Sexta-feira, 27 de Junho de 2014

CAVALHADAS DE SÃO PEDRO - AÇORES (excerto)

 

Considerada uma das tradições mais significativas dos Açores (Ribeira Seca e Ribeira Grande, São Miguel), tem conhecido ao longo dos anos várias interpretações quanto à sua proveniência. Enquanto alguns autores vêem nesta festividade – única no arquipélago – uma reminiscência do velho teatro popular ou lembranças dos cavaleiros que outrora tomavam parte nos torneios de cavalaria medieval, outros sustentam que representam restos de cerimónias medievais de inspiração bíblica. Outros ainda defendem que a prática secular das Cavalhadas não passa de resquícios das remotas lutas travadas entre mouros e cristãos.

 

Todavia, se as opiniões se dividem e as dúvidas permanecem, existe um ponto em que todos estão de acordo: a tradição vigora há quatro séculos e aparece ligada ao período das grandes erupções vulcânicas do pico do Sapateiro (actual pico Queimado), que assolaram a ilha de São Miguel, tendo a lava destruído tudo o que encontrava pela frente, particularmente nas freguesias da Ribeira Seca e de Santa Bárbara (na então Vila da Ribeira Grande, hoje cidade e sede do concelho) e Vila Franca do Campo (situada no lado sul da ilha).

 

Descendo da encosta e galgando o pequeno povoado, a lava, ao atingir o ponto onde se erguia a Capela de São Pedro, na Ribeira Seca, separou-se em duas torrentes, para ladeá-la sem a molestar, e daí correu até ao mar durante três dias e três noites, dividindo assim o areal em dois (um só, até então): o areal de Santa Bárbara da Ribeira Seca e o da Ribeira Grande.

 

Apercebendo-se o povo da enorme destruição e o facto de nada haver ocorrido à capelinha de São Pedro, tomou, naturalmente, o acontecido como um milagre. Esta calamidade, associada à tradição das Cavalhadas, é contada, popularmente, da seguinte forma: certo fidalgo, senhor de um belo palácio em Vila Franca do Campo, temendo os boatos que então circulavam de que estariam para acontecer novas erupções, ao lembrar-se do milagre da capelinha de São Pedro, receoso pelo seu palácio, pela sua vida e a dos seus, resolveu subir às montanhas da vila, juntamente com os mordomos do Espírito Santo, para rezarem em conjunto, prometendo que se o seu palácio, a sua vida e a da sua família fossem poupados a novos cataclismos faria o voto perpétuo de deslocar-se todos os anos no dia de São Pedro à sua capela, na Ribeira Seca, para louvá-lo e cantar-lhe passagens da vida do próprio santo.

 

Poupados que foram o palácio e a vida dos seus ocupantes, começou o fidalgo a cumprir todos os anos, no dia 29 de Junho, a sua promessa, sempre com a maior pompa e solenidade, vistosa e ricamente vestido, montado num belo cavalo, fazendo-se acompanhar dos seus vassalos e dos mordomos do Espírito Santo. Partindo de Vila Franca do Campo, dirigia-se primeiro à freguesia de Ribeira Seca e dali para a capela de São Pedro (a dois quilómetros da pequena vila), onde fazia a apresentação da embaixada que o acompanhava e declamava as loas cantadas à porta do templo. De seguida dava sete voltas rituais à ermida, interpretadas como os sete dons do Espírito Santo: sapiência, entendimento, conselho, fortaleza, ciência, piedade e temor a Deus.

 

Com o correr dos anos o povo começou a juntar-se na capela de São Pedro para assistir ao ritual, começando também, grato pelos milagres do santo, a homenageá-lo nessa data, enfeitando-lhe o templo com hortênsias azuis e ofertando-lhe as tradicionais «alâmpadas» açorianas, constituídas por arranjos de flores naturais (hortências, agapantos, rosas-de-cacho) misturadas com as «novidades» de cultivo (maçarocas, pepinos, peras, etc.).

 

Como a devoção aumentava e o cerimonial das Cavalhadas se mantinha, a capela de São Pedro (do século XVI) começou a tornar-se pequena, acabando por construir-se uma nova igreja (séculos XVIII-XIX). Ainda hoje o seu interior continua a ser profusamente ornamentado com as «alâmpadas», a darem um colorido, um perfume e uma beleza especiais ao templo. Estes arranjos florais com frutos terão começado a ser concebidos por altura das primeiras Cavalhadas e do início do culto a São Pedro, constituindo uma oferta votiva do povo ao santo que tão festiva e singularmente se venera na Ribeira Seca.

 

Por morte do fidalgo, e no desejo de continuar a manter-se o voto perpétuo, o povo da Ribeira Seca chamou a si a devoção em honra do Santo Pescador. Assim, as Cavalhadas de outros tempos, onde desfilavam fidalgos e vassalos, deram lugar aos homens do campo (principalmente), na sua maioria residentes nas freguesias da Ribeira Seca e de Santa Bárbara.

 

A manter viva a remota e significativa tradição, o desfile (chegando a reunir cento e vinte cavaleiros, embora o seu número seja variável), sai do solar de Mafoma (palacete do século XVIII, onde está instalado o Museu do Chá) para percorrer em colorido cortejo no dia de São Pedro (patrono da Ribeira Seca e feriado municipal na Ribeira Grande) a pequena freguesia e as que lhe são vizinhas. Os cavaleiros desfilam pelas ruas em duas alas, com os trajos a contribuir para a originalidade da festa: camisa branca, calça branca com lista vermelha lateral, gravata vermelha, uma faixa também vermelha em banda sobre o peito, flores e grandes laços de fitas de cores colocados no peito e nos ombros. Na cabeça usam chapes altos pretos, adornados com objectos de ouro (principalmente fios, cordões e pulseiras) e diversos enfeites, entre eles minúsculas florinhas feitas de papel prateado. Numa das mãos levam um pendão vermelho com as letras SP (São Pedro) e na outra as rédeas do animal, enfeitado com uma espécie de xairel branco e laços de diversas cores. As Cavalhadas de São Pedro na Ribeira Seca chamam à localidade muitos dos habitantes de São Miguel e das restantes ilhas açorianas, bem como forasteiros idos um pouco de todo o lado.

 

Soledade Martinho costa

  

 

                                                                                         

                                                                                  O tradicional chapéu usado pelos cavaleiros.

 

  

Do livro «Festas e Tradições Portuguesas», Vol.V

Ed. Círculo de Leitores

Fotos: Jorge Barros

 

publicado por sarrabal às 01:16
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 17 de Junho de 2014

CALENDÁRIO - JUNHO

 

Foge do sono

A lebre

Sem fomes

Nem amarras.

 

É Junho

Nas fogueiras

A arder

Em claridade.

 

Na boca

Das infusas

Há falas de ceifeiras.

 

Desenha-se o restolho

No timbre das cigarras.

  

Soledade Martinho Costa

publicado por sarrabal às 17:39
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 14 de Junho de 2014

ABRIR AS ASAS

 

O tempo teima

Em derramar sobre o meu corpo

As horas que se tornam dias.

 

Mas não rejeito o tempo

Rejeito, sim, o que me traz o tempo

O tempo que se desfaz no tempo

Sem que me traga a quietude que me ofereço.

 

Ata-me os braços

Tolhe-me o pensamento

E não tenho forma de alterar o tempo

O tempo que me prende e onde permaneço

Perdida neste labirinto

Onde esqueci meu nome

E não me reconheço.

 

Só conheço a demora que se esconde

E adormece de mágoa em meus ouvidos

E a lágrima que nunca me obedece

Que desliza em minha face e não responde

Por saber o quanto sei o seu sentido.

                                                                                    

Só conheço no poema que se despe

E que o meu punho escreve com firmeza

O pesar de não ser mais como era dantes

Um tempo feito de paz e comunhão

Onde brilhava a esperança sempre acesa.

 

Tempo de datas e nomes e surpresas

Feito de beijos e risos e abraços

Onde nasciam os sonhos e a certeza

De haver na mesa a frescura do pão

E na lareira o ciciar das brasas.     

 

Porque o afecto era o elo, era a magia

Era tudo o que se tem e se deseja

Sem mácula, sem dano, sem agravo

A unir as mãos sob a ternura

Sem sombra ou amargura nas palavras.

 

Pudesse

Dentro de mim abrir as asas.

  

Soledade Martinho Costa

publicado por sarrabal às 21:15
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 8 de Junho de 2014

SALGADO E DOCE

 

A brancura do linho que se alinha

Salinas onde o Sol esquece o poente

Um brilho, a alvura de um lençol

Que o mar estende no chão

Como um presente.

 

São lágrimas do mar

Secas na fonte

Das tuas mãos tão sábias

E tão crentes.

 

São contas de um rosário

Que se aprende

No corpo das marés

E das correntes.

 

A alvura da neve nos meus olhos

Colinas de cristal na minha frente

É o travo do sal na tua boca

Quando os teus lábios beijam docemente.

 

Soledade Martinho Costa

publicado por sarrabal às 21:10
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 1 de Junho de 2014

DIA MUNDIAL DA CRIANÇA - CONVERSA COM VERSOS - O GALO E O PASTOR

 

Pezinhos de lã

Chega a madrugada

E o galo cantor

Lá do seu poleiro

Cocoró-cocó!

Canta a alvorada.

 

- Salta lá, pastor

Da cama para fora

Vamos ao trabalho

Que já está na hora!

 

E enquanto o rebanho

Solta no redil

Um balido manso

O galo cantor

Canta sem descanso:

 

- Cocoró-cocó!

Que vagar o teu

Acaso não viste

Que o dia nasceu?

 

E pronto, lá vão

Homem e rebanho

Mais o cão rafeiro

Por pedras e mato

Caminho do pasto

Passinho ligeiro.

 

Pezinhos de lã

A tarde pousou

Tremeluzem estrelas

No manto de anil.

 

Cucurica o galo

Baixo, no poleiro:

 

- Lá vem o rebanho

De volta ao redil

Já ouço o rafeiro

E a voz do pastor

Regressam a casa

A lida findou.

 

E muito lampeiro

Ajeita a cabeça

Debaixo da asa:

 

- Por hoje me calo

Diz o senhor galo

A noite chegou!

 

Soledade Martinho Costa

 

Do livro «O Bico-de-Lacre»

Edições Vela Branca

 

 

publicado por sarrabal às 12:28
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. 8 DE DEZEMBRO - NOSSA SEN...

. MEDITERRÂNICA

. SAUDADE

. CALENDÁRIO - OUTUBRO

. 1 DE OUTUBRO - DIA MUNDIA...

. «O NOME DOS POEMAS»

. HISTORINHA - O MOCHO E A ...

. A CONTRACAPA DE «O NOME D...

. O MEU NOVO LIVRO «O NOME ...

. A VOZ DO VENTO CHAMA PELO...

. ALGUMA COISA ACONTECE

. HISTORINHA - A TOUPEIRA E...

. CALENDÁRIO - AGOSTO

. LEMBRAR AMÁLIA

. PARABÉNS SARRABAL - E VÃO...

. CERTEZA

. SÃO JOÃO - O SOL E AS PLA...

. PORTUGAL A ARDER - O FOGO...

. HISTORINHA - A ABELHA E O...

. ALGUÉM SE LEMBRA?

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.links

.Contador

conter12
blogs SAPO