Quinta-feira, 29 de Novembro de 2012

GAIVOTAS

 

No meu país

Igual ao teu país

Onde esvoaçam gaivotas junto ao rio

Asas feitas de mar

Voando ao vento

Sobre o beijo que o Sol pousa nas ondas

Morrem em cada verso mil poetas

Por mil razões sentidas do seu povo.

 

País de Sol e sal

País defunto

Onde se alaga em choros a muralha

E em pleno dia a noite é mais profunda.

 

País irmão do teu

País igual

Aonde chegam turistas com roteiros

À procura de sonhos nos mosteiros

Dos olhos pacientes

Que não partem.

 

País de pranto e fel

País sem esperança

Sem alento, sem leme ou direcção

Onde a justiça se cala e compromete

Em silêncios que nos trazem à memória

Longínquas fontes de calado canto.

 

País irmão do teu

País igual

Onde as gaivotas do rio

Que esvoaçam

Asas nimbadas de teimas e de lutas

À noite

No convés

Quando adormecem

Sobre o casco dos barcos que apodrecem

Vão sonhando o sal de outras marés

E o voo de novos horizontes.

 

 

Soledade Martinho Costa

 

publicado por sarrabal às 13:36
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Sábado, 17 de Novembro de 2012

NAYARITA - O PEDIDO

 

 O meu filho foi buscar a filha mais pequenina ao infantário (Nayara, 3 aninhos feitos no passado mês de Agosto). Ao segurar-lhe a mão, diz a minha neta:

 

- Pai, liga à avó. Quero pedir-lhe uma coisa…

 

Sem perguntar qual seria o pedido, o pai limitou-se a ligar o telemóvel e a dizer-me:

 

- Olha, mãe, a Nayarita pediu-me para ligar. Quer pedir-te qualquer coisa, não sei o quê.

 

Do outro lado a vozinha da minha neta:

 

- Vó?

 

- Sim, meu amor…

 

E ela, explícita:

 

- Sabes, vó, eu quero pedir-te uma coisa…

 

- Já sei, minha querida, o pai disse-me. Então, diz lá. O que é?

 

- Olha, vó, quero pedir-te umas asas!

 

Fiquei perplexa.

 

- Umas asas, amorzinho?! Mas para quê?!

 

Reposta rápida:

 

- Para ir à Lua!

 

- À Lua?! Mas para quê, Nayara? – Repeti.

 

Outra resposta pronta:

 

- Para ir agarrá-la!

 

Argumentei:

 

- Mas, minha querida, a Lua está lá tão em cima, tão longe… Não tens medo de voar tão alto?

 

- Não, vó, não tenho medo!

 

E perante o meu momentâneo silêncio, o pedido, persuasor:

 

- Vá lá, vó... Vá lá…

 

Isto, numa vozinha doce, muito doce, a convidar-me a dizer que sim à compra das asas.

 

O problema está na nossa próxima conversa. Faço todas as vontades aos meus netos. Esta, não vai ser possível. Provavelmente, vou contar-lhe a história de «Ícaro». Ou do Neil Armstrong, o primeiro homem a pisar a Lua. Ou talvez lhe fale dos anjos, que moram no céu, e das suas asas. Vou dizer-lhe que ela própria é um anjo na Terra. Sem asas, porque são invisíveis. Mas que as tem, tem. Não pode é voar com elas.

 

A Nayarita vai entender que nem sempre as avós podem fazer a vontade aos netos – mas que bem gostariam, lá isso é uma verdade…

 

  

Soledade Martinho Costa

 

 

publicado por sarrabal às 00:09
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 4 de Novembro de 2012

ALICE VIEIRA - A ARTE DE APROVEITAR UM ÊRRO INFORMÁTICO

 

A escritora Alice Vieira está indignada pelo facto do seu livro de poemas para adultos, «O que Dói às Aves», ter sido incluído (por erro informático, segundo informação oficial) na lista do Plano Nacional de Leitura como indicado para crianças do 2º ano do Ensino Básico.

 

Alice Vieira já deu entrevistas na Televisão. Já leu, na íntegra, na TSF, o texto escrito na contracapa do livro. A notícia da sua indignação tem andado pelos jornais, revistas e internet (blogs e facebook incluídos). Alice Vieira já informou que «espera agora que haja uma acção do Comissário do Plano Nacional de Leitura». Alice Vieira já disse também que «gostaria muito de saber quem são os ENERGÚMENOS que escolhem os livros para o Plano Nacional de Leitura». Alice Vieira já perguntou se «(…) essa gente leu alguma coisa do livro para lá do título». Alice Vieira já informou  que «o seu livro não trata de histórias de pintainhos!».

 

Como Alice Vieira já falou, agora é a minha vez de falar:

 

O livro em questão foi, entretanto, retirado da lista errada e incluído na lista certa pelo Executivo do PNL. De que se queixa, então, Alice Vieira?

 

Todos nós sabemos (pelo menos aqueles que escrevem livros) que não existe crítica literária em Portugal. Uma simples notícia sobre os livros que se vão publicando entre nós, é coisa que não há (a não ser que algum amigo do autor a faça). Perante este indigente panorama, há que fazer pela vidinha. É verdade que nem todos os escritores se aproveitam de uma casualidade que veio, sem ser solicitada, parar às suas mãos. Mas, como em tudo, existem excepções. Parece-me o caso.

 

Alice Vieira ao aperceber-se do engano, deveria ter-se limitado a contactar o Executivo e a esclarecer o assunto. Discretamente. «Bastaria um simples telefonema», como argumentou Teresa Calçada, uma das responsáveis pelo PNL.

 

Ao fazer um tal alarde da sua indignação, Alice Vieira está, quanto a mim, a aproveitar-se da oportunidade que lhe caiu do céu: a de fazer publicidade ao livro e à editora, enquanto tenta afirmar-se também, publicamente, como autora para adultos. Alice Vieira é, sim, sobejamente conhecida, mas como escritora de livros infanto/juvenis.

 

É um facto que subsiste em certos autores, apenas com livros infanto/juvenis publicados, uma espécie de complexo por não constar da sua bibliografia obras para adultos. Talvez a Literatura e o próprio público leitor tenham a sua culpa. A literatura para crianças é vista, erradamente, como uma literatura menor (já me debrucei neste assunto, apresentando comunicações que provam o contrário). Afinal, o grande passo para fomentar na criança o gosto pela leitura é… o livro infantil! Representa o primeiro contacto dos mais pequeninos com a literatura, cabendo ao adulto ser exigente com a escolha dos livros. Se assim for, o prazer de ler acompanhará a criança pela vida fora. Torna-se na semente que o fará, mais tarde, um leitor das obras para adultos.

 

Voltando a Alice Vieira, não acredito que os responsáveis pela escolha dos livros do PNL «tenham escolhido o livro sem o abrir», como afirma, indignadamente, a escritora. Todavia, partindo do pressuposto que tal tenha acontecido (o que é impensável), nem assim Alice Vieira teria razões para a sua indignação, E, se não, vejamos: qualquer livro de Alice Vieira pode ser considerado um bom livro (aqui, discordo da opinião quase geral e lembro as críticas literárias que fiz ao seu trabalho, publicadas no extinto «Diário Popular», expondo o meu ponto de vista). Ora, aliando o título do livro (com o seu quê de infantil) ao nome da autora, poderia dar-se o caso de não ser necessário, sequer, abrir o livro! Coisa que não aconteceu, evidentemente. Assim sendo, representaria um voto a favor de Alice Vieira e da sua obra! Ou não seria? Não é verdade que devemos ver as coisas pelo lado positivo – mesmo as negativas?

 

Pode ler-se no «Público» de 9/10/12: «Alice Vieira abriu (…) a polémica sobre os critérios de escolha dos livros que fazem parte do Plano Nacional de Leitura.»

 

Longe vai o tempo em que eu própria, nos jornais, abri polémica sobre os critérios de escolha dos livros seleccionados pela Direcção-Geral do Ensino Básico destinados às bibliotecas das escolas. Nessa altura, Alice Vieira, ao contrário de 30 escritores com obras para crianças, não se manifestou.

 

Diz ainda o jornal: «Alice Vieira (…) quer (…) apurar responsabilidades.» Pergunto: Alice Vieira foi vítima de algo que a tenha prejudicado ou depreciado enquanto escritora? Não. O «acidente» só lhe valeu a arte de o aproveitar para seu benefício e publicidade. Só isso. Publicidade a mais. Barulho a mais. Com outras coisas, neste país, a merecerem mais a nossa atenção e a nossa indignação. Isso sim.

 

Sempre achei, nas obras de Alice Vieira, um certo sarcasmo, uma certa forma de troçar e de ridicularizar algumas das personagens dos seus livros: avós e tias. Principalmente as tias. Raro é o livro onde não há uma tia absolutamente risível – escrevi essa minha opinião algumas vezes, publicamente, quando os seus livros me chegavam às mãos. Pôr a ridículo a Família, não me parece recomendável num livro para crianças ou jovens. A ternura, a existir, anda muito arredia dos seus escritos.

 

Outra frase infeliz de Alice Vieira é esta: «Será que pensam que são histórias de pintainhos?». Depreciar, também, os autores que escrevem «histórias sobre pintainhos», não fica bem a Alice Vieira. É uma ofensa petulante dirigida aos colegas de escrita que o fazem. É desprestigiar o próprio Andersen e o seu conto «O Patinho Feio»! Mas é este o «estilo» de Alice Vieira.

 

Deixei para o fim a palavra «ENERGÚMENOS», que dirigiu, afrontosamente, a quem, no PNL, faz a escolha dos livros. É grave. Alice Vieira perde, assim, toda a razão – que não tem. O seu livro continua escolhido (além dos 40 que já foram seleccionados!). A ofensa gratuita, a arrogância e a falta de educação são muito mais gravosos do que uma simples falha informática numa lista de livros.

 

Soledade Martinho Costa

 

publicado por sarrabal às 00:47
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 1 de Novembro de 2012

DIA DE TODOS OS SANTOS

 

Designado, primitivamente, dia de Nossa Senhora dos Mártires, esta data foi celebrada durante mais de dois séculos no dia 13 de Maio com um ofício próprio, enquanto por volta de 737 passa a ser incluída no cânone da missa uma alocução dedicada a todos os santos. Ainda no século XVIII (741), Gregório III manda erigir na Basílica de São Pedro, em Roma, uma capela dedicada ao Divino Salvador, a Sua Santíssima Mãe, aos Apóstolos e a todos os mártires e confessores dando-se assim um maior impulso à Festa de Todos os Santos.
 
No século IX (835), a data desta festa religiosa é então fixada no dia 1 de Novembro pelo papa Gregório IV, que de há muito vinha pressionando Luís I, o Piedoso, rei de França, de modo a emitir um decreto que oficializasse a celebração. A partir de 837, por decreto real, a data da festividade no dia 1 de Novembro torna-se universal, constituindo uma das maiores solenidades para toda a Igreja Cristã.
 
No final do século X, Santo Odilão ou Odilon, quarto abade de Cluny (994 – 1048), junta às celebrações em louvor dos santos algumas orações em favor do descanso eterno dos defuntos. Esta introdução levou mais tarde a que se procedesse à separação das duas datas, vindo o dia 1 de Novembro a ser consagrado a todos os santos da Igreja Católica, enquanto o dia 2 passou a ser dedicado, exclusivamente, aos fiéis defuntos. Autores há que defendem constituírem as duas celebrações do dia 1 e dia 2 de Novembro uma única festa, expressa e directamente ligada ao culto dos mortos.
 
Soledade Martinho Costa
publicado por sarrabal às 00:36
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. CALENDÁRIO - AGOSTO

. LEMBRAR AMÁLIA

. PARABÉNS SARRABAL - E VÃO...

. CERTEZA

. SÃO JOÃO - O SOL E AS PLA...

. PORTUGAL A ARDER - O FOGO...

. HISTORINHA - A ABELHA E O...

. ALGUÉM SE LEMBRA?

. SANTO ANTÓNIO - AS MARCHA...

. CANTO DO VENTO

. ZECA AFONSO

. 23 DE ABRIL - DIA MUNDIAL...

. DEDICATÓRIA

. SEMANA SANTA - O GALO DAS...

. CELEBRAÇÕES DA QUARESMA -...

. CALENDÁRIO - MARÇO

. CARNAVAL - A MÁSCARA

. TODOS OS LUGARES SÃO TEUS

. BOLO-REI - ORIGENS

. A VIAGEM DOS TRÊS REIS MA...

.arquivos

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.links

.Contador

conter12
blogs SAPO