Sábado, 28 de Dezembro de 2013

NOVO ANO/ 2014

 

São os meus votos para 2014 - se possível. Pelo menos, com saúde e tudo o que de bom desejarem. Pode ser pedir muito, mas a esperança nunca morre (dizem)!

 

Soledade Martinho Costa

 

publicado por sarrabal às 20:16
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 23 de Dezembro de 2013

NATAL/ 2013

«Adoração do Menino», Correggio

 

Embora indecisa nas palavras a enviar este ano aos meus leitores, não posso esquecer que se festeja o Nascimento de Jesus Cristo. As palavras utilizadas em anos anteriores, nesta quadra («Feliz Natal», «Boas Festas», «Prosperidades»), a meu ver, não se ajustam, actualmente, ao verdadeiro Natal de todos nós. Assim, limito-me a desejar que passem este Natal/2013 da melhor maneira, com saúde e esperança. Outros Natais hão-de vir e com eles os anteriores votos: Felicidades, Alegria, Boas Festas, Prosperidades. Nada é eterno: nem o bom nem o mau.

 

Soledade Martinho Costa

 

publicado por sarrabal às 22:38
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Sábado, 21 de Dezembro de 2013

OUTROS NATAIS

 

 

Onde a magia dos Natais de outrora

O presépio dos olhos da infância

São José, a Virgem, o Menino

Figuras modeladas

Quase gente

A mostrar-se ao espanto

Dos pastores que vinham

Em fila pelo musgo dos caminhos

Para ofertar cordeiros e presentes.

 

Onde a azáfama do rumor das mãos

Nos alguidares de barro onde a farinha

A abóbora, os ovos, o fermento

Tomavam forma e gosto tão distantes.

 

Aonde o sono arredio que não vinha

Nessa Noite Sagrada em que os pinheiros

Choram saudades de bosques e de estrelas

Sob a caruma de luzes e de enfeites.

 

Onde o mistério que seguia os passos

Dos adultos no ranger das tábuas

Em nossos passos furtivos de criança

Na ânsia de encontrar em qualquer canto

De barbas e de saco o Pai Natal.

 

Quantos Natais assim em que a Família

Se reunia inteira à grande mesa

Da sala de jantar tão velha e gasta

Mas que nessa noite por magia

Transformava em cristal os vidros baços.

 

Quantos presépios retidos na memória

Quantos aromas ainda a Consoada

Quantos sons a deixar nos meus ouvidos

Os risos, os beijos, os abraços.

 

Quantas imagens cingidas na penumbra

Desta lembrança que se fez saudade

Dos rostos, dos gestos, das palavras

Na lonjura das vozes e da Casa.

 

Noite Divina em que torno a ser criança

Ante o meu olhar adulto e me desperto

Na emoção que nos traz os anos:

O meu Natal é hoje mais concreto

Mas muito menos belo e mais deserto.

 

Soledade Martinho Costa

 

publicado por sarrabal às 01:00
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 17 de Dezembro de 2013

AS QUATRO MISSAS DE NATAL

 

Têm lugar entre o dia 24 e 25 de Dezembro, propostas pela Igreja no seu Missal, no entanto, sem a obrigação de serem celebradas. As suas designações, pela respectiva ordem, são as seguintes: Missa da Vigília (instituída em Roma na segunda metade do século V, celebrada na tarde do dia 24, que representa a preparação para o dia de Natal, com o cântico: «Hoje sabereis que o Senhor vem salvar-nos. Amanhã vereis a Sua Glória»); Missa da Meia-Noite, ou Missa do Galo, a mais popular, chamada, antigamente, Missa do Cantar do Galo – gallicantum (instituída pelo papa Telésforo no século II, celebrada para anunciar o nascimento de Cristo, que a tradição diz ter sido à meia-noite, embora não se saiba a hora exacta desse momento); Missa da Aurora, ou Missa da Luz, mais conventual (celebrada ao romper do dia, em analogia ao Sol, a lembrar que Cristo representa o símbolo da luz), e a Missa do Dia (celebrada no dia de Natal, independentemente da hora, considerada a mais solene e importante em louvor do nascimento de Jesus).

  

A designação Missa do Galo, advirá, supostamente, das antigas vigílias efectuadas pelos cristãos, que se prolongavam até de madrugada, altura em que o canto dos galos se fazia ouvir. Na liturgia bracarense da Idade Média, uma das missas de Natal celebrada por essa época é citada, exactamente, como a Missa dos Galos – pollurum. Hoje, em Braga, à semelhança de outras localidades do País, celebram-se três missas, visto a Missa da Aurora (à excepção dos Açores e da Madeira) ter passado a ser efectuada apenas nos conventos.

 

Na ilha de São Miguel (Açores) celebra-se a Missa da Vigília, a Missa do Galo e a Missa da Aurora (oito horas e trinta minutos da manhã) – chamada, popularmente, em certas freguesias, Missa da Galinha, em analogia à Missa do Galo –, além da Missa de Natal no dia 25 (onze horas da manhã).

 

No Funchal (Madeira) a liturgia das missas de Natal tem início no dia 16 de Dezembro com uma novena (as Missas do Parto) a decorrer até ao dia 24, celebrada diariamente entre as cinco horas e trinta minutos e as seis horas da manhã. Neste cerimonial religioso (sempre grandemente participado), antes de cada missa são entoados uma ladainha e cânticos de louvor a Nossa Senhora, seguindo-se a missa, também ela acompanhada por cânticos religiosos de cariz popular – as «loas ao Menino», muito conhecidas e próprias da Madeira. Os cânticos, inspirados na Bíblia, diferem em termos de letra de localidade para localidade, embora as músicas se mantenham idênticas.

 

A liturgia natalícia na Madeira divide-se pela Missa da Vigília (na tarde do dia 24); Missa do Galo (meia-noite); Missa da Aurora, ou Missa dos Pastores (seis ou sete horas da manhã) e Missa de Natal (durante o dia sem hora certa).

 

Soledade Martinho Costa

 

 

In “Festas e Tradições Portuguesas”, Vol. VIII

Ed. Círculo de Leitores

 

 

publicado por sarrabal às 00:21
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 7 de Dezembro de 2013

NATAL - O DIA DO SOL

 

Celebrado desde tempos remotos por todo o Ocidente, desde a Trácia até Cádis (toda a faixa europeia do Mediterrâneo), inclui nas suas festividades vários rituais que, segundo alguns autores, poderão representar reminiscências de antigas celebrações ligadas a Mitras, um dos génios do Masdeísmo, ou Espírito da Luz Divina, religião seguida pelos povos da antiga Pérsia – que admitia dois princípios, o do bem e o do mal, adoptada por Roma no século I a.C. –, e ao culto dos Politeístas Solares e à sua Festa das Luzes (o Khanu Ka), efectuada no solstício do Inverno. Os Romanos, sob a influência da devoção mitríaca chamavam ao Natal o Natalis Solis Invicti, ou O Dia do Sol, acendendo nesta data grandes fogueiras.

 

No Egipto, as primeiras comemorações do Natal (Festum Osirid Nati,ou Inventio Osiridis), tinham lugar, tal como as dos politeístas, no dia 6 de Janeiro, data que veio a corresponder à celebração do dia de Reis, quando no ano 54 se separou a Natividade (celebração do nascimento de Cristo) da Epifania, que englobava na sua origem a maior parte das celebrações a Cristo: o seu nascimento, a adoração dos Reis Magos, o seu baptismo, a sua vida e sofrimento na terra e os seus milagres, passando esta a ser consagrada exclusivamente aos reis.

  

A Igreja Católica decreta, entretanto, por suposição entre os anos 243 e 336, embora se aponte também o ano de 345, a celebração do nascimento de Jesus Cristo para o dia 25 de Dezembro, escolhido sem rigor histórico, devido à incerteza da exactidão da data, misturando-se assim os hábitos e praxes religiosas e profanas. Esta data acabou por ter correlação com o dia 25 de Março, dia da Anunciação do Senhor ou da sua Encarnação, a unir a natureza divina à humana, antecipados que foram no calendário, simbolicamente, os nove meses correspondentes. Celebrado no Oriente antes do ano 446, o dia da Anunciação do Senhor só veio a ser comemorado no Ocidente entre 687 e 701.

 

Liturgicamente, a festa do Natal é precedida pelo Advento, termo de origem profana, que simbolizava entre os povos pagãos a vinda cíclica do deus ou divindade, cuja imagem era exposta no respectivo templo nas datas que lhe eram consagradas para adoração dos fiéis. Na liturgia romana o Advento tem o seu começo no domingo seguinte ao dia 26 de Novembro, dando assim início ao ciclo religioso do ano eclesiástico. Para os primeiros cristãos o Advento significava a comemoração da aparição de Jesus Cristo na terra, enquanto a partir do século VI passou a representar o período litúrgico e preparatório das quatro semanas que antecedem o Natal, reveladoras da tão aguardada vinda do Messias – a Luz do Mundo.

  

Algumas das festividades natalícias poderão resultar, igualmente, das Saturnais, festas realizadas em Roma entre o dia 17 e o dia 23 de Dezembro, em louvor de Saturno, importante divindade agrária, quer pelo sentido de bondade e tolerância que as Saturnais implicavam, quer pelas celebrações alimentares conjuntas verificadas nessa data.

 

Soledade Martinho Costa

                                  

Do livro «Festas e Tradições Portuguesas», Vol. VIII                              

Ed. Círculo de Leitores

 

publicado por sarrabal às 19:57
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.posts recentes

. CANTO DO VENTO

. ZECA AFONSO

. 23 DE ABRIL - DIA MUNDIAL...

. DEDICATÓRIA

. SEMANA SANTA - O GALO DAS...

. CELEBRAÇÕES DA QUARESMA -...

. CALENDÁRIO - MARÇO

. CARNAVAL - A MÁSCARA

. TODOS OS LUGARES SÃO TEUS

. BOLO-REI - ORIGENS

. A VIAGEM DOS TRÊS REIS MA...

. FELIZ NATAL E BOM NOVO AN...

. OUTROS NATAIS

. UM OLHAR SOBRE A PAISAGEM...

. OUTRO MILAGRE

. «SEARINHAS» DE NATAL

. COMO SE FOSSE HERODES O M...

. NATAL - AS FOGUEIRAS DO M...

. CALENDÁRIO - DEZEMBRO

. VULTO DE UM PAÍS

.arquivos

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.tags

. todas as tags

.links

.Contador

Site Meter
blogs SAPO