Domingo, 29 de Novembro de 2015

A PROPÓSITO DE PAIS ESCRITORES

9721862826_c17958c0fa.jpg

Que eu tenha dado por isso, não li nem ouvi nada, principalmente nestes últimos tempos, sobre o escritor de que vou falar. Se estiver enganada, peço desde já as minhas desculpas – embora, nunca seja de mais falar dos nossos autores. E não preciso de dizer muito sobre aquele que me traz a estas linhas. É provável que a simples razão de que há tantos nomes que são lembrados, e outros não, tenha ajudado a escrevê-las.

Creio que apenas uma minoria lhe saberá o nome e a obra. Para o grande público, uma coisa e a outra, devem significar o total desconhecimento. Trata-se do escritor Orlando da Costa. Nem mesmo com a nomeação de seu filho, António Costa, como Primeiro-ministro do nosso país, ajudou o seu nome a ser recordado.

Conheci-o bem. Falámos muitas vezes. Ora, na APE (Associação Portuguesa de Escritores), ora, nos Encontros de Escritores, organizados por esta instituição, (já agora, há quantos anos se realizou o último encontro?), outras vezes, na SPA (Sociedade Portuguesa de Autores).

De aspecto franzino, mais calado do que falador, sóbrio, direi mesmo, um pouco tímido. Cabelo branco, liso, penteado para trás, a cobrir-lhe o pescoço. O inseparável bigode branco. O traço «goês», muito mais evidente no seu rosto do que no rosto do filho.

Orlando da Costa nasceu em Moçambique (Lourenço Marques, hoje Maputo), em 1929, filho de pai Goês, tendo sido em Goa que passou a sua infância e parte da juventude, até à sua vinda para Lisboa, com 18 anos.

Poeta, romancista e dramaturgo, constam da sua obra, entre outros títulos: «O Signo da Ira» (1961, Prémio Ricardo Malheiros, atribuído pela Academia de Ciências de Lisboa); «Podem Chamar-me Eurídice» (1964); «Sem Flores Nem Coroas» (1971); «Canto Civil» (1979); «A Como estão os Cravos Hoje?» (1984) e «Os Netos de Norton» (1994, que lhe valeu o Prémio Eça de Queiroz da Câmara Municipal de Lisboa.

Em 1954, com 25 anos, faz-se militante do Partido Comunista Português, onde, à data da sua morte, ocorrida em 2006, desenvolvia, antes e depois do 25 de Abril, a sua actividade na área da cultura literária (sector intelectual de Lisboa do PCP). Sobre a urna, as bandeiras do Partido Comunista Português e da Associação Portuguesa de Escritores.

Foi este o Orlando da Costa que conheci. Esteja ele onde estiver, tem duas boas razões para estar feliz.

 

Soledade Martinho Costa

publicado por sarrabal às 02:38
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 19 de Novembro de 2015

UMA HISTÓRIA QUE FICOU POR CONTAR - DULCE PONTES, ENNIO MORRICONE, EU E O MEU POEMA

20070529elpepucul_7.jpg 

Estava na minha casa, no Algarve, quando o telefone tocou. Atendi. Do outro lado, a voz de Dulce Pontes: «Soledade? Preciso muito de si! Preciso que me escreva um poema!» Repeti: «Um poema?». E a Dulce: «Fui convidada a cantar a canção-tema do filme «Afirma Pereira». A música é do Ennio Morricone, mas não gosto da letra. Não sinto as palavras. Não consigo dar-lhe expressão, emoção. Depois, há uma parte que fala «em carícias quentes»! É horrível, não posso cantar isso. A Soledade tem de me ajudar!»

Prontifiquei-me a tentar escrever um poema sem «carícias». O pior, foi quando a Dulce acrescentou: «Mas a Soledade tem de estar presente numa reunião que vamos ter no próximo sábado!» Estando eu no Algarve, a ideia não me agradou por aí além. Tinha três dias até à dita reunião. Enfim, fui pontual. A reunião decorreu nos estúdios da Movieplay (nessa altura, a editora discográfica de Dulce Pontes). Presentes, o director da editora, José Serafim, o compositor Jan Van Dijck, Guilherme Inês, que foi manager de Dulce, Dulce Pontes, o seu pianista e eu.

As explicações de Dulce para não interpretar a canção, a opinião dos restantes elementos de que a música de Ennio Morricone merecia um melhor poema. Aceitei o desafio com reservas. Seria capaz, não seria… E a Dulce: «Ora, não é agora capaz!» Foi-me indicado pelo Jan Van Dijck que a letra teria de falar de uma cidade: Lisboa. Também aqui o pior estava para vir. O poema deveria ficar pronto até às 10 horas da manhã seguinte! Fiquei estarrecida. Não esperava que me dessem tão pouco tempo para elaborar um poema, ainda por cima por encomenda, que nem sequer tinha a certeza de conseguir escrever. Até aí, o Luís Represas escolhera dois dos meus poemas, que musicou e gravou. Não tive qualquer trabalho nem responsabilidade. Saí da reunião com um peso enorme sobre os ombros. Isto é, com a responsabilidade de fazer um trabalho de grande responsabilidade, acrescida da responsabilidade, perante mim própria ou seja, do meu próprio ego, de não desiludir aqueles que me confiaram a responsabilidade de escrever um poema que falasse de uma cidade…

Cheguei a casa por volta das 2 horas da manhã. Fechei-me na salinha, onde tenho a aparelhagem, e comecei a ouvir Morricone ao piano. Com o CD para trás e para a frente, para a frente e para trás, e a responsabilidade a crescer, a crescer... Não tinha ideias, não sabia por onde principiar, mas comecei a saber a música de cor! Lembrei-me, então, de uma amiga bastante experiente nestas coisas. Além disso, daquelas amigas que nos atendem os telefonemas sem se importarem que se lhes interrompa o sono aí pelas 3 horas da manhã: «Mas não te deram um mono?!» Perguntou. «Nada, só o CD.» Respondi. E a Natália, a dar-me imensa coragem: «Sem um mono vai ser difícil. Se calhar, não vais conseguir…»

Voltei a ouvir o piano e, sem saber – ainda hoje – como, surgiu-me, finalmente, uma frase: «Noite das Sereias»! Abria-se o caminho na brancura do papel. Deitei-me eram 6 horas da manhã. Encaixado, metricamente, na música de Morricone, o poema estava feito!

Pelas 10 horas, telefonei a Dulce. Li-lhe o poema. Não quero parecer imodesta, mas… «É lindo, Soledade! Adoro!» Nessa altura (1995), nem eu nem ela tínhamos e-mail. Pelo telefone, passou-o ao papel: «Vou já começar a ensaiar. Mas logo, pelas 9 da noite, já sabe, todos na Movieplay: vou gravar!» Assim aconteceu.

Aí uma dúzia de pessoas, reunidas no estúdio, na expectativa de ouvirem Dulce e o novo poema. Enquanto cantava, percorria-nos a emoção transmitida pela sua voz, nas palavras que falavam numa cidade: Lisboa – e também de amor. No final, as palmas, os beijinhos, os abraços. A alegria instalada no estúdio. Logo depois, a decisão: «Amanhã, bem cedo, o CD tem de seguir no primeiro avião para Itália!» Daí em diante, restou a breve espera da resposta dos Italianos.

Breve, no sentido da resposta ter vindo de imediato. Num telefonema feito para a Movieplay, ficámos a saber que: «Não seria possível mudar o tema da canção, devido ao facto de ter sido o próprio António Tabucchi, autor do livro «Sostiene Pereira», obra que deu origem ao filme, a convidar os dois autores do primeiro texto, Francesco De Melis e Emma Scoles.» Soubemos depois, por pessoa residente em Itália, que «tanto um autor como o outro, não sabiam português – mas pertenciam ambos ao grupo de amigos de Tabucchi.» Quanto à opinião de Ennio Morricone, «o “nosso” era o melhor poema». Foi assim que Dulce Pontes gravou «as carícias quentes».

Devo dizer, que o convite para cantar o tema do filme, foi, primeiramente, dirigido a Amália Rodrigues. O actor Marcello Mastroianni, figura central do filme, apresentou-se, pessoalmente, em casa de Amália, para lhe fazer o convite. Amália Rodrigues, já doente, recusou, mas indicou Dulce Pontes «como uma boa escolha». Não sei se Amália leu o texto. Julgo que não. Mas, se o lesse, recusaria cantá-lo, tenho a certeza. E teria toda a força do Mundo para fazê-lo. Restaria, então, a Tabucchi, pedir desculpa aos amigos e dar o dito por não dito.

Com Dulce Pontes, era diferente. Não tinha a força nem o poder de Amália. Estava a dar os primeiros passos, na sua carreira mundial, pela mão de Ennio Morricone. Não podia recusar a oportunidade nem ser esquisita. É verdade que tentou. Mas era cedo de mais para se impor. Hoje, sim. Hoje, seria possível fazer a sua escolha – que seria aceite.

Por mim, basta-me possuir um CD com a gravação da «Noite das Sereias», na voz de Dulce. De vez em quando, penso fazer um vídeo com ele, como já fiz com outros poemas meus, musicados e cantados. Mas o tempo é pouco e fazer um vídeo dá imenso trabalho. São horas e horas ao computador. Talvez um dia destes, quem sabe?

Agora, uma confissão: minto, quando digo, no título desta crónica, «Uma História que Ficou por Contar». É verdade que o episódio que relato se ficou, apenas, pelos bastidores, no conhecimento dos intervenientes, pouco mais. Mas alguém a contou, na altura, ao publicá-la, curiosamente, num jornal desportivo, muito conhecido, com o título: «Também Há Derrotas nas Canções». Obrigada, Zé!

 

Soledade Martinho Costa

 

Aqui vos deixo os dois temas:

 

«A BRISA DO CORAÇÃO»

 

A lua que brilha branca na manhã

Sobre o mercado dos melões de ouro

Curiosa espreita as casas cor-de-rosa

À procura do nosso tesouro.

 

O segredo a descobrir

Está fechado em nós

O tesouro brilha aqui

Encanta o coração, mas

Está escondido

Nas palavras

E nas mãos ardentes

Na doçura de chorar

Nas carícias quentes.

 

No brilho azul do ar uma gaivota

No mar branco de espuma sonoro

Curiosa espreita as velas cor-de-rosa

À procura do nosso tesouro.

 

A brisa brinca como uma gazela

Sobre a torre branca e a Rua do Ouro

Curiosa espreita a fenda da janela

À procura do nosso tesouro.

 

Emma Scoles e Francesco De Melis

 

«NOITE DAS SEREIAS»

 

É sobre o oiro das areias

É sobre este sal

Que tece a renda às ondas

Que à noite

O canto das sereias

Traz junto de mim

Esta saudade tanta.

 

Quanto mais

Amo

Sinto

A voz da cidade

Flor

Da cor

Azul do mar

Mais recordo

A luz que veste

O teu olhar.

 

Muito mais

Eu tenho

A certeza de ser

Por ti

A prisioneira

Que se deixa à solta.

 

E olho os pombos nos telhados

Invento no cais regressos de faluas

Desvendo feitos ancorados

De homens sem nome

A darem nome às ruas.

 

E os búzios cobrem-se de prata

Entoam comigo o canto das sereias

Quando anoitece no meu peito

E a lua embala o sono das areias.

 

Soledade Martinho Costa

publicado por sarrabal às 19:13
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 6 de Novembro de 2015

CALENDÁRIO - NOVEMBRO

laranjeira.jpg

O céu
Retém ainda
O voo das cegonhas.

Acendem-se braseiras

De histórias
E de mosto
Regressam as castanhas
No bico do capuz.

Há bruxas
Que povoam
As noites de Novembro
No oiro das laranjas
Pousa o luar em cruz.

 

Soledade Martinho Costa

publicado por sarrabal às 20:34
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

12
13
15
16
17

20
21
22
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. SÃO JOÃO - O SOL E AS PLA...

. PORTUGAL A ARDER - O FOGO...

. HISTORINHA - A ABELHA E O...

. ALGUÉM SE LEMBRA?

. SANTO ANTÓNIO - AS MARCHA...

. CANTO DO VENTO

. ZECA AFONSO

. 23 DE ABRIL - DIA MUNDIAL...

. DEDICATÓRIA

. SEMANA SANTA - O GALO DAS...

. CELEBRAÇÕES DA QUARESMA -...

. CALENDÁRIO - MARÇO

. CARNAVAL - A MÁSCARA

. TODOS OS LUGARES SÃO TEUS

. BOLO-REI - ORIGENS

. A VIAGEM DOS TRÊS REIS MA...

. FELIZ NATAL E BOM NOVO AN...

. OUTROS NATAIS

. UM OLHAR SOBRE A PAISAGEM...

. OUTRO MILAGRE

.arquivos

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.tags

. todas as tags

.links

.Contador

Site Meter
blogs SAPO