Sábado, 26 de Maio de 2012

MEU FILHO

 

Meu filho, minha ternura

Meu coração dado inteiro

És a fome da fartura

Que guardo no meu celeiro.

 

Meu filho, minha alegria

Meu cansaço, meu deleite

És a fonte do meu dia

Candeia do meu azeite.

 

Meu filho, minha coragem

Minha luta, minha chama

Eras fruto na folhagem

Se os meus braços fossem rama.

 

Soledade Martinho Costa

Do livro «Reduto»

publicado por sarrabal às 21:36
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 19 de Maio de 2012

A LÁGRIMA

Para Manuela Vidal.

Por ter sido a Professora da minha filha no Ensino Primário. Por ser minha Amiga há mais de 40 anos. Pelo seu aniversário ocorrer, precisamente, no dia 13 de Maio. Pelo mês de Maio ser o Mês de Maria. Pelo seu Marido (meu saudoso e querido Amigo José Álvaro Vidal) ter sido o empreendedor dessa obra excepcional realizada em Alverca do Ribatejo – que ultrapassou fronteiras e dá pelo nome de CEBI.

Soledade Martinho Costa

 

A LÁGRIMA

 

Passou na rua há pouco a procissão

E mais que as velas

Mais que as flores a atapetar o chão

Mais que as colchas coloridas nas janelas

A Fé

A Fé da multidão

Que seguia atrás da Virgem no andor.

 

Eram irmãos

Irmãos no fervor da oração

No amor a Deus

Nas suas dores.

 

E por ser tão grande a devoção

Que no ar pairava e se sentia

Pareceu-me até

Que pelas faces da Senhora lhe descia

Uma lágrima de terna gratidão.

 

Soledade Martinho Costa

 

publicado por sarrabal às 20:57
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 17 de Maio de 2012

TRADIÇÕES - FESTA DA ASCENSÃO ou QUINTA-FEIRA DE ESPIGA

Foto: Velud'arte 

 

O dia da Ascensão ou dia da Ascensão do Senhor, tem lugar quarenta dias após o domingo de Páscoa. Designado, popularmente, por quinta-feira de Espiga, comporta praxes e tradições que assumem carácter universal. A mais comum está ligada ao ramo de espiga, com «poderes de virtude benfazeja», que se colhe neste dia pelos campos, constituído por espigas de trigo (abundância de pão), tronquinhos de oliveira (que simbolizam a paz), papoilas (a alegria), malmequeres brancos (a prata) e malmequeres amarelos (o ouro) – sempre em número ímpar em relação a cada um destes elementos.

 

Colhido o ramo, de preferência entre o meio-dia e a uma hora, devem rezar-se, conforme manda o preceito, três ave-marias e três pais-nossos (Beira Litoral). Em certas zonas do Alentejo, respeitando-se o sacralismo desse momento, considerado o espaço mais benéfico, colhem-se cinco espigas de trigo, cinco folhas de oliveira e o maior número possível de flores silvestres brancas e amarelas. Enquanto se procede à recolha, rezam-se cinco ave-marias, cinco pais-nossos e cinco gloria patri, «para nesse ano haver em casa trigo, azeite, ouro e prata».

 

Em Orca (Beira Baixa) e nas localidades ao redor, o dia da Espiga leva também o nome  de dia da Marcela ou dia da Marcelada. Por isso se canta: «Eu venho da Marcelada/ venho de colher marcela/ lá dos campos da Idanha/ daquela mais amarela.»

 

O ramo de espiga guarda-se dentro de casa, na cozinha ou na sala, por vezes atrás da porta ou junto de uma imagem religiosa, aí se conservando, servindo de talismã, com «virtudes de protecção e esconjuro», até ao ano seguinte, altura em que é substituído por um novo ramo.

  

                       

 

No Ribatejo, o dia da Espiga é declarado feriado, por ser «o dia mais santo do ano». Também em Évora (Alto Alentejo), da parte da tarde de quinta-feira de Ascensão, algum comércio e serviços encerram as portas, de modo a que os seus funcionários possam cumprir a tradição de colher «o raminho protector e apelativo da abundância».

        

À semelhança de outras cerimónias, manifestações e ritos associados às diferentes festas agrárias anuais, o acto de colher o ramo de espiga – simbolizando ao mesmo tempo um elemento favorecedor da conservação e coesão do lar e do fortalecimento da família – poderá, supostamente, remeter-nos a épocas remotas. Particularmente, quando na Grécia Antiga se efectuavam as celebrações (estabelecidas pelos deuses da Antiguidade) em louvor de Deméter ( a Ceres dos Romanos), deusa da agricultura e das searas, e de sua filha Perséfone (em Roma Prosérpina), deusa do trigo, da germinação, dos rebentos e das folhas. As Festas Demétrias, ou Grandes Eleusínias, realizadas na Primavera na cidade de Elêusis, representavam a subida de Perséfone à Terra, correspondendo à época das colheitas, vestindo-se o solo de verdura e de flores para a receber. As Pequenas Eleusínias, celebradas no Outono, expressavam a descida da deusa ao Inferno, retratando a introdução das sementes na terra.

 

O cerimonial do pão – simbolizado no ramo pelas espigas de trigo, em analogia a Cristo – aparece em certos lugares (embora já raramente) substituído pelo ritual do leite. Caso de Atouguia, ou Atouguia das Cabras (Ribatejo), por ter sido aldeia de muitos rebanhos. Nessas localidades o dia da Espiga tomava a designação de dia do Leite, sendo hábito, outrora, os lavradores oferecerem o leite das suas vacas, cabras e ovelhas, ordenhado na quinta-feira de Ascensão, «aos mais necessitados, ao padre ou a quem lho pedisse», acreditando-se que essa dádiva «protegia o gado da sarna». A crença estendia-se ao queijo fabricado com o leite ordenhado nesse dia crendo-se que tinha o poder de «curar as sezões» (febres causadas por emanações de águas pantanosas).

  

                                 

 

Por tudo isto, verificava-se, antigamente, em Nisa (Alto Alentejo) a praxe de a mãe do noivo, antes do casamento, oferecer à noiva, no dia da Ascensão, um requeijão de «canado» (nome que se dá ali ao tradicional tarro de cortiça). A noiva partia o requeijão ao meio, devolvia uma das partes à futura sogra e distribuía a outra pelas pessoas amigas. Já em Belmonte (Beira Baixa), não se fazia queijo na Quinta-feira de Ascensão, mas comia-se a «coalhada» (leite espesso com açúcar), que se levava para o campo e se distribuía pelos familiares. Se, por acaso, algum membro da família andava desavindo, era a altura de fazer as pazes oferecendo-lhe a «coalhada», em sinal de reconciliação.

 

Tradições já passadas, outras ainda vivas, a verdade é que resquícios de festas e praxes remotas continuam a perdurar no calendário. Era em Maio que os Romanos efectuavam as comemorações em louvor da ninfa Maia, ou Bona Dea. Aí residindo, eventualmente, a razão de noutros tempos se dar em Nisa, ao dia de Ascensão, o nome de Maia do Coração, sendo tradição antiga nesta data os noivos oferecerem às noivas a «Maia do Coração» – presente constituído por um objecto de ouro ou peça de vestuário».

 

Nesta data, crenças e praxes continuam a subsistir entre a comunidade rural, ao contrário do que acontece nas grandes cidades, onde se vai perdendo dia a dia o contacto com os rituais que nos ligam ao passado, como suporte da nossa própria identidade, manifestada na fé, no respeito e no valor das coisas que nos foram legadas.

 

Por isso, é sempre com surpresa acrescentada que deparamos, nos estabelecimentos e nas ruas das grandes cidades (mesmo na capital), com alguém que nos oferece, na quinta-feira de Ascensão (a troco de algumas moedas), o «raminho de espiga benfazejo».

 

Soledade Martinho Costa

  

                                                                

 

Do livro «Festas e Tradições Portuguesas», Vol. IV

Ed. Círculo de Leitores

publicado por sarrabal às 00:29
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 4 de Maio de 2012

POR MÃO PRÓPRIA - Responde: BAPTISTA-BASTOS

 

 

Igual/ sob o azul/ ao voo das aves/ caminhos outros fossem/ e outros passos/ assim esta conquista/ esta vontade. / A mandar mais na robustez das grades/ que fecha a liberdade a sete chaves.

 

DESABAFO: Eles não sabem quem somos, nem querem que sejamos.

 

SUGESTÃO: Os desgostos desaparecem com duas horas de leitura.

 

DISPARATE: Alimentar a ideia de que a tolerância é cristã.

 

ESCÂNDALO: O lado Armani do jornalismo português, dito de «referência». 

 

APLAUSO: O modo de muitos seguirem o que outros querem que esses muitos sigam.

 

EXPECTATIVA: Que deixemos a fadiga que nos adormeceu, após a descoberta do caminho marítimo para a Índia.

 

EMOÇÃO: Com a leitura da novela Sangue, uma obra-prima da maior revelação da literatura portuguesa actual: um jovem que vive em S. Miguel de Ceide, chamado Camilo Castelo Branco.

 

AMOR: A suave música da alma, a violenta música do corpo.

 

SAUDADE: O retrato, ali ao canto, de um miúdo magro, espantado, a sorrir. Ainda não havia o apesar de tudo. Ainda não existia a punição. Ainda as ruas eram livres. Ainda, ainda.

 

SONHO: O homem, quando quer, consegue tudo quanto quer. Basta querer. Ça ira. Isso vai.

 

MEDO: Não é o contrário de coragem. Nasce-se com o medo. A coragem aprende-se. O medo não é derrotado pela coragem: é destruído pela honra. A honra não tem medo de nada. A coragem tem medo de tudo.

 

INTIMIDADE: Andar na rua vestido como se estivesse nu. Estar nu em casa como se estivesse vestido.

 

FIGURA PÚBLICA MAIS: Jorge Nuno Pinto da Costa. Ele diz sempre. O que deve sempre dizer, o que pensa sempre dizer, o que é importante ser sempre dito, o que diz tem sempre importância.

 

FIGURA PÚBLICA MENOS: Cavaco Silva. Não diz, não sabe dizer, só fala, não está a dizer nada. Não ri, não sorri, não sabe rir, não sabe sorrir. Nem sequer chato é. É aquilo, coitado. Mas deve ser um bom chefe de família.

 

CALENDÁRIO: A impiedosa e cruel vigilância do tempo sobre o nosso corpo. Mas «viver sempre também cansa» (José Gomes Ferreira).

 

 

Ideia e coordenação Soledade Martinho Costa

In Notícias Magazine/1999

 

 

Nota: Das 24 figuras públicas que reponderam a este «P.M.P.», só você, Baptista-Bastos, teve honras de capa na revista Notícias Magazine, recorda-se? A revista saía aos domingos e o dia 25 de Abril desse ano de 1999 calhou, precisamente, a um domingo. A legenda: «Onde é que você estava no 25 de Abril?» fizeram o resto. Uma capa bem-disposta, embora, das suas palavras, a depreender-se já algumas incertezas…

Foi consigo que «trabalhei», perto de cinco anos, enquanto colaboradora do saudoso «Diário Popular». Todas as quintas-feiras, meia página do jornal era dedicada à secção «Mãos ao Livro», da minha responsabilidade. Devo-lhe a atenção de ter encarado como uma prioridade a literatura infanto/juvenil. E o interesse que o levou a visitar e a fazer aquela belíssima reportagem sobre a grande obra que é o CEBI em Alverca do Ribatejo.

Há muito que não falamos. A vida, os dias, os afazeres, são, por vezes, os causadores de silêncios que não desejamos. Em breve o seu telefone vai tocar e sou eu, verá! Depois, há esta surpresa à sua espera, aqui, no meu blog…

E agora, deixe-me acrescentar: Baptista-Bastos, brilhante jornalista e escritor, com mais de duas dezenas de livros publicados, distinguido com diversos prémios literários, entre eles o Prémio Literário Município de Lisboa; o Prémio P.E.N. Clube Português de Ficção e o Prémio da Associação Internacional de Críticos Literários. (Eu sei que não precisava, mas eu gosto!).

Abraço muito amigo para si e um «olá, dona Isaura, beijinho!».

 

S.M.C. 

 

                                                       

 

publicado por sarrabal às 00:18
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


.posts recentes

. CALENDÁRIO - AGOSTO

. LEMBRAR AMÁLIA

. PARABÉNS SARRABAL - E VÃO...

. CERTEZA

. SÃO JOÃO - O SOL E AS PLA...

. PORTUGAL A ARDER - O FOGO...

. HISTORINHA - A ABELHA E O...

. ALGUÉM SE LEMBRA?

. SANTO ANTÓNIO - AS MARCHA...

. CANTO DO VENTO

. ZECA AFONSO

. 23 DE ABRIL - DIA MUNDIAL...

. DEDICATÓRIA

. SEMANA SANTA - O GALO DAS...

. CELEBRAÇÕES DA QUARESMA -...

. CALENDÁRIO - MARÇO

. CARNAVAL - A MÁSCARA

. TODOS OS LUGARES SÃO TEUS

. BOLO-REI - ORIGENS

. A VIAGEM DOS TRÊS REIS MA...

.arquivos

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.links

.Contador

conter12
blogs SAPO