Quinta-feira, 17 de Janeiro de 2008

"BRANDAS" E "INVERNEIRAS" - A LÃ

Serrra da Peneda

 

É nos meses rigorosos do Inverno em Castro Laboreiro, Melgaço (a 956 metros de altitude), e nas pequenas povoações minhotas vizinhas, espalhadas pela serra da Peneda, ainda hoje em casas umas vezes habitadas, outras desertas, conforme a época do ano, que, em anos ainda recentes, se fiava e tecia a lã.

 

 

 As «brandas»  

 

Desde Abril até aproximadamente ao mês de Dezembro, enquanto a temperatura o permite, os seus habitantes, não já quase na sua totalidade como antigamente, mas ainda castrejos dos lugares de Bago, Corveira, Bico e Cainheiras, continuam a utilizar as “brandas”, ou seja, a habitar as casas situadas no cimo da aldeia –  outrora de paredes de pedra solta, grosseiramente aparelhada, e telhados de colmo (palha de centeio).

 

 

As "inverneiras"

 
As “inverneiras” correspondem às casas que se encontram na parte baixa da aldeia, habitadas nos três restantes meses do ano, quando o frio se torna mais rigoroso e a neve (hoje rara) cobria toda a serra.

 

 

Actualmente a apresentarem melhoramentos na construção, visto em épocas passadas serem compostas (e algumas ainda o são) por um andar térreo, onde se recolhia o gado (cujo calor aquecia a casa), e um piso constituido por quartos e cozinha, a maioria das casas possui já as chamadas «cortes», destinadas ao gado, ao lado das habitações, ainda que, em algumas delas, se continue a utilizar esse mesmo piso térreo para os animais – as «lojas».                         

 

Quando os castrejos permanecem nas “brandas” e os rebanhos pastam no planalto, entre sete a vinte cabeças, uma vez que o gado bovino desapareceu também por completo, cultiva-se a batata, o centeio (pouco), os nabos, as couves e outros produtos hortícolas, apenas para consumo doméstico. Quando se encontram nas “inverneiras”, principalmente o feijão e o milho, este destinado aos animais.

 

 

Entre fins de Abril e princípios de Maio efectua-se o «rapar» (tosquia) do gado lanígero. Cada família em Castro Laboreiro possuía, ainda há poucos anos, além do gado bovino, pelo menos um rebanho, aproximadamente de vinte animais, embora não se verifiquem ali rituais do gado.

 

  

Esta tarefa obedece a cinco fases distintas: lavar e «carpiar» (abrir a lã); fiar (com a roca e o fuso a transformar a lã em fio); dobar («tocando» a dobadoura ao fazer girar com a mão o objecto quadrangular em madeira, onde o fio é enrolado em meadas, ou utilizando o «sarilho», peça também ela de madeira para enrolar a lã em novelos); encher com meadas ou novelos os teares caseiros e tecer a lã, que apresenta, depois de tecida, um metro ou cerca de metro e meio de largura.

 

  

 Hoje, os poucos teares que restam deixaram, praticamente, de tecer a lã (outrora misturada, por vezes, com o linho ou, na escassez deste, com o algodão, em trabalhos artesanais considerados autênticas relíquias), limitando-se as tecedeiras, extinta a tradicional laboração de antigamente, a tecer uma ou outra peça destinada ao uso caseiro.

 

  

Em tempos mais recuados, com a lã branca, reservada para trabalhos mais finos, executavam-se, principalmente, as meias, os calções ou polainas (espécie de meias ou coturnos, abaixo dos joelhos) e as mantas «ásperas mas muito quentinhas».

Hoje, a lã é vendida sem ser tratada, não a dinheiro, mas por troca de cobertores que os compradores, vindos, sobretudo, da Beira Litoral e Beira Baixa, trazem em carrinhas para efectuarem o negócio.
 

 

O "sarilho"

 

Nos dias actuais, em Castro Laboreiro (cuja origem provável terá sido um castro romano, daí lhe nascendo o nome), nos longos serões de Inverno, com o frio a fazer companhia ao silêncio dos caminhos, algumas mãos femininas continuam a fiar a lã, utilizada na execução, para uso pessoal, de tapetes, tecidos nos velhos teares, ou destinada à confecção, também manual, de camisolas ou outras peças de vestuário – porque só mesmo a lã é capaz de fazer frente às baixas temperaturas que se fazem sentir naquela medieval aldeia serrana, tal como só mesmo os cães castro-laboreiros eram, por aqueles lugares, a segurança dos gados contra os ataques dos lobos.  

 

 

 

Da lã é tecida a «seriguilha» ou «serguilha» e o «rascadilho» (de cor castanha salpicada com pintas esbranquiçadas, quando se trata de lã negra), tecido grosso e áspero, muito empregue, em tempos idos, nos fatos de trabalho (calças e coletes dos homens e meias, mandis – aventais -, saias e corpetes das mulheres), ainda hoje requisitado às tecedeiras ou artesãos, destinado à confecção dos trajos regionais dos grupos folclóricos.

  

Rancho folclórico de Ourondo, Beira Baixa

 

Com o mesmo fim, são usadas a «saragoça»  (lã de textura mais fina), destinada às capuchas e a «baeta» (mais fina ainda), a servir para a execução das saias das mulheres. 

 

Tarouca, Viseu

 

Capas ou capuchas (também de «burel», lã mais grossa) que continuam a ser muito utilizadas, quer em Castro Laboreiro, quer nas comunidades rurais situadas em zonas com climas mais rigorosos no Inverno.

Soledade Martinho Costa

 

 


In “Festas e Tradições Portuguesas”,Vol. VIII
Ed. Círculo de Leitores

 

 

 

publicado por sarrabal às 17:00
link do post | comentar | favorito
|
5 comentários:
De Anónimo a 20 de Fevereiro de 2008 às 20:15
Como é possivel escrever tanta asneira em tão pouco espaço?
A senhora não percebe nada do que escreveu.
A informação é toda ela errada.
Incrivel!

Um castrejo


De sarrabal a 24 de Fevereiro de 2008 às 17:12
Não devia responder a anónimos, mas abro excepção. O texto foi escrito há seis anos. Nessa altura, cinquenta por cento da população de Castro Laboreiro fazia, exactamente, o que descrevo. Ainda hoje algumas famílias o fazem. A execução de encomendas destinadas aos ranchos folclóricos continua. Foi o número de cabeças de gado por família que desceu ou deixou mesmo de existir? È natural.
Incrível é não explicar onde está a asneira! Criticar é fácil - principalmente, quando alguém assina como anónimo...
E seja comedido nas palavras. Não me conhece e eu não desejo conhecer pessoas agressivas e mal-educadas, ok?
Soledade Martinho Costa


De sarrabal a 24 de Fevereiro de 2008 às 17:49
Já agora, acrescento: deve agradar-lhe mais ver Castro Laboreiro transformada em aldeia turística, como está a acontecer, não? Aproveitam-se as casas e palheiros nas "brandas" (por quanto terão sido comprados?) e organizam-se programas com roteiros a abranger os fins de semana, ou estadias mais prolongadas.
E aí temos, qualquer dia, os cães castro laboreiros a passear de trela (ou sem ela) nas ruas de Lisboa ou noutras cidades europeias. Bonito!

Soledade Martinho Costa


De carina a 10 de Maio de 2008 às 16:18
sE FICOU MESMO INTERESSADA NA MINHA TERA QUIE É CASTRO CABOREIRO TEREI MUI~TO GOSTO EM ESCLARECER TODAS AS SUAS DUVIDAS.

eM RELAǺAO AS TECEDEIRAS DEIXOU PARA TRAS UMA QUE AINDA TECE E VENDAS SEUS TAPETES E SUAS MAGNIFICAS MANTAS EM LÁ DE OVELA......... MINHA MADRINHA.


De sarrabal a 10 de Maio de 2008 às 18:48
Carina:

Afinal, não me enganei assim tanto como diz o comentador «anónimo».
Mais esclarecimentos, por agora, não vou necessitar porque o texto está escrito. Corrigir alguma coisa, também acho que não. Mas agradeço a sua disponibilidade para me dar esclarecimentos. Ainda bem que a sua madrinha ainda tece e vende os trabalhos que faz. Como calcula, não conheço os habitantes de Castro Laboreiro, por isso não nomeei a sua madrinha. Se quiser, escreva aqui na caixa dos comentários o nome dela e mais alguns pormenores que julgue úteis. Poderei acrescentar ao texto, combinado? fico à espera!
Saudações amigas
Soledade MartinhoCosta


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. LEMBRAR AMÁLIA

. PARABÉNS SARRABAL - E VÃO...

. CERTEZA

. SÃO JOÃO - O SOL E AS PLA...

. PORTUGAL A ARDER - O FOGO...

. HISTORINHA - A ABELHA E O...

. ALGUÉM SE LEMBRA?

. SANTO ANTÓNIO - AS MARCHA...

. CANTO DO VENTO

. ZECA AFONSO

. 23 DE ABRIL - DIA MUNDIAL...

. DEDICATÓRIA

. SEMANA SANTA - O GALO DAS...

. CELEBRAÇÕES DA QUARESMA -...

. CALENDÁRIO - MARÇO

. CARNAVAL - A MÁSCARA

. TODOS OS LUGARES SÃO TEUS

. BOLO-REI - ORIGENS

. A VIAGEM DOS TRÊS REIS MA...

. FELIZ NATAL E BOM NOVO AN...

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.links

.Contador

conter12
blogs SAPO