Domingo, 29 de Agosto de 2010

CONVERSA COM VERSOS - MESTRE CASTOR

  

Mestre castor

Quer construir a sua toca.

 

Pé ante pé

Aproximou-se da beira-rio.

Sentou-se um pouco, pôs-se a pensar.

Pensou, pensou e decidiu:

 

- Vou construir a minha toca junto do rio.

É bom lugar: tem água fresca

Folhas de choupo e ricos peixes para pescar!

 

E sem demoras

Como se fosse um arquitecto

Vá de traçar uma planta

Dos alicerces até ao tecto.

 

Depois, com jeito

Igual à arte dos carpinteiros

Ei-lo a serrar e a cortar troncos inteiros.

 

 

Serra que serra

Corta que corta

Coloca aqui

Retira além

Mestre castor

Lá vai, lá vai

Devagarinho

Sem usar pregos

Nem o martelo

Fazendo o ninho

Que até possui

Porta secreta

Como um castelo!

 

Obra acabada

Mestre castor

Pé ante pé

Aproximou-se da beira-rio.

Sentou-se um pouco, pôs-se a pensar.

 

Pensou, pensou, olhou a margem e decidiu:

- Vou construir uma barragem!

 

  

Mestre castor aqui lhe rendo minha homenagem:

Não vi ainda trabalhador com mais coragem!

 

Soledade Martinho Costa

 

Do livro «Um-Dó-Li-Tá»

Ed. Vela Branca

 

                                

publicado por sarrabal às 17:08
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 24 de Agosto de 2010

TRADIÇÕES - O TRAJO DE PAPEL - FOZ DO DOURO

 

 

Singular celebração em honra de São Bartolomeu, tem lugar na Foz do Douro (Porto), onde o santo continua a ser festejado, não apenas com o banho ritual na praia, mas também com o tradicional cortejo de São Bartolomeu – mais conhecido pelo Cortejo do Trajo de Papel.

    

O desfile percorre algumas das ruas da freguesia, com centenas de figurantes, onde as indumentárias de cada um são os famosos trajos em papel de diversas cores, num misto de criatividade, beleza e colorido. Executados com sabedoria, paciência e imaginação, os fatos representam o desejo de não deixar morrer a antiga praxe, mantida até hoje com o mesmo entusiasmo, alegria e empenhamento pelas gentes da Foz. A iniciativa e a realização dos festejos (ao que parece únicos no nosso País), cabem à Junta de Freguesia, conjuntamente com as várias associações e colectividades culturais e de recreio da Foz do Douro.

       

  

Os trajos de papel, que podem ser actuais ou terem por modelo épocas passadas, conforme o gosto e imaginação dos seus autores ou de quem os veste, representam a nota dominante deste inusitado cortejo. O desfile processa-se todos os anos, para terminar no banho colectivo dos participantes e do povo que se lhe junta – este ano na praia da Senhora da Luz. Desta peculiar maneira, o banho santo poderá significar uma oferta ritual, simbolizada nos belos trajos de papel às águas do mar, tendo por objectivo receber os favores de São Bartolomeu, isto é, a profilaxia redentora do banho milagroso que irá livrar de maleitas durante o ano inteiro. Cada uma das associações e colectividades de recreio poderá escolher, anualmente, um tema alusivo, a apresentar depois pelo grupo que a representa no respectivo desfile.

 

Passeio Alegre.

               

O cortejo, que inclui carros alegóricos, sai pela manhã do primeiro domingo mais perto do dia de São Bartolomeu, celebrado a 24 de Agosto (caso este não calhe a um domingo). Este ano a saída está prevista para a Rua do Passeio Alegre – embora noutros anos tenha sido escolhido o Castelo ou Forte de São João Baptista –, sempre com um número incontável de pessoas concentradas no local, acompanhado pela Banda Marcial da Foz, para finalizar no banho santo, com os fatos de papel a serem oferecidos às ondas. 

  

 

A origem da festa, considerada a mais original depois do São João no Porto, é anterior a 1869, sabendo-se que, por esses tempos, era costume acorrerem à Foz ranchos de romeiros para tomarem o banho santo redutor dos «endemoninhados» e profiláctico da epilepsia, da gaguez e do medo.

 

 

Em simultâneo efectua-se uma feira de artesanato (a incluir atribuição de prémios), com a duração de onze dias, a decorrer no Jardim do Passeio Alegre, para «incrementar o artesanato nacional», vendo-se algumas dezenas de artesãos vindos de todo o país, muitos deles a trabalhar ao vivo, embora o certame inclua algum artesanato internacional «sempre creditado pela sua qualidade». 

 

 Jardim do Passeio Alegre.

 

Os visitantes contam-se por milhares, não faltando a animação diurna e nocturna: teatro, música (orquestras, bandas filarmónicas e conjuntos musicais), folclore e desporto, a dar mais brilho e animação aos festejos. Realiza-se também uma missa solene celebrada na Igreja Matriz de São João Baptista.

                   

 

                                Nicho da frontaria da Igreja Matriz de São João Baptista

                                                    

 A crença popular no banho santo, essa continua a persistir entre as gentes da Foz do Douro, quando afirmam que «o banho no dia de São Bartolomeu vale por 24», ou que «têm de ser 7 os mergulhos por cada banho no mar». Não excluindo a ideia de que o número de banhos «deve ser 9» – a lembrar que desde sempre este número corresponde às novenas realizadas nas igrejas, a preceder as festividades litúrgicas.

Assentes em características supersticiosas, de devoção ou crença do povo, ainda hoje se acredita que o banho de mar tomado no dia 24 de Agosto «serve de cura e prevenção contra todo o mal», sendo o malefício do «Moço» (Demo) «exorcizado pela acção da água tornada miraculosa neste dia pela virtude de São Bartolomeu», com os banhos no mar a curarem «o corpo e a mente se forem tomados consoante o preceito» - a testemunhá-lo, lá estão os banhistas no «dia do diabo à solta».

 

 

De acordo com a tradição local e com as histórias que o povo tece, São Bartolomeu foi morto e deitado ao mar, aparecendo o seu corpo nas águas da Foz no dia 24. Daí, a tradição do banho e a veneração as santo, eleito padroeiro dos banheiros.

 

ORAÇÃO A SÃO BARTOLOMEU CONTRA OS MEDOS:

 

São Bartolomeu me disse

Que dormisse

E que velasse

E que nenhum medo tomasse

Nem da onda

Nem da sombra

Nem também do pesadelo

Ele tem a mão furada

E a unha recortada

Quatro cantos tem a casa

Quatro cantos tem o leito

Quatro anjos me acompanhem

Sempre dentro do meu peito.

 

Soledade Martinho Costa

 

 

Do livro «Festas e Tradições Portuguesas», Vol. VI

Ed. Círculo de Leitores

 

 

publicado por sarrabal às 00:48
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 17 de Agosto de 2010

PARABÉNS, NAYARA ALEXANDRA!

 

 

Este post é dedicado à minha neta mais pequenina, a Xana (também conhecida pelo «Cheirinho»), que completa hoje o seu primeiro aniversário! Aqui te deixo, minha «terceira imperatriz», o desejo de que o teu futuro seja uma estrada plana, linda, onde possas caminhar em segurança, com saúde e alegria. Que o dia do teu primeiro aninho traga com ele toda a felicidade do mundo repetida ao longo de muitos e muitos anos, minha querida! Mas quem vai divertir-se mais neste aniversário é, de certeza, a tua mana Soli! Tu ainda és tão pequenina, meu amor…

 

Beijinhos mil da avó Sol

                                                   

 

publicado por sarrabal às 00:24
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|
Domingo, 15 de Agosto de 2010

DORMIÇÃO DA VIRGEM MARIA

 

«Assunção da Virgem Maria», Murillo, Museu Hermitage, São Petersburgo, Rússia.      

 

A morte da Virgem Maria terá ocorrido, supostamente, antes da dispersão dos apóstolos, situando a tradição antiga, quer escrita, quer arqueológica, o seu falecimento no monte Sião, na mesma casa em que Jesus celebrou os Mistérios da Eucaristia e onde se deu a descida do Espírito Santo sobre os apóstolos.

 

A casa foi chamada a primeira Igreja de Santa Maria do Monte Sião. Hoje, numa parte da área que a basílica ocupou, ergue-se a Igreja da Dormição, consagrada em 1910, que se avista de todos os pontos de Jerusalém.

     

Igreja da Dormição, Jerusalém.

 

O sofrimento da Virgem desde a morte de seu Amado Filho, deixara-lhe marcas profundíssimas. Teria cinquenta anos quando Cristo subiu aos Céus e pouco mais de sessenta quando ocorreu a sua morte (a que se dá o nome de Dormição). Sobre esse acontecimento, escreveram São Bernardo e São Francisco de Sales: «…morte que mesmo os anjos desejariam se fossem capazes de morrer.».

 

Desde tempos remotíssimos que a fé universal da Igreja afirma que a Virgem ressuscitou como seu Filho e como ele não permaneceu na Terra, erguida aos Céus à semelhança da graça e privilégio que lhe foram concedidos «antes do parto, no parto e depois do parto», como Mãe de Deus. Ou seja, «que a Imaculada Sempre Virgem Maria, terminado o curso da vida terrena, foi assumpta em corpo e alma à Glória Celeste». Esta solenidade (Assunção da Virgem Santa Maria) advém de uma liturgia local praticada em Jerusalém, introduzida no século VI na liturgia bizantina e depois em Roma, um século mais tarde.

 

Basílica de Santa Maria Maior, Roma

 

A Basílica de Santa Maria Maior, também designada por Basílica Liberiana ou Basílica de Nossa Senhora das Neves, uma das maiores basílicas patriarcais dedicadas à Virgem Maria, situada na colina Esquilino (uma das sete colinas de Roma), divide, até hoje, a opinião dos historiadores. Enquanto uns admitem ter sido construída durante a vigência do papa Sisto III, entre 432 e 440, dedicada ao culto de Maria Mãe de Deus, cujo dogma da Divina Maternidade fora declarado no Concílio de Éfeso (431), outros sustentam que a sua fundação remonta ao pontificado do papa Libério (352-366). Sisto III, durante a sua vigência, tê-la-à dedicado, então, à Virgem Maria depois do Concílio. A Basílica de Santa Maria Maior é considerada o mais antigo e importante templo mariano do Ocidente.

 

A definição dogmática da Assunção Corpórea de Maria ao Céu foi proclamada em 1950.

 

Soledade Martinho Costa

publicado por sarrabal às 02:21
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 8 de Agosto de 2010

CAVALINHO AZUL

Da autoria da minha Amiga Maria Júlia, recebi o poema «Cavalinho Azul».

Com muito gosto o publico aqui, no Sarrabal.

 

Soledade Martinho Costa

Finalmente, ganhaste corpo e forma

E te deixaste materializar

Só nos meus 50 anos

Te posso visualizar

Mas surges como excelso presente.

 

Sempre te pressenti

Desde os castelos de cristal

Das ilhas de coral da minha infância

Fogoso e fugidio eras marinho

Esbelto cavalinho.

 

Pressenti-te depois

Eras o nobre chefe

Do pelotão de cavalaria

Dos meus soldadinhos de chumbo

De aprumada e digna infantaria.

 

Pressenti-te

De azul flamejante

Galgando medonhas fortalezas

Conduzindo garbosos príncipes

Ao doce beijo das suas princesas.

 

Ó cavalinho azul de sonho, quanto te prezo

Quase te toquei na cavalaria austríaca

Junto da imperatriz Sissi

Mas fugiste-me e já não te vi

Nunca mais, desde aí…

 

Só de onde a onde

Vagamente

Te pressenti

Divisando somente a tua silhueta

De azul já esbatido

 

Desmaiou o teu azul

Por algum – tanto! – tempo

Que tempo doentio, tempo lixo

Mas vislumbro-te depois, agora

Como magnífico pássaro.

 

Pássaro de grandes asas azuis

Brilhantes, a reflectir o sol chamejante

Dos meus heróis

Viriato, Isabel, Nuno Álvares, Joana d’Arc, João de Deus

E tantos outros reflexos teus.

 

Passei a viver deslumbrada, extasiada

Não querendo saber de mais nada

A não ser ser transportada

Nas tuas asas azuis

De pássaro de voo plano

 

Pássaro olhando o Mundo e o Humano

E transformar-te, meu perfeito cavalinho

De corpo esbelto e elegante, esvoaçante

Em cavalinho materializado, meu amigo, meu aliado

Meu cavalinho sonhado.

 

És tão azul e tão sublime

Que temo tocar-te e esbater ainda mais a tua cor

Limito-me a ver-te com a reserva de certa distância

Basta-me a certeza

Da tua existência e constância.

 

E tu, corporizado cavalinho

Deixa que te toquem as crianças

Porque essas não te tiram a cor de azul infinito

Leva-as de passeio

A viajar, a sonhar.

 

Não te importes que os adultos

Descrentes

Te não vejam

Às vezes sentem-te, mas teimam em não te ver

Obstinados, doentes.

 

Ó meu cavalinho de Tróia

Ó meu cavalinho helénico

De estratégia vitoriosa

Aceita, abre as portas de par em par

Aos que têm a capacidade de crer

De te ver ou tocar

De sonhar.

 

Maria Júlia Pinheiro

 

 

publicado por sarrabal às 02:37
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 3 de Agosto de 2010

PARABÉNS, TERESINHA!

 

 

Parabéns minha querida neta pelos teus 10 aninhos! Que tenhas um dia muito, muito feliz, aí no Algarve, meu amor. Espero que continues a escrever o primeiro volume da tal série de que me falaste. Para isso, é preciso trabalhar, minha «primeira imperatriz». Aproveita bem o teu tempo, agora que estás de férias. Já sei que tu e o mano têm aulas de surff e que «estão a adorar»! A avó depois quer assistir a uma exibição vossa, combinado?

Envio-te esta foto como prendinha virtual de aniversário. São ou não são uma gracinha estes dois bichanos frente ao televisor?

 

Mil beijinhos e muitas saudades da avó Sol!

publicado por sarrabal às 00:59
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

16
17
18
19
21

23
24
26
27
28
29

30


.posts recentes

. ZECA AFONSO

. 23 DE ABRIL - DIA MUNDIAL...

. DEDICATÓRIA

. SEMANA SANTA - O GALO DAS...

. CELEBRAÇÕES DA QUARESMA -...

. CALENDÁRIO - MARÇO

. CARNAVAL - A MÁSCARA

. TODOS OS LUGARES SÃO TEUS

. BOLO-REI - ORIGENS

. A VIAGEM DOS TRÊS REIS MA...

. FELIZ NATAL E BOM NOVO AN...

. OUTROS NATAIS

. UM OLHAR SOBRE A PAISAGEM...

. OUTRO MILAGRE

. «SEARINHAS» DE NATAL

. COMO SE FOSSE HERODES O M...

. NATAL - AS FOGUEIRAS DO M...

. CALENDÁRIO - DEZEMBRO

. VULTO DE UM PAÍS

. POETAS

.arquivos

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.tags

. todas as tags

.links

.Contador

Site Meter
blogs SAPO