Quarta-feira, 29 de Fevereiro de 2012

POR MÃO PRÓPRIA - responde: MÁRIO DE CARVALHO

 

Enquanto se mantém / prazo e percurso / suster na mão a luz de uma candeia. / Perdida sem recurso / causa e custas / contra o sinal / o Ferro / a Idade do Mundo / que da Terra fez fugir Astreia.

 

DESABAFO: O capitão MasKarof chegou a nossa casa, respirou fundo e pendurou no cabide a ténue camisinha rendilhada. Entrou na sala, pigarreou e exibiu a gorda peitaça coberta de pelos ruivos. Abraçou-se ao fogão. Lá fora nevava intensamente. Um cheiro áspero a pelo ruivo queimado impregnou a sala. Masha, resignada, despiu a pashka, dobrou-a em quatro e meteu-a na arca.

 

SUGESTÃO: Discos voadores, raptos por alienígenas, por bruxas, por lobisomens e por grossas maçarocas de milho painço. Cura de verrugas.

 

DISPARATE: O comandante português de um pelotão de fuzilamento italiano. Mentiu nas habilitações. Só falava italiano de ouvido. Dos filmes. Deve acrescentar «ma prego!».

 

ESCÂNDALO: Velho latinista muito analfabeto, irritado, a mandar escandir Virgílio. Pode apontar o dedo nodoso e acrescentar «pá!».

 

APLAUSO: Ver Suetónio. Os Doze Césares. Tradução (donde?) Gaspar Simões. As maneiras de aplaudir inventariadas por Nero: «em escada, em telha», e não sei quê…

 

EXPECTATIVA: Há quem escreva com esse. Há quem discuta isso.

 

PREOCUPAÇÃO: Era uma vez um rei que tinha três filhas.

 

EMOÇÃO: Lê-se imoção. Os locutores que não sabem nada de gramática dizem «émoção ou «âmoção». Devia haver um benemérito, razoavelmente estipendiado, que ensinasse aos televisivos e radiais que o «e» e o «i» têm vários valores no português padrão. Por exemplo, que dizer virilha em vez de «verilha», ministro, em vez de «menistro», civilização em vez de «civelização», ou vizinho em vez de «vezinho» é a razão para um aterrador despenhamento cultural. O Rodrigues Guedes e o José Alberto, ambos de Carvalho, que manifestamente se interessam por estas minudências, bem que podiam explicar aos colegas e demais. Com paciência e sem autoritarismos, o Rangel não pode saber. Olhem que ele despede…

 

AMOR: Anagrama de Roma.

 

SAUDADE: Pobre, pouco intenso. A gente cá não tem jeito nenhum para esses sentimentos. Prefiro o inglês «to long for» ou mesmo «to miss». Tem mais alma, mais «feeling».

 

SONHO: Há quem prefira com calda de açúcar. Eu, com mel. Mas só pelo Natal. Conheci um tipo que encomendou sonhos pelo Verão de São Martinho e aquilo não ligou bem com as castanhas. Há vinte anos que está em coma, há-de ir. O dr. Mendes Mem acha que se deve desligar o ventilador. Mas o professor Mem Mendes opõe-se: «Enquanto ele sonhar, nunca!».

 

MEDO: Persa antigo. Usava escudo de vime e vestia umas trapalhadas às bolinhas. Tinha muito medo do sátrapa, mas ainda mais de um moço chamado Alexandre, célebre batoteiro, cortador de nós desatáveis, que não olhava a meios.

 

INTIMIDADE: O general Eanes para Mário Soares, depois de um certo discurso em que proferiu umas verdades: «Você está intimidade?».

 

FIGURA PÚBLICA MAIS: Afonso Costa, na avenida do mesmo nome, figurado por uma base redonda de mármore, de que emerge uma espécie de ponteiro de relógio de sol gigantesco que deita água fora do sítio. Acho que a água representa os bigodes e a base redonda o anticlericalismo. Mas o autor do monumento ainda não se explicou.

 

FIGURA PÚBLICA MENOS: Aquele desinfeliz autarca do Porto que anda sempre a falar de bola (coitado, na educação que lhe deram convenceram-no de que aquilo era importante) e que censurou um determinado governante por haver confundido Tomás More com Tomás Méne. MÉNE!!! E não se pode escolarizá-los?

 

CALENDÁRIO: A vida é folha que cai; a vida é folha que sobe; a vida é ronha que mói; a vida é coisa de snob; a vida é o lobbie do pai; a vida é o Job do boy; a vida é a telha de Job, etc…(com a devida vénia ao vilipendiado poeta).

 

Ideia e coordenação: Soledade Martinho Costa

In Notícias Magazine/1999

 

Nota - Conheci pessoalmente Mário de Carvalho num dos Encontros de Escritores Portugueses, que se realizou na Fundação Calouste Gulbenkian. Por essa altura os escritores começavam a trocar as máquinas de escrever pelos computadores. Disse-me maravilhas. Mais tarde dei-lhe toda a razão.

Conheci-o também como advogado e especialista internacional em direitos de autor. Necessitei do seu auxílio numa causa que perdi – embora algumas consciências suportem o peso de saberem que a ganhei. Águas passadas, até porque quem me prejudicou (e não apenas a mim) já não está entre nós. Depois, fomos falando mais umas quantas vezes.

Ao mesmo tempo, fui conhecendo a sua obra, que considero excepcional. A sua escrita, salpicada de ironia, por vezes desconcertante, onde a sátira e a crítica andam a par, tão pessoal, tão simples e erudita ao mesmo tempo, deslumbra-me. Dá-me boa disposição, acabo por rir. Ainda que, por vezes, fique indecisa, até encontrar a «chave» que dá sentido ao seu sentido de humor.

Prémios literários? Já recebeu todos os que são importantes: 12 e mais 1 pelo conjunto da sua obra: romancista, contista, dramaturgo e argumentista.

Neste período que o País atravessa, acabo a dizer-lhe que os seus livros são tão necessários como a fonte onde se mata a sede. Tão necessários, Mário de Carvalho!

Agora, diga-me, a publicação deste seu texto foi ou não foi uma surpresa?

Um abraço muito amigo.

SMC 

                                          

 

 

publicado por sarrabal às 02:30
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 22 de Fevereiro de 2012

ALGUMA COISA ACONTECE

«As Pombas» (2005), LUÍS FERNANDO RALHA

 

Homenagem ao Pintor LUÍS FERNANDO RALHA, Amigo da minha juventude, quando ambos apenas sonhávamos o caminho que a vida já nos traçava por esses anos...

 

Se o dia vier ao Mundo

Em que o gelo nos aqueça

E o Sol no céu arrefeça

O calor das nossas veias

Esse será o sinal;

Decerto que a nosso lado

Alguma coisa acontece.

 

E se o riso

Que ontem vinha

Alegrar a nossa face

Morre aos poucos

Esmorece.

 

Nesse dia pedirei

A quem tiver

Por dentro de cada dia

Nada ter

A força que tem o vento

Que atravessa o pensamento

E liberta a nossa voz.

 

Nesse dia pedirei

À pressa que tem a vida

Que modere essa corrida

Da nascente até à foz.

 

E se ao longe há um veleiro

Que se perde atrás do mar

Que se afunda em nosso olhar

Onde a água é nevoeiro.

 

Chamarei

Companheiro desta dor

E da raiva cada vez maior

Aperta na minha mão

O que a tristeza juntou.

 

Na estrada que percorremos

A desdita é coisa pouca

Comparada ao que sobrou.

 

Nesse dia pedirei

A quem tiver

Por dentro de cada dia

O amor.

 

Soledade Martinho Costa

 

 

publicado por sarrabal às 02:10
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 14 de Fevereiro de 2012

DIA DOS NAMORADOS

 

Quem disse que o Calendário não anda para trás?

 

S.M.C.

publicado por sarrabal às 14:28
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Sexta-feira, 10 de Fevereiro de 2012

COISAS DA VELHA DO ARCO - «GATO ESCONDIDO COM RABO DE FORA»

 

Um amigo meu, residente em Alverca do Ribatejo, possui uma casa na Mixilhoeira Grande, no Algarve. Recentemente, foi até lá passar uns dias.

 

Numa das noites, dormia ele descansado, quando acordou em sobressalto com um valente estrondo que provinha da parte fronteira da casa.

 

Acontece que junto à residência do meu amigo fica um dos míticos restaurantes do Algarve, «onde se come divinamente e em português», como alguém já escreveu. Trata-se do conhecido «Vila Lisa» (curiosamente, nome a juntar os apelidos dos dois proprietários e cozinheiros).

 

A clientela é muita (actualmente só com marcação), vêem-se por lá nomes famosos (Mário Soares é um deles), os pratos são divinais (numa refeição provam-se nunca menos de seis ou sete) e a simpatia e amabilidade dos proprietários, a circularem entre as mesas e a cozinharem à vista de todos fazem o resto.

 

Voltando ao meu amigo (que o Vila Lisa não precisa da minha publicidade), nessa noite, embora já um pouco fora de horas, continuava estacionada no pequeno largo fronteiro ao restaurante, uma caravana. Os proprietários encontravam-se, naturalmente, no Vila Lisa e, ao que parece, sem grande vontade de se levantarem da mesa.

 

Bem jantados e melhor bebidos, soube depois o meu amigo, ao entrarem na caravana deu-se o inevitável. Contrariando o slogan «se beber não conduza», numa manobra orientada pelo álcool, lá foram embater e derrubar a varanda do meu amigo. Daí, o estrondo e o susto. Depois? Depois puseram-se em fuga!

 

E como é costume dizer-se «gato escondido com rabo de fora», com a força do embate a matrícula da caravana soltou-se e ali ficou, no empedrado, à espera que o meu amigo a fosse buscar e entregar na polícia. Foi o que fez. Os autores da proeza estão já identificados. Azar deles, sorte do meu amigo.

 

Resta saber se os fugitivos terão «apetite» para voltar ao Vila Lisa!

 

Soledade Martinho Costa

publicado por sarrabal às 23:35
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

12
13
15
16
17

20
21
22
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. SÃO JOÃO - O SOL E AS PLA...

. PORTUGAL A ARDER - O FOGO...

. HISTORINHA - A ABELHA E O...

. ALGUÉM SE LEMBRA?

. SANTO ANTÓNIO - AS MARCHA...

. CANTO DO VENTO

. ZECA AFONSO

. 23 DE ABRIL - DIA MUNDIAL...

. DEDICATÓRIA

. SEMANA SANTA - O GALO DAS...

. CELEBRAÇÕES DA QUARESMA -...

. CALENDÁRIO - MARÇO

. CARNAVAL - A MÁSCARA

. TODOS OS LUGARES SÃO TEUS

. BOLO-REI - ORIGENS

. A VIAGEM DOS TRÊS REIS MA...

. FELIZ NATAL E BOM NOVO AN...

. OUTROS NATAIS

. UM OLHAR SOBRE A PAISAGEM...

. OUTRO MILAGRE

.arquivos

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.tags

. todas as tags

.links

.Contador

Site Meter
blogs SAPO