Domingo, 18 de Janeiro de 2009

BORDA-D'ÁGUA - A APANHA DA AZEITONA II (ANTIGAS TRADIÇÕES)

  
 
Tarefa agrária das mais importantes, a estender-se de Novembro até Janeiro, a apanha da azeitona, por lugarejos, aldeias e vilas, sobretudo se a safra é pequena, continua a processar-se por varejo manual, como antigamente, embora hoje simplificada por acção mecânica.
 
Apanha da azeitona, Monchique, Algarve.
 
Assim se repetem, no desfiar dos anos, ritos e tarefas, risos e confraternização, nascidos de um tempo que não se apaga na memória das gentes. Todavia, se do presente pouco há a dizer, do passado não. Por isso se lembra aqui algumas das tradições de outros tempos das quais restam ainda alguns rituais que teimam em sobreviver.
 
 
Na Beira Baixa os «azeitoneiros» eram chamados diariamente para a colheita da azeitona pelo toque de búzios. Ao chamamento reuniam-se homens e mulheres munidos dos respectivos apetrechos indispensáveis à safra: escadas; cambos ou cambãos (pau com gancho para apanhar os frutos); joeiras ou cirandas (espécie de peneiras para separar o fruto das folhas); sacos; panais (panos que se estendem junto às oliveiras onde caem as azeitonas) e o varejão (vara grande para varejar as oliveiras), assim se dirigindo para os olivais, levando também os cestos da merenda. A hora do almoço e do jantar assim como o final da actividade diária eram igualmente anunciados pelo toque do búzio.
 
Apanha da azeitona, Pedrógão, Castelo Branco.
 
Terminada a safra o proprietário do olival ou olivais obsequiava então – como se faz ali ainda hoje – os ranchos com uma refeição, geralmente uma ceia composta por «uma sopa de feijão grande com hortaliça» (uso que permanece), «caldeirada de bacalhau» (substituída por um guisado de borrego ou de cabrito) e «papas de carolo», nunca faltando «as filhoses e o vinho» – tudo isso mantido actualmente de um modo mais restrito e familiar.
 
 
Acabada a refeição, organizava-se uma pequena festa com bailarico, que continua, por vezes, a efectuar-se. Por essa época, finais dos anos sessenta, sempre que aparecia uma visita no olival levada pelo patrão, principalmente quando se tratava de pessoa de certa posição social, uma das raparigas do grupo, escolhida entre as menos tímidas, munia-se de um raminho de oliveira com algumas azeitonas, misturado com flores silvestres e oferecia-o ao recém-chegado, quase sempre acompanhado com uma quadra que lhe dissesse respeito. No caso de a visita aparecer no lagar, acontecia outro preceito: com um pano dirigia-se à pessoa e, simbolicamente, limpava-lhe os sapatos. Usos que já lá vão.
  
 
Limpeza da azeitona utilizando uma ciranda (peneira feita de junco).
 
Quer na ida para o olival ou no regresso e durante a apanha da azeitona não faltavam também os descantes – cantigas lembradas e recuperadas hoje pelos ranchos folclóricos. Aqui fica uma delas: «Varejai, varejadores/Apanhai, apanhadeiras/Apanhai bolinhas d’oiro/Que caem das oliveiras». E ainda esta: «A oliveira do adro/Tem a folha revirada/Que lha revirou o vento/Numa manhã de geada» (ambas do Teixoso, Beira Baixa).
 
Oliveira.
 
Em Ançã (Beira Litoral), onde chamavam «cabras» às azeitonas que caíam fora dos panais de serapilheira, hoje substituídos pelos «panões», feitos de outros materiais – que cobrem a área total ao redor das oliveiras, sendo por isso menor o trabalho das mulheres –, os apanhadores cumpriam o uso de «penhorar» quem passava pelo olival. Uma das raparigas dirigia-se à pessoa levando um raminho de oliveira com algumas azeitonas agarradas e dizia-lhe uma quadra. Esta, no caso de ser um homem: «Aqui vai esta «penhora» /Que da minha mão se oferece/Ela não é como eu quero/Porque o senhor mais merece».
 
 
A pessoa respondia por vezes também em verso, não deixando de oferecer algum dinheiro que os apanhadores iam juntando para no final da safra oferecerem um presente ao patrão. Nesta altura formava-se um cortejo com música, a rapariga mais bonita do rancho à frente, seguindo até à casa do lavrador. À chegada estalavam os foguetes e oferecia-se o tradicional presente que consistia num cartucho com café, outro com chá, um outro com açúcar, biscoitos, amêndoas e azeitonas, levado num tabuleiro forrado com uma toalha de renda enfeitada com raminhos de oliveira.
  
 
Chamava-se ao ritual «penhorar o patrão». Em troca, depois dos abraços, o grupo entrava na casa, sendo-lhe servida uma refeição de sopa, bacalhau com batatas e vinho branco e tinto. Os trabalhadores sentavam-se à mesa, enquanto eram servidos pelos patrões, mulher e marido, a lembrar as Saturnais romanas, quando os escravos eram servidos à mesa pelos seus amos. A festa terminava com um bailarico que durava até altas horas, aberto pelo lavrador que escolhia para seu par uma das raparigas do rancho. Este cerimonial festivo repetia-se noutras localidades.
 
Pote e bilha de lata para armazenar azeite.
 
Uma outra tradição que se mantém, pelo menos na Beira Baixa e na Estremadura, diz respeito às «tibornas», manjar particularmente apreciado na época da safra da azeitona, sobretudo quando os lagares começam a «andar» (trabalhar), recordando a importância cultural e económica que lhes coube por tempos passados, quando grandes lagares de azeite funcionavam em pleno pelas quintas na sua maioria agora arruinados, companheiros de desdita de velhos e abandonados moinhos.
 
«Tiborna».
 
As «tibornas» mais não são do que fatias de pão aquecido na própria caldeira do lagar, colocadas num prato, polvilhadas com açúcar e regadas depois com azeite novo. O nome «tiborna» aparece também ligado à doçaria («tibornas» de Vila-Viçosa) ou feitas em casa, quando se coze pão, com este bem quentinho, mal sai do forno, molhado num prato com azeite novo, alhos e sal. Quem gosta junta-lhe um pouco de açúcar.
 
Soledade Martinho Costa
 
 
Do livro “Festas e Tradições Portuguesas”,Vol.VIII
Ed. Círculo de Leitores
 
 
publicado por sarrabal às 01:26
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. CALENDÁRIO - AGOSTO

. LEMBRAR AMÁLIA

. PARABÉNS SARRABAL - E VÃO...

. CERTEZA

. SÃO JOÃO - O SOL E AS PLA...

. PORTUGAL A ARDER - O FOGO...

. HISTORINHA - A ABELHA E O...

. ALGUÉM SE LEMBRA?

. SANTO ANTÓNIO - AS MARCHA...

. CANTO DO VENTO

. ZECA AFONSO

. 23 DE ABRIL - DIA MUNDIAL...

. DEDICATÓRIA

. SEMANA SANTA - O GALO DAS...

. CELEBRAÇÕES DA QUARESMA -...

. CALENDÁRIO - MARÇO

. CARNAVAL - A MÁSCARA

. TODOS OS LUGARES SÃO TEUS

. BOLO-REI - ORIGENS

. A VIAGEM DOS TRÊS REIS MA...

.arquivos

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.links

.Contador

conter12
blogs SAPO