Sexta-feira, 23 de Junho de 2017

SÃO JOÃO - O SOL E AS PLANTAS - RITUAIS

599605_320270088060897_1441786836_n.jpg

A virtude das plantas, dos frutos e das flores encontra-se associada ao culto de São João, sempre à meia-noite, de madrugada ou ao meio-dia do dia 24 de Junho. Este princípio leva os habitantes do Barroso (Beira Litoral) a colocarem, ainda hoje, ramos de sabugueiro nos buracos das fechaduras «para não entrarem as bruxas que andam à solta durante a noite».

Do grupo das plantas consideradas mágicas destacam-se, entre outras, o rosmaninho, o alho-porro, o alecrim, o funcho, o trevo, a macela, a cidreira, o poejo, a sálvia, a dedaleira, a erva-pinheira, a arruda, o loureiro, o manjerico e a alcachofra – algumas a juntarem-se às fogueiras para servir de defumadouros com fins de esconjuro ou profilácticos.

Por vezes, em certas localidades, e de acordo com a crença popular, continuam a guardar-se as plantas que receberam o orvalho milagroso, com o fim de «livrar do mau-olhado». Crê-se também que o alecrim, o rosmaninho, o funcho e o sabugueiro, colhidos com o orvalho bento, «preservam as habitações do raio»; que o trevo de quatro folhas e a arruda, apanhados à meia-noite, servem como talismã; que o alho-porro «afasta as entidades nocivas» e a erva-cidreira, colhida na noite de São João, tem o poder de «curar os feitiços». 

Mais complicada é (ou era) a prática relacionada com o azevinho-do-monte, que deve ser borrifado com vinho e levado para casa depois da meia-noite da véspera de São João «para trazer a fortuna». No norte davam-se três voltas ao redor da planta antes de a colher, e, com o ramo apanhado, visitavam-se três igrejas com nomes de santas, batendo com o ramo nos degraus de acesso ao templo. Seguia-se uma ida à beira-mar para apanhar três ondas, sempre com o azevinho na mão, guardando-o depois durante todo o ano. Se o dinheiro não aparecia, pelo menos, aproveitavam-se os tronquinhos do ramo para queimar quando trovejava.

Em Roriz (Minho) havia o costume de ir saudar e colher o azevinho «para comprar barato e vender caro», dizendo: «Meu azevinho novo/Aqui te venho colher/Para que me dês fortuna/No comprar e no vender/E em todos os negócios em que eu me meter». Para que a magia resulte, as plantas devem ser colhidas «antes que o Sol as toque e faça desaparecer o orvalho da noite».

O manjerico é a planta que mais aparece nas grandes cidades, constituindo um presente que se oferece às pessoas amigas, enquanto a alcachofra – símbolo da ressurreição da Natureza – foi, noutros tempos, a mais utilizada pelas raparigas em práticas e «sortes» divinatórias. Chamuscada nas fogueiras de São João, à meia-noite em ponto, se reflorisse, indicava «que se era correspondida nos amores».
A fava, a amêndoa, a cereja e certas flores, como as rosas, os cravos e os malmequeres, eram, igualmente, utilizadas nesta data para «sortes» e adivinhações.

O culto das flores e das plantas reporta-se à Antiguidade, quando se coroavam com flores ou folhas de loureiro, de carvalho ou de oliveira as estátuas dos deuses, os poetas, os heróis e também os mortos. Nas festas e nos banquetes as pessoas apresentavam-se coroadas, conferindo os Romanos, a título de recompensa, coroas de folhagem (as coroas de louro) para simbolizar o poder, a sabedoria e a coragem.

Soledade Martinho Costa

Do livro «Festas e Tradições Portuguesas», Vol. VI
Ed. Círculo de Leitores 

publicado por sarrabal às 00:38
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 19 de Junho de 2017

PORTUGAL A ARDER - O FOGO E OS INCENDIÁRIOS

19274923_10203004048258457_3594542587077308641_n.j


(PUBLICADO POR MIM, AQUI, NO DIA 24 DE AGOSTO DE 2013)

Temos um número elevado de incendiários que já está identificado desde há muito. Outros serão identificados entretanto. Mas continuam em liberdade! Para atearem mais fogos? Como ouvi hoje no noticiário «embora vigiados, não é possível tê-los sob vigilância durante 24 horas». Pois não, e Portugal vai ardendo. Dar-lhes uma pena de uns anos? Não resolve o problema: quando saírem voltam a fazer o mesmo. Falaram em «reincidentes»!

Como também ouvi hoje, pouco me interessa «que sejam pessoas com problemas mentais, que estejam desempregadas ou desintegradas da sociedade». O que me interessa são as vidas que se perdem, a floresta queimada, os bens e o trabalho de tanta gente perdido, o sobressalto das aldeias e lugares habitados por pessoas que temem, noite e dia, o terror das chamas.

Até agora foram identificados 40 incendiários. Metade ficou em prisão preventiva, os restantes tiveram «como medida de coação a apresentação às autoridades e termo de identidade e residência». Só hoje foram detidos três deles.

Também ouvi que os fogos que devastam o nosso País «têm origem complexa». Políticos, bombeiros, polícia e civis parece que não ousam chamar «os bois pelo nome».

E aqui fica uma ideia: todos os identificados com crimes de fogo posto, deviam ser DETIDOS DURANTE OS MESES DE VERÃO! Voltariam à liberdade no Outono, quando o tempo não permitisse esta hecatombe que se abate anualmente sobre nós. E, por favor, não me venham falar que esta medida, simples e eficaz, é anti-democrática! 

Soledade Martinho Costa

publicado por sarrabal às 19:24
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 18 de Junho de 2017

HISTORINHA - A ABELHA E O LÍRIO BRAVO (Para os mais pequenos)

lirios-violeta.jpg 

― Uf! Que calor! – zune a abelha, pousada num lírio bravo, junto do riacho. – Melhor se deve estar na colmeia!

― Mas só aqui tens a água e o néctar de que precisas! – atalha o lírio, a meter conversa.

― Enquanto dura, amigo Lírio, enquanto dura… Lá para o fim do Verão, o riacho estará seco e eu terei de matar a sede noutro lado.

― Mas haverá ainda flores com abundância, é só escolheres. – comenta o lírio, vestido de lilás.

― Tens razão, flores não vão faltar: campainhas, madressilvas, rosas-bravas, boninas, lírios como tu…

― Por isso trabalhas tanto!

― Sim, sim, não descanso. Eu e as minhas irmãs, as abelhas obreiras.

― E a tua rainha, o que faz ela?

― Toma conta da colmeia. Dita e ensina as leis que nos regem. Põe os ovos para que nasçam outras abelhas-obreiras e outras rainhas.

O lírio bravo confessa:

― Sabes que, por vezes, vos confundo?

― É natural. Somos parecidos: as obreiras, os zângãos e as rainhas. Mas temos tarefas muito diferentes.

― Deve ser engraçada a vida no cortiço. Vocês, as obreiras, trabalham. A rainha dita as leis e põe os ovos. E os zângãos, que fazem eles?

A abelha explica:

― Os zângãos vivem na colmeia e alimentam-se nos nossos favos até chegar a altura de fecundarem a rainha.

E logo o lírio, cheio de vaidade:

― Mas nós, as flores, é que vos damos o néctar!

― Ah, sim! Sem ele não poderíamos fabricar o mel!

A abelha faz um voo circular sobre as pétalas do lírio. Depois volta a sugar o suco doce da flor. Por fim, despede-se:

― Adeus, amigo Lírio Bravo. Vou até à colmeia dizer às minhas irmãs obreiras que venham ter contigo.

― E tu, quando voltas?

― Ainda hoje, prometo. Estamos no Verão, os dias são compridos…

― Só tenho pena de não poder visitar o teu cortiço! – queixa-se o lírio.

― Deixa lá, não fiques triste. Venho eu trazer-te novidades e fazer-te companhia!

E, num zumbido, a abelha lá vai, dar o recado. Indicar às irmãs obreiras a morada da flor de quem ficou amiga.

 

Soledade Martinho Costa

 

Do livro «Histórias que o Verão me Contou»

Ed. Publicações Europa-América

 

publicado por sarrabal às 00:45
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 14 de Junho de 2017

ALGUÉM SE LEMBRA?

O_Rebelde_Desconhecido.jpg

Ao rebuscar nos meus papéis, encontrei um poema meu, inédito, que publico abaixo. Foi escrito em 1989 (há 28 anos), quando do massacre da Praça Tiananmen, em Pequim (capital da República Popular da China) – chamado hoje, também, o massacre da Praça da Paz Celestial. Na noite de 3 de Junho desse ano, MILHARES de pacíficos manifestantes, sobretudo jovens estudantes, foram mortos, metralhados pelos tanques de guerra às ordens do governo chinês. Em Pequim e nos focos que se geraram um pouco por todo o país. No dia 5 de Junho, um jovem, desarmado, fez parar uma fila desses tanques, sendo considerado «como uma das pessoas mais influentes do século XX» pela revista Time. Nunca se chegou a saber quem era. Ficou lembrado como «O Rebelde Desconhecido». A foto é considerada, ainda, «como um clássico simbólico da resistência». As mães dos estudantes assassinados reuniram-se no local, acabando por fundar o grupo das «Mães da Praça Tiananmen», que não mais deixou de estar activo

 

Vigília pelas vítimas realizada anualmente II.bm

 Vigília pelas vitimas do massacre, realizada, anualmente, na Praça Tiananmen, a 3 de Junho.

 

LÁGRIMAS POR PEQUIM

 

Despem as árvores

As folhas no Outono

Irrompem borboletas dos casulos

Renovam-se nos rios

Os cardumes

Sucedem-se no ventre

As gerações.

 

Perpétua mutação.

 

O vento

A Lua

O mar

As Estações.

 

Só não mudam as bocas

Que cerceiam como muros

E os corações parados

No âmago do mundo.

 

A rogo de que Deus

Ou de que rei

De quê

De quem

De que tutela?

 

Quem se atreveu

Quem foi mandante

De tamanho crime

De tamanha dor

Quem ousou

Silenciar em nome do poder

Da repressão

Do medo

Que cala a liberdade

Mas não cala a razão

Dos sonhos em flor?

 

Ficam os nomes

No silêncio das vozes

Fica o vazio

Que mora nas cidades

E a saudade

Feita de lágrimas nas faces

Da mão que acende a vela.

 

Ficam as Mães de Pequim

Espoliadas de sonhos

Na Praça Tiananmen

Onde a morte pousou.

 

Soledade Martinho Costa

(1989/ 2017)

publicado por sarrabal às 00:23
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 11 de Junho de 2017

SANTO ANTÓNIO - AS MARCHAS - TRADIÇÃO E HISTÓRIA

Marcha-da-Ajuda-2015-nas-festas-populares-de-Lisbo 

Após algumas rupturas pelo meio, os festejos dos santos populares regressaram a Lisboa a partir de 1925, a impor a sua tradição e colorido, reabrindo-se as portas do Mercado da Ribeira, fechadas ao povo desde 1916. Em 1932, além das cerimónias litúrgicas, o figurino dos festejos renova-se, no que respeita aos arraiais, ao enfeite das ruas, becos e pátios alfacinhas, e mesmo aos próprios «tronos de Santo António».

 

Nesse ano são incluídas as «marchas populares», com desfile colectivo dos moradores de cada bairro da capital, ao som de músicas alegres, a obedecer, tal como as letras, o trajo dos marchantes e a própria ornamentação dos arcos, enfeitados com balões, a um tema alusivo – histórico ou referente às características de cada bairro.

 

Poder-se-á dizer que a ideia foi apenas retomada em novos moldes, isto é, recriada e (re)construída como criação lúdica de um espectáculo de rua, apropriado depois pelo povo reunido nas colectividades de recreio dos bairros da capital, que torna as marchas num símbolo festivo, popular e urbano, e um dos pontos altos das festividades lisboetas, tal como então foram concebidas e hoje as conhecemos.

 

Muito mais remotamente exibia-se já a chamada «Marche aux Flambeaux» (adaptada da tradição francesa, popularmente designada por «Marcha ao Flambó», com origem provável nas «danças de Entrudo»), organizada por cada bairro, mercado ou local onde se festejasse o Santo António, formada por pequenos grupos (trinta a quarenta participantes), que desfilavam sem grande aparato de apresentação ou de coreografia, geralmente dirigidos por um ensaiador que os orientava, utilizando um apito, exibindo-se os marchantes, preferencialmente, «às portas e em frente das janelas dos Paços Reais, dos palácios da nobreza ou das casas ricas».

 

Nesse ano (1932) foi instituído um prémio para a melhor marcha, tendo concorrido apenas três bairros de Lisboa: Alto do Pina, Bairro Alto e Campo de Ourique. Outros três limitaram-se a participar: Alcântara, Alfama e Madragoa. Dois anos depois concorreram doze bairros. A ideia estava lançada e bem aceite por toda a cidade, tornando-se as marchas na maior manifestação etnográfica dos festejos de Santo António, com os desfiles e exibições habituais na Avenida da Liberdade e Parque Eduardo VII – à conquista do prémio para a melhor marcha, sempre efusivamente festejado por quem o alcança.

 

Até 1950 as marchas sofreram alguns interregnos, embora voltando sempre com nova vitalidade, colorido e maior esplendor. A partir de 1990 tomam ainda, se possível, maior relevo, integradas nas Festas de Lisboa, com o início dos festejos no dia 1 de Junho e a prolongarem-se até ao dia 30.

 

Em 1998 adoptou-se um novo figurino, com as celebrações a incidirem de 1 a 13 (finalizando com as marchas) abrangendo as áreas do Terreiro do Paço ao Largo do Chafariz de Dentro.

 

Em 1999 optou-se pela noite do dia 12 até 30 de Junho, com as festividades a decorrerem desde o Terreiro do Paço – onde foi armada uma praça e efectuada uma corrida de toiros, a lembrar tempos antigos – até à Praça de D. Luís. O calendário repetiu-se no ano 2000, contemplando as celebrações a zona ribeirinha e o Parque Eduardo VII.

 

Em 2001 manteve-se a mesma data, agora com os festejos espalhados pela cidade, oferecendo a maior diversidade no que respeita a animação, mas tendo como ponto central os bairros históricos. Actualmente, concorrem dezoito bairros (ou marchas), a que se junta a Marcha Infantil da Voz do Operário, saída pela primeira vez em 1966 e depois apenas em 1990 para continuar até hoje.

 

Aos festejos associaram-se em 1958 as «noivas de santo António», numa iniciativa da Câmara Municipal de Lisboa, com mais de uma dezena de casais unidos religiosamente numa única cerimónia, no dia 13 de Junho, iniciativa interrompida em 1973 e só retomada vinte e quatro anos depois (1997), mantendo-se nos anos seguintes.

 

As cerimónias litúrgicas contam, no dia 13, com missa de hora a hora, das sete da manhã ao meio-dia, celebradas na Igreja de Santo António. A procissão sai às dezassete horas, apenas com o andor do santo, para percorrer algumas das ruas de Alfama. No trajecto juntam-se ao préstito processionário os andores de São João da Praça, São Miguel, Santo Estêvão e São Tiago, patronos dessas paróquias.

              

No retorno, em frente da Sé, é proferida uma homilia por um bispo ou pelo próprio patriarca. As celebrações religiosas encerram com outra missa pelas vinte e uma horas.

 

Soledade Martinho Costa

 

Do livro «Festas e Tradições Portuguesas», Vol.V

Ed. Círculo de Leitores

Foto: Marcha da Ajuda

 

 

 

publicado por sarrabal às 18:58
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Setembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. A CONTRACAPA DE «O NOME D...

. O MEU NOVO LIVRO «O NOME ...

. A VOZ DO VENTO CHAMA PELO...

. ALGUMA COISA ACONTECE

. HISTORINHA - A TOUPEIRA E...

. CALENDÁRIO - AGOSTO

. LEMBRAR AMÁLIA

. PARABÉNS SARRABAL - E VÃO...

. CERTEZA

. SÃO JOÃO - O SOL E AS PLA...

. PORTUGAL A ARDER - O FOGO...

. HISTORINHA - A ABELHA E O...

. ALGUÉM SE LEMBRA?

. SANTO ANTÓNIO - AS MARCHA...

. CANTO DO VENTO

. ZECA AFONSO

. 23 DE ABRIL - DIA MUNDIAL...

. DEDICATÓRIA

. SEMANA SANTA - O GALO DAS...

. CELEBRAÇÕES DA QUARESMA -...

.arquivos

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.links

.Contador

conter12
blogs SAPO