheiro bebeu metade de um copo de vinho tinto, o Saraiva bebeu o restante. Ao saber disto, pensei: «Lá se foram as boas intenções do Saraiva.». Com efeito, ninguém o vê a cair de embriagado, mas que tem sérios problemas com a bebida, isso tem. Coisa que vem de longe. Ainda que afirme (como é costume em casos similares) «não ser um alcoólico».
  
Noutra ocasião em que encontrei o Saraiva, diz-me ele para meu espanto: «Hoje vou almoçar a casa da Laurinda!» Dias volvidos anuncia-me, alegre que nem um passarinho: «Esta noite não dormi em casa. Fiquei em casa da Laurinda!»
 
Será possível, perguntei a mim própria. Só tive resposta quando a Laurinda me confirmou que sim. «Mas, então… – Argumentei.» Diz a Laurinda a rir: «Mas há lá pessoa mais maluca do que eu? Não há! Pois é. Vai lá comer e tem direito a sobremesa e a café! Já me apareceu com a roupa para eu dar um jeito e esta parva que está aqui tratou-lhe de tudo. É uma autêntica carraça. Está bem como bem. Melhor do que nunca!»
 
Concordei. Entretanto, o Saraiva acabou por deixar a casa onde habitava sozinho. Tempo depois voltei a falar com a Laurinda. Confirmou novamente: «Ah, pois, agora almoça, janta e dorme lá em casa. É o que eu digo, não tenho juízo! Mas que hei-de fazer? Apareceu-me com a mala da roupa e mais uns sacos. O meu filho cedeu-lhe a cama e tem lá dormido. E não me dá um tostão. Na outra casa ainda pagava uma parte da renda, agora nem isso. Eu sempre sou muito parva! Mas já lhe disse a ele: olha que é por pouco tempo. Trata da tua vidinha, porque qualquer dia ponho-te a tralha toda na rua. Já o avisei!»
 
Cá para mim, devem ser os olhos verdes, verdes, do marido – ainda que não seja propriamente um «gato». E também os vinte e cinco anos de casamento. E também os filhos. E também o neto que vai chegar por um destes dias. E também o amor, quem sabe o afecto, que liga ainda a Laurinda ao Saraiva, por mais que ela diga que não.
 
Se o Saraiva não sair de casa da Laurinda, como parece ser sua intenção, a Laurinda só tem uma hipótese: começar de novo à procura de casa. O problema está em que o Saraiva costuma dizer: «Eu, por aquela mulher, vou até ao fim do Mundo!».
  
Dadas as circunstâncias, acredito. Assim como acredito que deve haver poucos casos como este. Mais. Supondo que a Laurinda arranje uma casa «no fim do Mundo», com a prática que o marido tem em «falar-lhe ao coração», quando a Laurinda lá chegar, já o Saraiva lá está à espera dela!
 
Soledade Martinho Costa
 
 
 
publicado por sarrabal às 19:43
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De garatujando a 16 de Abril de 2009 às 23:58
Se me fosse permitido um lugar comum, surrado de tanto que tem sido usado, diria a propósito desta estória: QUANTO MAIS ME BATES MAIS GOSTO DE TI". Ou então: "O CORAÇÃO TEM RAZÕES QUE A PRÓPRIA RAZÃO NÃO ENTENDE".

Saudades, SOLEDADE.

Carlos Ferreira


De sarrabal a 17 de Abril de 2009 às 00:41
Talvez, caro Carlos Ferreira. Só o tempo dirá qual o desfecho desta história. Mas a narrativa fica por aqui...

Abraço amigo

Soledade Martinho Costa


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. 8 DE DEZEMBRO - NOSSA SEN...

. MEDITERRÂNICA

. SAUDADE

. CALENDÁRIO - OUTUBRO

. 1 DE OUTUBRO - DIA MUNDIA...

. «O NOME DOS POEMAS»

. HISTORINHA - O MOCHO E A ...

. A CONTRACAPA DE «O NOME D...

. O MEU NOVO LIVRO «O NOME ...

. A VOZ DO VENTO CHAMA PELO...

. ALGUMA COISA ACONTECE

. HISTORINHA - A TOUPEIRA E...

. CALENDÁRIO - AGOSTO

. LEMBRAR AMÁLIA

. PARABÉNS SARRABAL - E VÃO...

. CERTEZA

. SÃO JOÃO - O SOL E AS PLA...

. PORTUGAL A ARDER - O FOGO...

. HISTORINHA - A ABELHA E O...

. ALGUÉM SE LEMBRA?

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.links

.Contador

conter12
blogs SAPO