Segunda-feira, 18 de Fevereiro de 2008

ABRE-LATAS - OS SAPATOS

 
Seguia eu por um dos passeios da Avenida Estados Unidos da América, quando o meu olhar me conduziu até à criança que se encontrava sentada no degrau da porta de um prédio daquela artéria.
Franzina, loirita, encolhida sobre si mesma, a saia puxada, a tapar-lhe os joelhos até aos pés. Pareceu-me que chorava. A seu lado, dois sacos de plástico com qualquer coisa dentro.
Avancei na sua direcção até ficar junto dela. Não se mexeu nem levantou os olhos. Chorava, confirmei. Falei baixo, um pouco a medo:
- O que foi, estás a chorar?
- Não vê que não!? – Respondeu, meio trocista, meio a precisar de ser consolada.
- Claro que estás a chorar. Mas porquê, queres dizer-me?
- Por isto! – Levantou um pouco a saia e atirou ao ar, com a ponta do pé, um sapato, que voou dois palmos até aterrar, deitado de lado, no empedrado do passeio.
- Por causa deste sapato? – Indaguei, curiosa.
- Então, não percebe? – Mostrou o outro pé, ainda calçado, levantando um pouco mais a saia. – Não percebe que não posso dar um passo com isto calçado? Que estou sempre a cair!? – E atirou, num gesto gémeo, o outro sapato ao ar.
- Tens razão. – Concordei. – São sapatos de senhora e de salto muito alto. Não tens outros? – Indaguei, embora consciente da ingenuidade da pergunta.
- Ora, ora. - Bateu, em ritmo acelerado, com os pés descalços sobre as pedras. – Acha que sim? Vê-se logo…
As lágrimas foi-as enxugando às costas da mão e o ranho à manga da camisolita barata.
- Bem, conta-me lá essa história para eu perceber…
- Foi assim. Eu vendo cabides de plástico. Estão aqui. – Apontou um dos dois sacos, junto dela. – E lembrei-me de ir às portas, porque não tenho vendido nada. Foi num prédio, ali em baixo. Toquei a uma campainha qualquer e abriram a porta. Havia elevador, mas eu subi as escadas. Estava escuro e tive um bocado de medo. Depois, toquei a uma campainha. Está a perceber? – Interrompeu, de súbito, a olhar-me interrogativa.
- Perfeitamente. – Respondi, interessada no desenrolar da história.
- Ainda bem. – Continuou: - Veio uma senhora e eu perguntei se queria comprar cabides. Não respondeu, mas disse: espera aí. Fechou a porta e eu fiquei ali, à espera, e já estava arrependida. Depois a senhora veio outra vez e entregou-me esse saco. – Apontou para o segundo saco de plástico. – Toma, disse ela. E fechou a porta. Saí do prédio e espreitei para dentro do saco. Queria saber o que é que ela me tinha dado.
Chegada a este ponto da descrição do acontecido, levanta-se, agarra no saco e despeja no passeio outro par de sapatos.
- Foi isto o que ela me deu! Estes e esses. – Aponta com o dedo, outra vez, agora para o primeiro par de sapatos acrobatas.
- Mas sabe – prossegue com um sorriso maroto –, à primeira impressão até achei giros. Tinha uns sapatos velhos, encostei-os lá a um canto, e calcei aqueles. – Voltou a apontar o primeiro par de sapatos. – O pior, é que conforme vim andando, vim sempre a tropeçar e a torcer os pés até chegar aqui. Não quero mais esta porcaria! – Vociferou, desta vez.
Não sabia o que dizer, nem que solução dar ao problema. Arrisquei:
- Se calhar, é melhor ires buscar os teus sapatos velhos…
- É o que vou fazer e já. A senhora toma conta disto?
“Isto”, eram os sapatos e os cabides dentro do saco.
E já numa corrida:
- Vamos lá ver é se ainda lá estão!
Fiquei a olhá-la, descalça, numa corrida lesta, por entre quem se cruzava com ela, até que a perdi de vista. Não tinha grande pressa e aguardei. Estupidamente, eu sei, dei por mim a pensar quanto seria bom os sapatos velhos não terem saído do lugar onde a garota os deixara.
A espera não foi demorada. Ei-la, arfante e vitoriosa a meu lado.
- Felizmente, ainda lá estavam. Não mos levaram! – E olhava para os pés onde, gastos, sujos e rotos, se mostrava um par de sapatos, dos quais nem suspeitas da cor primitiva.
“Felizmente, ainda lá estavam”, repeti a frase para comigo. "Quem os quereria?", interroguei-me.
- Então, está tudo resolvido. – Disse.
- Não, não. – O dedinho levantado, fazia a rotação dos ponteiros do relógio.
- Não!? – Repeti.
Desembaraçada, começou a enfiar os dois pares de sapatos no saco de plástico. Ajudei-a na tarefa.
- Agora, vou pô-los à porta da senhora que mos deu. Toco numa campainha qualquer da porta da rua. Só para entrar. Mas não toco à campainha da porta dela. Vou deixar o saco no tapete.
- Acho bem. – Respondi, a concordar com a ideia. E acrescentei:
- Já reparaste que estamos aqui há imenso tempo e ainda não me disseste o teu nome, nem quantos anos tens?
Saiu-me a frase tão repentinamente, que não tive tempo de travar a pergunta, tão inútil a achei depois.
- Chamo-me Gisela e tenho dez anos.
- Eu sou Eduarda, mas tenho mais anos. – Rimos as duas.
O vento, na sua insistência, acabara por soltar o saco onde a Gisela guardava os cabides. Tentei apanhá-lo, sem sucesso.
- Não faz mal, deixe-o ir. Prefiro vender os cabides sem saco. Os fregueses vêem melhor…
E correu, agora sem cair, passeio acima.
Fiquei com duas palavras escritas na frente dos meus olhos. Quando ajudei a Gisela a apanhar os sapatos, novos, bonitos, modernos, li neles um nome. A assinatura de quem os concebeu. Era esse nome, bem calçado, que dançava, uma dança sem sentido na frente dos meus olhos: Ana Salazar. 
 
Soledade Martinho Costa
 
 
                                        " Par de Sapatos ", Van Gogh
publicado por sarrabal às 19:36
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De Eduardo Freitas a 19 de Fevereiro de 2008 às 13:07
Ah Salazar, se os sapatos fossem no estilo de Dorothy de Oz, eles logo se adaptariam aos pés da espevitada Gisela e ela, com um pulo de alegria, bateria os pés um contra o outro e gritaria: "não há lugar como o lar" e logo deixaria esta terra que cansas, onde o fabrico de uma estilista não cessa a lágrima infante e , como passe mágico, estaria ao lado de uma família que realmente sustentaria seus folguedos de dez anos e não vida de infância roubada dependurada em tristes cabides! Abs Sol!

Quando tiver o texto para que eu desenhe, só me avisar! Feliz Retorno ao Sarrabal!

eduardo.work@yahoo.com.br


De sarrabal a 19 de Fevereiro de 2008 às 22:55
Obriga pela visita e pelas palavras. És sempre gentil.

Abraço da Sol!


De Eduardo Freitas a 20 de Fevereiro de 2008 às 18:23
Obrigadinho minha amiga! Um abraço do Edu!


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

12
13
15
16
17

20
21
22
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. SÃO JOÃO - O SOL E AS PLA...

. PORTUGAL A ARDER - O FOGO...

. HISTORINHA - A ABELHA E O...

. ALGUÉM SE LEMBRA?

. SANTO ANTÓNIO - AS MARCHA...

. CANTO DO VENTO

. ZECA AFONSO

. 23 DE ABRIL - DIA MUNDIAL...

. DEDICATÓRIA

. SEMANA SANTA - O GALO DAS...

. CELEBRAÇÕES DA QUARESMA -...

. CALENDÁRIO - MARÇO

. CARNAVAL - A MÁSCARA

. TODOS OS LUGARES SÃO TEUS

. BOLO-REI - ORIGENS

. A VIAGEM DOS TRÊS REIS MA...

. FELIZ NATAL E BOM NOVO AN...

. OUTROS NATAIS

. UM OLHAR SOBRE A PAISAGEM...

. OUTRO MILAGRE

.arquivos

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.tags

. todas as tags

.links

.Contador

Site Meter
blogs SAPO