Domingo, 1 de Junho de 2008

HISTORINHAS - A CEREJEIRA

 

 
A cerejeira de que vos vou falar nasceu numa quinta onde havia diversas árvores de fruto: macieiras, laranjeiras, pessegueiros, pereiras e outras. Era uma árvore muito jovem que dava frutos pela primeira vez. Por isso, estava coberta de flores, o que a deixava muito orgulhosa.
 
«Como serão as minhas cerejas? – Pensava ela. – Serão grandes? Serão doces? Serão muito vermelhas? Quem as irá colher? Quem as irá provar?».
Com estes pensamentos, ficava a abanar a rama docemente, como a embalar a promessa da chegada dos frutos por ela tão ansiosamente esperados.
- Que linda estás, assim, toda florida! - Disse-lhe, certa manhã, um pardal que viera pousar num dos seus ramos.
- Ah, amigo Pardal, estou tão feliz. Imagina que vou dar frutos pela primeira vez!
- Nesse caso, parabéns! – Exclamou, afectuosamente, a pequena ave.
- Só desejo que os meus frutos sejam muito, muito vermelhos! – Suspirou, esperançada, a jovem cerejeira.
O pardal pôs a cabecinha à banda, admirou os ramos de folhinhas verdes salpicadas de flores, e disse, sincero, a fazer-se convidar:
- Se não te importas, virei visitar-te daqui a mais uns tempos. Como sabes, nós, os pardais, gostamos muito de cerejas…
- Com certeza. Em breve estarei carregadinha de frutos e poderás comê-los à tua vontade! – Ofereceu a cerejeira com igual sinceridade.
A imaginar futuros almoços postos, gentilmente, à sua disposição, o pardal saltitou de um para outro ramo.
- Já alguém te disse que no Japão fazem todos os anos uma grande festa a que dão o nome de Festa das Cerejeiras? – Perguntou ele, que era uma ave culta e gostava de conversar.
Apanhada de surpresa, pois longe estava de supor que num país distante as cerejeiras fossem tão apreciadas, a jovem árvore mostrou-se interessadíssima com a novidade.
- Não, nunca ouvi falar. Mas conta, conta! Quando fazem essa festa?
- Quando as cerejeiras estão cobertas de flores, como tu agora. – Informou o pardal.
- Já lá estiveste? – Perguntou a cerejeira.
- Não. Quem me contou foi uma andorinha minha amiga, muito viajada e que  sabe muitas coisas passadas no mundo dos homens. – Explicou o pardal.
Nesta altura, houve um momento de silêncio que ambos aproveitaram: a cerejeira para balouçar ao sabor do vento os ramos floridos; o pardal para esticar as asinhas num jeito de abraço.
- E que mais sabes acerca de cerejeiras? – Quis saber a árvore.
- Sei que as meninas gostam de pendurar nas orelhas a cerejas, a fingirem de brincos…
- E que mais?
- …Que as cerejas servem para fazer doces, geleias e compotas…
- Sim?
- …Que da madeira de cerejeira se fazem delicados trabalhos de marcenaria…
- Sabes muitas coisas, amigo Pardal! – Elogiou a cerejeira perante tão vastos conhecimentos.
O pardal, com ar modesto, agradeceu.
- Bom, mas agora vou andando. Tenho um encontro marcado, ali, na Figueira Grande, com um grupo de pardais meus amigos. Mas eu volto. E não só pelas tuas cerejas. Volto para saber de ti, porque sou teu amigo! – Afirmou antes de levantar voo.
 
 
Quando ficou sozinha, a cerejeira pensou de si para si:
«Que bom ter um novo amigo. Quem dera que volte depressa». 
Tempo depois, por entre a sua folhagem, começaram a surgir os primeiros frutos. Mas a cerejeira não se mostrou feliz. Pelo contrário! Ao verificar que as cerejas não ofereciam a cor vermelha que tanto desejava, sentiu-se imensamente triste.
«Que pouca sorte a minha. – Lamentava-se ela. – Que frutos tão sem graça os meus, assim, sem cor…Nem o meu amigo Pardal os vai cobiçar por mais fome que tenha!».
O Sol, lá em cima, ia ouvindo os seus queixumes.
«Tem ainda muito que aprender.» - Pensava ele.
Até que um dia, o Sol, condoído com o desgosto da cerejeira, aqueceu os seus raios o mais que pôde, enviou-os para a Terra, e com eles envolveu dias e dias a fio a polpa das cerejas.
Ao reparar que os frutos a pouco e pouco mudavam de cor, a cerejeira encheu-se de alegria. As cerejas, finalmente amadurecidas e muito vermelhas pela acção do Sol, pendiam agora ao longo dos seus ramos, em graciosos cachos, como se fossem meninos a dar a mão.
- Cá estou eu de novo. Mas hoje venho para almoçar! – Ouviu a cerejeira certa vez.
- Olá, amigo Pardal, sê bem-vindo! – Saudou ela muito feliz. – Podes comer à-vontade. O prometido, é devido!
O pardalito debicou um dos frutos.
- Hum…Como são boas. Nunca provei cerejas tão docinhas e vermelhas como as tuas!
Ao escutar estas palavras a cerejeira estremeceu todos os seus ramos numa grande satisfação.
Foi nesta altura que o Sol, lá em cima, piscou um dos seus raios para a Terra com um ar muito maroto!
 
Soledade Martinho Costa
 
Do livro “Seis Histórias numa História de Todas as Cores”
Ed. CEBI (Fundação José Álvaro Vidal)
publicado por sarrabal às 00:30
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. 8 DE DEZEMBRO - NOSSA SEN...

. MEDITERRÂNICA

. SAUDADE

. CALENDÁRIO - OUTUBRO

. 1 DE OUTUBRO - DIA MUNDIA...

. «O NOME DOS POEMAS»

. HISTORINHA - O MOCHO E A ...

. A CONTRACAPA DE «O NOME D...

. O MEU NOVO LIVRO «O NOME ...

. A VOZ DO VENTO CHAMA PELO...

. ALGUMA COISA ACONTECE

. HISTORINHA - A TOUPEIRA E...

. CALENDÁRIO - AGOSTO

. LEMBRAR AMÁLIA

. PARABÉNS SARRABAL - E VÃO...

. CERTEZA

. SÃO JOÃO - O SOL E AS PLA...

. PORTUGAL A ARDER - O FOGO...

. HISTORINHA - A ABELHA E O...

. ALGUÉM SE LEMBRA?

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.links

.Contador

conter12
blogs SAPO