Domingo, 8 de Fevereiro de 2009

«IR À "PIDA"»

 
Assim se dizia dos homens alentejanos que a falta de trabalho e a fome obrigavam a esmolar pelas vilas e cidades afastadas das suas terras, por lá andando, por vezes 15 dias e mais, regressando a casa quase sempre de mãos vazias.
 
Lembro-me
De os ver passar na minha rua
Em grupo
Grupo pequeno
Três a quatro homens
A capa alentejana pelos ombros.
 
Vinham
Do “alto” da vila
Hoje cidade
Dividida como dantes
Em parte nova e parte antiga.
 
Na memória dos olhos
Guardo
As suas capas
Castanhas
Cor da terra.
 
As cabeças cobertas
Com o lustro dos chapéus
A bota grossa
São imagens
Que ficaram na distância do olhar.
 
Quem seriam esses homens
A deambular pelas ruas?
E tinha medo
Um medo
Que me subia até aos ombros
E se sentava neles.
 
Espreitava-os
Pela cortina da janela
Falava-se de assaltos
De crimes e outras histórias
Tão falsas
Como a mentira do meu País de então.
 
Quando surgiam de uma esquina
Era o silêncio que lhes fazia escolta
Ninguém os conhecia
Quais seriam os seus nomes
Teriam casa
Mulher, filhos, pais, família?
 
Circulavam de porta em porta
A subir
A descer escadas
De mão estendida
Num acanhamento
Onde eu não percebia
A mágoa e a revolta.
 
E nunca vi um gesto
Ouvi uma palavra
Dei por ninguém
Que se tivesse aproximado
Daquele grupo de homens
Sem alternativa
Sem outra condição
A não ser a de pedir
Estender a mão
A quem por vezes nada tinha.
 
Caminheiros do desamparo
Da solidão
Oh! donos de tão grande pobreza
Estais, por acaso, ainda vivos?
Passaram tantos anos…
Tempo que me pesa demais no coração
E só hoje acordei neste poema.
 
Porque hoje sei
Que a desventura
A falta de trabalho
A fome
A miséria
Os fazia surgir como a formiga
Em tempo (in)certo.
 
Com que abandono, meu Deus
Com que tristeza
Aqueles passos
Soam de novo aos meus ouvidos.
 
Nesta hora eu os ouvisse
Pressentisse
Pedir-vos-ia perdão
Pela fartura do pão
De tão sobejo para a minha fome
Demasiado para a minha mesa.
 
Pela bênção de não ter
Como vós
De depender da caridade alheia
De não sentir
Como vós
O infortúnio de regressar um dia a casa
Ao ponto de partida
À mesma fonte de dor e de destino
Sem nada levar na algibeira
Além do pó da estrada
Do cansaço dos dias
Das horas de lonjura
Das saudades a pulsar nas veias.
 
Da longa
Da inútil caminhada
Com o fracasso
O receio e a mesma fome
A roer os ossos e as ideias.
 
Oh! Alentejo
Que não voltes mais
A meter medo
Às crianças das vilas
Das cidades
Ao deixares partir os teus homens
Dos lugares que amam.
 
 
Soledade Martinho Costa
 
publicado por sarrabal às 01:41
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De garatujando a 8 de Fevereiro de 2009 às 17:30
Três notas a propósito da minha visita de hoje ao SARRABAL:

1 - O poema descritivo "IR À 'PIDA' " que, numa linguagem rica até ao pormenor, nos faz ver, como num filme, a vida de extrema pobreza no Alentejo. Apreciei, também, por apropriada e sugestiva, a imagem com que o ilustra.

O poema termina com um comovente apelo:

Oh! Alentejo
Que não voltes mais
A meter medo
Às crianças das vilas
Das cidades
Ao deixares partir os teus homens
Dos lugares que amam.

Receio bem que esse sentido apelo não encontre correspondência, dadas actuais circunstâncias que lançaram o mundo num desnorte generalizado.

2 - Referência, também, para o "Prémio Dardos" atribuído ao SARRABAL e que traduz o merecimento do seu trabalho.

3 - Por fim, agradecimento pelo link que no seu blog fez para o Garatujando, incluindo-o nos seus "BLOGUES A VISITAR", o que muito me desvanece.

Foi, desta feita, uma visita um tanto rápida (a anterior tinha sido bem mais minuciosa por então dispor de mais tempo).
Mas deu para sentir o costumado prazer, idêntico ao se experimenta numa casa amiga, acolhedora e muito bem "posta".
O agrado já não constitui surpresa.

Resto de bom Domingo e
Abraço amigo

Carlos Ferreira




De sarrabal a 10 de Fevereiro de 2009 às 01:59
Amigo Carlos Ferreira:

Já não é novidade para si dizer-lhe que muito prezo as suas visitas ao Sarrrabal. Ainda por cima com o pormenor com que faz os seus comentários.
Sim, é verdade que o poema »Ir à "Pida"» (termo usado no Alentejo quando os homens se ausentavam para pedir esmola), tem muito a ver com a crise actual que atravessamos. Lembrei-me dele (não está em livro como muios dos outros), por sentir que seria oportuno publicá-lo. Certamente que o meu apelo não vai encontrar eco, mas talvez seja uma chamada de atenção. Bom seria que não mais se repetisse o deambular daqueles vultos pelas ruas de Alverca do Ribatejo (era lá que os via), vultos que nunca mais poderei esquecer, embora só hoje me aperceba, verdadeiramente, do seu dramático significado.
Hoje já é demasiado tarde, mas amanhã irei ao Garatujando à «cata» de novidades!

Abraço amigo da Sol



Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. CALENDÁRIO - OUTUBRO

. 1 DE OUTUBRO - DIA MUNDIA...

. «O NOME DOS POEMAS»

. HISTORINHA - O MOCHO E A ...

. A CONTRACAPA DE «O NOME D...

. O MEU NOVO LIVRO «O NOME ...

. A VOZ DO VENTO CHAMA PELO...

. ALGUMA COISA ACONTECE

. HISTORINHA - A TOUPEIRA E...

. CALENDÁRIO - AGOSTO

. LEMBRAR AMÁLIA

. PARABÉNS SARRABAL - E VÃO...

. CERTEZA

. SÃO JOÃO - O SOL E AS PLA...

. PORTUGAL A ARDER - O FOGO...

. HISTORINHA - A ABELHA E O...

. ALGUÉM SE LEMBRA?

. SANTO ANTÓNIO - AS MARCHA...

. CANTO DO VENTO

. ZECA AFONSO

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.links

.Contador

conter12
blogs SAPO