Domingo, 20 de Fevereiro de 2011

POR MÃO PRÓPRIA - Responde: ISABEL SILVESTRE

 

 

Água/ serias rio ou fonte/ regato que murmura/ entre dois lírios. / Ave/ um noitibó/ escondido/ entre as dobras de um lençol. / Mas porque assim te queres/ terra e raiz/ e tanto aquece/ o matiz da tua voz/ só posso comparar-te/ ao próprio Sol.

S.M.C. 

 

DESABAFO: É a válvula de escape das nossas emoções mais profundas e das nossas mais angustiantes inquietações ou revoltas. O desabafo permite que, às vezes, revelemos a nós próprios sentimentos que desconhecíamos existirem portas adentro. Outras vezes, com o desabafo, soltamos e revelamos a outros estados de alma que não gostaríamos de mostrar.

 

SUGESTÃO: Todos nós, quase todos nós, estamos disponíveis para dar sugestões. Gostamos de provocar ou fazer nascer no espírito de terceiros modos de agir que pensamos ser os mais próprios, ou no seu interesse, ou actuando menos linearmente, no nosso interesse, ou no interesse dos nossos.

 

DISPARATE: Cada um tem à sua conta um número maior ou menor de disparates, de despropósitos, de tolices, de desatinos, de extravagâncias sem razão. Porque acontecem? Será o que nos rodeia que nos força ou o tal «destino», que cada um deve cumprir? O disparate será um produto das nossas contradições? Há que relativizar a palavra, porque não há desacertos absolutos. Às vezes, no fundo do disparate, há algo que não é disparatado. Como na raiz de todos os acertos, nem sempre tudo nasce acertado.

 

ESCÂNDALO: É algo que ofende, causa indignação, origina melindre ou vergonha. Quantas vezes o progresso, o avanço da Humanidade, não começa com escândalos? Pode-se até dizer que certos escândalos geraram santidades. Há escândalos que, com o tempo, deixam de o ser. É tudo uma questão de tempo e de lugar. Na aldeia onde nasci, ainda hoje são «escandolas» comportamentos que, fora dela, são condutas normais.

 

APLAUSO: É o que resulta do acto ou efeito de aplaudir. Deveria ser sempre algo de consciente. O momento de grande verdade. Quem aplaude com leviandade um artista, um poeta ou um político, torna-se cúmplice de muitos erros, de muita involução. Um aplauso exprime um sentido de voto. Para quem os recebe, como artista, em palco, e sente nele autenticidade, vive momentos mágicos. Estabelece uma ligação, uma comunhão quase divina, com tudo o que o rodeia.

 

EXPECTATIVA: A esperança é a última coisa que deve morrer no coração do homem. E, sobretudo, da mulher, consabido que esta é mais resistente… A Igreja Católica deu-nos e consagrou, até, como modelo, a Nossa Senhora da Expectação! Uma grande parte do nosso ser e da nossa existência assenta na expectação. A esperança que não morre nos tidos como «desesperados» é que faz avançar o Mundo. Deixamos de ser gente quando perdemos a esperança.

 

PREOCUPAÇÃO: Sentimento triste, envolto em desassossego. Ninguém vive sem preocupações. Nunca podem estar ausentes de nós. A preocupação pode tomar conta, de forma angustiante e avassaladora, da nossa alma, se não confiarmos nas nossas capacidades e, pelo menos, um pouco, na capacidade dos outros. Preocupar-se é ocupar-se duas vezes: antes e depois de se ocupar. Preocupo-me com aquilo de que me não quero ocupar.

 

EMOÇÃO: É um estado de alma de tonalidade afectiva intensa, mas não permanente. Pode comover-nos, abalar-nos, gerar enternecimentos, pesar, até alegria na dor. O pôr-do-Sol na minha terra. O afogamento do «Poço Negro», executado pela mini-hídrica, em Manhouce. Os cantares da Serra. O passado e as pedras da minha aldeia… Que emoções provocam! Como é bom vivê-las, mesmo contraditórias, capazes, até, de gerarem ódios…

 

AMOR: Sentimento grandioso que nos faz comunicar com a vida e com tudo o que desconhecemos para além dela. Paixão, afecto, inclinação… Há o amor possessivo. Há o amor que se dedica a outrem. Há, até, o amor que devemos ter para connosco. Sem liberdade não há amor. Um Santo proclamou: «Ama e depois podes fazer tudo quanto quiseres». Para os que acreditam em Deus, Deus é amor. Importa recordar que não é verdade que o primeiro amor seja para sempre o grande amor da nossa vida…

 

SAUDADE: Palavra que costuma vir associada à ideia de Portugal. «Saudade gosto amargo de infelizes, doce pungir de acerbo espinho», disse o poeta. Sentimos saudade com a ausência ou desaparecimento de pessoas que amamos. Mas também com o afastamento de coisas, com estados de alma, ou até de acções. Quem não tem saudades de glórias passadas?

 

SONHO: «O sonho comanda a vida», diz-nos o poeta. O verdadeiro sonho, não é o que se manifesta durante o sono. É o que se tem com os olhos abertos. A mulher e o homem, no seu caminhar até Deus, já teriam desistido se não sonhassem. Partindo do princípio que Deus quer que «só quando o homem sonha a obra nasce», o Mundo sem sonho seria um descampado.

 

MEDO: Sentimento de inquietação perante um perigo real ou aparente. Às vezes, temos medo do que somos e do que podemos fazer de nós. Há que vencer todos os medos. Os medos que desde a origem do Mundo transportamos. A angústia é a primeira percepção do nada que somos e valemos, do nada de onde viemos e do tudo onde estamos integrados.

 

INTIMIDADE: Há sempre algo de nós que só a nós pertence. Quem não for capaz de preservá-lo perde resistências, torna-se vulnerável. Não deixar devassar a alma não é manter distância para com os outros. É, por vezes, na altura própria, estar em condições de pôr essas «reservas» ao serviço de si próprio e dos outros. Nada mais doloroso que suportar os que não respeitam a nossa privacidade.

 

FIGURA PÚBLICA MAIS: General Ramalho Eanes. As suas origens, a dignidade com que desempenhou as suas funções como Presidente da República, a sua identificação com o povo de onde emergiu, o papel que desenvolveu em momentos difíceis da vida do nosso País, fizeram com que tenhamos por ele especial consideração. Melhor que ninguém sabia expressar afecto e apreço pelos valores culturais autênticos, portugueses, manifestando por eles, sempre, a sua estima, como o fez na visita que realizou como Chefe de Estado, à minha aldeia. Serviu Portugal. E serve-o hoje com discrição.

 

FIGURA PÚBLICA MENOS: Um autarca da nossa região que não soube nunca compreender o amor dos outros à sua terra e a forma como procuravam servi-la. As terras e as pessoas não valerão mais que os votos? Cada um, porém, como se diz na minha aldeia «é cum santo i u é» (é consoante é).

 

CALENDÁRIO: O tempo e o ser andam a par. Zero tempo é igual a zero ser. Calendarizar é criar condições para fazer nascer as coisas. Deixar algo «para as calendas gregas» é admitir que nunca se fará algo. O tempo tudo faz e tudo devora. Tudo é e deixa de ser, em função do tempo. Ou, como dizia Camilo, «O tempo chega sempre, mas às vezes não chega a tempo». Mas olhar o calendário faz-nos meditar. Existiremos para além do calendário? E se alcançarmos a eternidade, como vamos passar o tempo nela?

 

Autoria e coordenação: Soledade Martinho Costa

In Notícias Magazine/1999

  

N. - Se já apreciava a voz de Isabel Silvestre, a partir deste «inquérito» comecei a apreciar, também, a pessoa maravilhosa que (facilmente) se adivinha debaixo do sorriso pronto e da simplicidade do trato e das palavras. Tornámo-nos amigas. O nosso amor à terra (embora eu seja de Lisboa), aos costumes, às tradições portuguesas, uniu-nos mais. Parece que foi ontem, Isabel, que me visitou na minha casa da aldeia do Bom Velho de Cima – com a reconstrução da casa e a aldeia a servir de pano de fundo para uma tarde de amistoso convívio e agradável conversa!

Agora, alguns recadinhos: liguei há dias para Manhouce, mas estava para Lisboa. Falei com a sua irmã. Recebi o convite para o (re)lançamento do seu livro «Memória de um Povo». Não pude estar presente em Viseu (eu sei, a Isabel veio ao lançamento dos meus…), mas lá estarei, no próximo dia 24 no novo lançamento que terá lugar em Lisboa, para lhe dar os parabéns e um beijinho de muita amizade! Do livro, falarei mais tarde, aqui, no Sarrabal…

S.M.C.

 

                          Grupo Etnográfico Cantares de Manhouce

 

publicado por sarrabal às 00:53
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 12 de Fevereiro de 2011

APRAZAMENTO

 

 

Na fome

De acordar os olhos

Em cada madrugada

Em mim transformo

A sentença do berço

Em ameaça.

 

Não basta

Sentir a paz nos passos.

 

As malas

Estão vazias

O pensamento

Algures

Por arrumar.

 

Não basta

Partir ressuscitada.

 

Confio

Ainda

No tempo de esperar.

 

Soledade Martinho Costa

publicado por sarrabal às 16:08
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.posts recentes

. CERTEZA

. SÃO JOÃO - O SOL E AS PLA...

. PORTUGAL A ARDER - O FOGO...

. HISTORINHA - A ABELHA E O...

. ALGUÉM SE LEMBRA?

. SANTO ANTÓNIO - AS MARCHA...

. CANTO DO VENTO

. ZECA AFONSO

. 23 DE ABRIL - DIA MUNDIAL...

. DEDICATÓRIA

. SEMANA SANTA - O GALO DAS...

. CELEBRAÇÕES DA QUARESMA -...

. CALENDÁRIO - MARÇO

. CARNAVAL - A MÁSCARA

. TODOS OS LUGARES SÃO TEUS

. BOLO-REI - ORIGENS

. A VIAGEM DOS TRÊS REIS MA...

. FELIZ NATAL E BOM NOVO AN...

. OUTROS NATAIS

. UM OLHAR SOBRE A PAISAGEM...

.arquivos

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.links

.Contador

conter12
blogs SAPO