Domingo, 27 de Abril de 2008

COISAS DA VELHA DO ARCO - "ROUBO, DISSE ELA"

Jessica Fletcher
 
Quando voltei ao Algarve, nos primeiros dias de Janeiro último, deparei, à porta da minha garagem, com um ciclomotor marca Yamha, de matrícula 1- ABF-80–82, a indicar o seu registo na Câmara Municipal de Albufeira. Às primeiras impressões, e tratando-se de um acesso privado, julguei que o veículo pertencesse a alguém que se tivesse deslocado até ali. Os dias passaram, as semanas também e o ciclomotor continuava no mesmo local. Perguntou-se por um eventual dono, mas as pistas a nada e a ninguém conduziram. Então, fez-se luz: o ciclomotor havia sido roubado!
 
Por essa razão, dei um “passeio” até Albufeira e dirigi-me ao posto da GNR. Comuniquei o caso e solicitei informações sobre o legítimo proprietário, de modo a contactá-lo para vir buscar o que era de sua pertença. Mas logo fui informada de que «não tinha havido participação do roubo». O conselho veio a seguir: «É melhor a senhora ir à Câmara Municipal, secção de registo de veículos».
 
Segui directamente para a Câmara, dirigindo-me ao atendimento geral. Pois, que sim, mas «teria de pôr o caso por escrito, dirigindo a carta ao senhor presidente da Câmara Municipal de Albufeira». Regressei a casa e logo que me foi possível, escrevi a carta: tudo explicadinho (que já tinha estado no posto da GNR), acrescido do meu nome, residência e nº de contribuinte. Entreguei a carta no dia 11/2/08. E aguardei.
 
No dia 19/2/08 recebo a resposta, enviada pelo senhor presidente da Câmara, dizendo que «sobre o assunto referido, deveria dar dele conhecimento à GNR, visto ser costume este tipo de informações serem dadas a entidades oficiais»! Postas as coisas neste pé, lá voltei ao posto da GNR. Um dos agentes, a dar-se ares de simpático, prometeu – provavelmente para me despachar: «Fique descansada. Irei contactar a Câmara e logo a informo». 
 
Voltei à minha vida, sempre a pensar na pobre ou no pobre proprietário do ciclomotor, privado, por aspectos burocráticos, ridículos e muito pouco solidários, do seu usual meio de transporte. Naturalmente, a supor que não mais lhe poria a vista em cima. 
 
Passou o resto de Fevereiro e passou o mês de Março. Notícias do GNR, nem vê-las! Resolvi, então, telefonar à secretária do Senhor presidente da Câmara, a quem relatei a história, apelando à questão humanitária que o assunto implicava. Deu-me razão e pediu-me uns minutos. Aguardei e veio a sugestão: «O que podemos fazer é mandar rebocar o ciclomotor, que virá aqui para o local das coisas abandonadas.» Declinei a oferta: «Para a sucata? Não, obrigada. Se desejasse que o rebocassem, já o tinha solicitado à Câmara!». «Isso é verdade. – Concordou – Mas eu vou tratar do assunto. Deixe-me o seu contacto», pediu. Deixei. Estávamos no princípio de Abril.
 
Entretanto, vasculhando mais atentamente no ciclomotor, que de azul-escuro estava agora cinzento devido ao pó, encontrei dois capacetes e coladinho lá dentro a identificação do seguro: Fidelidade! Foi o suficiente para me pôr de novo em acção. Telefonei para a Seguradora em Lisboa, que me disse ter sucursais em Portimão, Loulé e Faro. Decidi-me por esta última. A informação foi animadora. Havia em Albufeira «uma mediadora da Fidelidade»! A sorte estava do meu lado, pensei. Tomei nota do nome da senhora (olá, dona Noélia!) e do seu número de telefone. Não perdi tempo e eis-me a contactar o stand “Star Mota”. Após contada a história, «a senhora até se lembrava que tinha vendido o ciclomotor», informou-me ter em arquivo os dados da compradora, que gentil e solidariamente procurou e mos cedeu: nome, morada e número de telemóvel. Quanto a mim, não havia dúvidas de que o caso estava, finalmente, encerrado. Como estava enganada, meu Deus!
 
A primeira decepção surgiu quando fiz a chamada para o telemóvel. Apareceu-me do outro lado uma senhora da Póvoa do Lanhoso, dizendo que «era engano». Para azar meu, a senhora, de voz grossa e autoritária, nadinha simpática, retirou-me qualquer ilusão para um brevíssimo diálogo. Havia, ainda, a morada. A esperança morre e renasce! Ora vamos lá procurar na Av. tal, o nº 209. Mas qual 209, qual carapuça: na Av. tal, a numeração terminava no número 195! Daí para a frente não havia mais nada.
 
Mas logo despontou em mim, uma nova hipótese: a do carteiro! Foi um anjo caído do céu: «Sabe, isto é uma confusão. O número 209 devia ficar para cima e não para baixo da avenida. Mas não. Fica lá para baixo, onde a numeração começa no 1, 3, 5… É por lá que fica o 209». Abençoado carteiro, a quem dou um certo trabalho quando estou por cá, por me trazer, quase diariamente, a minha correspondência.
 
Chegada, finalmente, ao tão desejado número, deparei com um condomínio fechado. Os apartamentos iam do número 200 ao 210. Por fora, estavam as respectivas caixas de correio. Mas apenas quatro caixas. Nenhuma delas com a indicação do número 209! O que fiz? Meti em cada uma um papelinho com o número do meu telemóvel e a razão que me levava a proceder deste modo. Nesse dia, a meio da manhã, eis o desejado telefonema da proprietária do ciclomotor! Combinámos o encontro, junto do dito, ao fim da tarde. E assim aconteceu. A jovem, brasileira, vinha acompanhada pelo marido. Eu não me tinha enganado: «A falta que nos tem feito! Temos andado à boleia, que nos dão os amigos!».
 
Mas a história com um final feliz, não acaba aqui. Não acaba aqui, não senhor. Com eles traziam, para comprovar, uma certidão passada pela Guarda Nacional Republicana de Albufeira (vulgo GNR), assinada pelo comandante do posto, na qual se denunciava «o furto, por desconhecidos, do ciclomotor de marca Yamaha, de matricula 1-ABF-80-82, no valor de 650,00 euros». A certidão apresentava a data de 31 de Dezembro de 2007! Estávamos a meio de Abril.
 
Não faço mais considerações sobre este caso. Pelo menos, aqui, no Sarrabal. Mas um destes dias vou dar outro “passeio” até à GNR de Albufeira. Eles merecem esta visita de “cortesia”. Apenas para lhes mostrar a cópia da certidão e perguntar. «Meus senhores, afinal, houve ou não houve participação do roubo?» Só não faço ideia da resposta. Quanto ao prometido telefonema da secretária do senhor presidente da Câmara de Albufeira, continuo à espera dele.
 
Assim vão as coisas neste País – já lá diziam o “Senhor Feliz e o Senhor Contente”, lembram-se?
 
Soledade Martinho Costa
 
 
 
 
 
publicado por sarrabal às 00:17
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. 8 DE DEZEMBRO - NOSSA SEN...

. MEDITERRÂNICA

. SAUDADE

. CALENDÁRIO - OUTUBRO

. 1 DE OUTUBRO - DIA MUNDIA...

. «O NOME DOS POEMAS»

. HISTORINHA - O MOCHO E A ...

. A CONTRACAPA DE «O NOME D...

. O MEU NOVO LIVRO «O NOME ...

. A VOZ DO VENTO CHAMA PELO...

. ALGUMA COISA ACONTECE

. HISTORINHA - A TOUPEIRA E...

. CALENDÁRIO - AGOSTO

. LEMBRAR AMÁLIA

. PARABÉNS SARRABAL - E VÃO...

. CERTEZA

. SÃO JOÃO - O SOL E AS PLA...

. PORTUGAL A ARDER - O FOGO...

. HISTORINHA - A ABELHA E O...

. ALGUÉM SE LEMBRA?

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.links

.Contador

conter12
blogs SAPO