Sábado, 24 de Abril de 2010

LEMBRAR ABRIL

 

 

GAIVOTAS     (1971)

 

No meu país

Igual ao teu país

Onde esvoaçam gaivotas junto ao rio

Asas feitas de mar

Voando ao vento

Sobre o beijo que o Sol pousa nas ondas

Morrem em cada verso mil poetas

Por mil razões caladas do seu povo.

 

País de Sol e sal

País defunto

Onde se alaga em prantos a muralha

E em pleno dia a noite é mais profunda.

 

País irmão do teu

País igual

Aonde chegam turistas com roteiros

À procura de sonhos nos mosteiros

Dos olhos pacientes

Que não partem.

 

País de pranto e fel

País de medo

Silenciado à força de degredo

Onde a palavra se cala e compromete.

 

País irmão do teu

País igual

Onde as gaivotas do rio

Que esvoaçam

Asas nimbadas de teimas e de lutas

Sobre os cascos dos barcos que apodrecem

À noite

No convés

Quando adormecem

Vão sonhando o sal de outras marés

E o voo de novos horizontes.

 

PALAVRAS DE FATO NOVO     (1974)

 

Da sombra da mentira moribunda

Nasceram-nos flores

Aves e frutos

Falamos

Livres

Dos homens e das coisas.

 

E as palavras que escrevo

E que se entregam

A tecerem diferente este poema

Parecem-me meninas buliçosas

Vaidosas por estrearem fato novo.

 

Soledade Martinho Costa

 

Do livro «A Palavra Nua»

publicado por sarrabal às 00:40
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|
Domingo, 18 de Abril de 2010

CONVERSA COM VERSOS - A RESPOSTA DA CORUJA

                                                             

     

 
 
- Oiça, dona Coruja,
diz o pirilampo,
diga-me uma coisa
se não for segredo:
por que é que a senhora
nunca sai de dia?
É porque tem medo
ou é por mania?
 
Responde-lhe a coruja
na sua voz mansa:
 
- Então, por quem é,
senhor Pirilampo,
à sua pergunta
não há quem resista:
não saio de dia
por causa da vista!
 
E no mesmo tom
logo lhe afiança:
 
Mas olhe que embora
saindo à noitinha,
à hora em que todos
dormem descansados,
nem assim me livro
dos mal-educados!
 
 
Soledade Martinho Costa
 
                                                       
 
Do livro «A Festa na Capoeira»
Ed. Vela Branca
 
publicado por sarrabal às 00:40
link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
|
Quinta-feira, 8 de Abril de 2010

SEGREDOS - BADANICO E BADANECA

                                            

              
 
            
 
Quando cheguei ao Bom Velho de Cima, disposta a recuperar a casa em ruínas que adquiri, fui instalar-me numa outra, pertencente a uma amiga, pagando, por insistência minha, uma renda simbólica. A espaços, por lá permaneci longos meses. Além da sala de entrada, a casa tinha dois quartos a darem para um terraço com uma vista magnífica. Dali, podia o nosso olhar percorrer, como numa tela, os vales, os pinhais e o denso arvoredo que circundam a aldeia.
  
Enquanto punha a casa a meu jeito, ia fazendo visitas diárias aos pedreiros e carpinteiros que avançavam na minha obra. Espécie de fiscal atento, para meu bem e aprendizagem de quem para mim trabalhava – fiscalização mais no sentido estético do que técnico, diga-se a verdade. Essa ficava para quem, melhor do que eu, sabia tratar do assunto. Ninguém se melindrava e as minhas correcções e sugestões eram aceites e cumpridas, servindo de diversão. «Lá vem o fiscal da obra!», ouvi várias vezes e achava graça.
 
Pouco depois de instalada na casa da minha amiga, comecei a ver do terraço, aos longe, dois gatos amarelos sentados ou deitados sobre os muros de pedras sobrepostas, que separam terrenos e courelas. Não se mexiam, parecendo duas estátuas de pêlo amarelo, mas de olhar fixo na direcção da casa. Via-os diariamente e comecei a chamá-los, sem que os bichanos se mostrassem interessados. Na posição em que estavam, assim ficavam.
 
Perguntei na aldeia a quem pertenciam os dois gatos: «São do tio Leopoldino, está velhote e foi morar com o filho. Deixou a casa e os gatos. Mas não são dois, são três. Um deles, não sai do quinteiro. Os outros, andam por aí…» – Disseram-me.
 
Um dia em que o tio Leopoldino veio de manhã, muito cedo, como era seu costume, fazer a visita semanal à casa que deixara, aproveitando para dar uma espreitadela à adega e à vinha, meti conversa: «Como é que os seus gatos se alimentam, senhor Leopoldino?» – Pergunta ingénua, a minha. «Ora, minha senhora, de ratos e de pássaros! São bons caçadores. Aquele, ali – e apontou o terceiro gato, para mim até então desconhecido, embora uma réplica dos outros – ia sempre comigo como se fosse um cão. Às vezes, andávamos quilómetros. Os outros, não.». Foi a resposta do tio Leopoldino.
 
O tempo passava e comecei a reparar que os dois gatos encurtavam cada vez mais a distância entre os muros e a casa. Um dia dei com eles no terraço que ficava à entrada da porta. Pensei: «Saltaram o portão e instalaram-se!» À minha aproximação, assustadiços, voltaram a saltar o portão e sumiram-se por entre o tojo. Nesse dia não voltei a vê-los. Insisti, chamei, mas sem resultado. No dia seguinte, coloquei um prato com leite no terraço e aguardei. Quando espreitei, lá estavam os dois. Do leite, nem vestígios.
 
E foi assim que os dois bichanos começaram a fazer parte da casa e do meu quotidiano, sempre que me encontrava no Bom Velho de Cima. Um deles, uma gata, era um bicho grande, bonito, robusto. O outro, tão magro e enfezado que se lhe notavam os ossos sob o pêlo. Comiam e dormiam no terraço e dali não arredavam pata. Sempre que me ausentava da aldeia, notava-lhes a tristeza no olhar, ao dizer-lhes adeus, já dentro do carro. Quando regressava, era uma festa. Na minha ausência, soube depois, os animais não deixavam o terraço – naturalmente, à espera de me verem chegar. Comigo, vinham os mimos e novas ementas, que de ratos e pássaros deviam andar fartos.
 
Numa outra vez, voltei a encontrar o tio Leopoldino: «Então, os meus gatos agora são da senhora! Já sei que se mudaram para casa da Isabelinha (a minha amiga). Ora, não, bom trato, barriga cheia…Bem fazem eles!» Nessa altura fiquei  a saber o nome dos tarecos: Badaneca, a gata-mãe, Badanico, o gato-filho – que o tio Leopoldino também me esclareceu qual o parentesco entre os dois.
 
Analisando o comportamento dos bichanos, até batia certo. A Badaneca, mais «sisuda», sonolenta, comilona. O Badanico, por vezes a brincar com ela e a levar uma sapatada, mas tão magrinho e tão «piqueiro» (como se diz na aldeia), que na comida mal tocava. Badaneca, essa, comia a parte dela e acabava por comer a que o filho deixava.
 
Um dia, para meu desgosto, o Badanico, sem que nada o fizesse prever, apareceu morto no terraço. Nos últimos dias tinha reparado que se agravara a sua magreza, que mal tocava na comida. Mas não imaginei um desfecho assim. Sempre ouvi dizer que «os gatos têm sete foles». Julguei que o ditado fosse verdadeiro.
 
Badaneca, continuou impávida, a fazer as suas sestas no terraço, aninhada no banco corrido, de madeira, seu poiso favorito, e a comer por dois, não parecendo dar pela falta do Badanico.
  
Ainda assim, semanas depois, notei que a Badaneca não estava bem. Sintomas? Falta de apetite, coisa que nela não augurava nada de bom. Ao lembrar-me do Badanico, chamei o veterinário. Um jovem médico que diagnosticou uma pneumonia. Provavelmente, disse, o mesmo que vitimara o Badanico – agravado pelo facto da sua debilidade crónica. Tratamento? Antibióticos em comprimidos, dissolvidos no leite (por vezes, desfeitos e introduzidos à força na boca da Badaneca), e em injecções. Logo nesse dia levou a primeira. O veterinário ficou de voltar até terminar o tratamento.
 
Quando souberam do sucedido, foi um espanto na aldeia. Um médico para um bichano vadio?! Pagar uma consulta, remédios e a vinda do clínico para aplicar as injecções?! Sacrilégio! O veterinário só era chamado quando adoecia uma vaca, um porco, uma ovelha ou uma cabra. Isso, sim! Principalmente, quando os animais estavam para parir e o parto se apresentava complicado.
 
Casos que fui conhecendo bem, por ter presenciado alguns, coisa que me afligia bastante, de nada me servindo apelar para que lhes fosse prestada assistência urgente. Acontecia, por vezes, os animais estarem para dar à luz, sofrendo dias a fio, sendo o veterinário chamado já em último recurso, com o animal em agonia. Se calhava, salvavam-se os dois, se não calhava, morriam os dois ou salvava-se apenas o filho, raramente a mãe. A vida nas aldeias é assim e cada qual sabe da sua. São princípios ancestrais. O trabalho rural é duro, e as pessoas, talvez por isso, não podem dar-se ao luxo de se deixarem emocionar – ou ser piegas.
 
Passados dias, a Badaneca estava «como nova». Voltou-lhe o apetite, por conseguinte, a saúde. Assim tivesse acontecido com o Badanico. Mas aprendi a lição.
 
Entretanto, mudei para a casa nova. A Badaneca não se atrevia a aparecer por causa dos cães, de vigia à aldeia, sempre a rondarem a minha porta e o portão do jardim. Ia regularmente mudar-lhe a água e levar-lhe comida ao quinteiro do tio Leopoldino, para onde a Badaneca voltou. Como a adivinhar que de nada lhe servia agora esperar por mim no terraço da outra casa – onde tinha sido uma gata feliz, assim como o seu filho Badanico. Isto, diria a Badaneca se porventura falasse. Tenho a certeza.
 
Soledade Martinho Costa
 
                                                     
 
publicado por sarrabal às 00:38
link do post | comentar | ver comentários (13) | favorito
|
Sábado, 3 de Abril de 2010

PÁSCOA - PADRINHOS E AFILHADOS

 

 

Simbolicamente, o «folar» continua a representar o presente dos padrinhos aos afilhados, impondo-se como preceito irem estes recebê-lo a casa daqueles no domingo de Páscoa («ir pedir o bolo»). Praxe precedida pela oferta de um ramo de flores, ou amêndoas, dos afilhados aos padrinhos no domingo de Ramos.
  
                         
                                                          Folar
 
Com o decorrer do tempo, a palavra «folar» deixou de pertencer ao seu primitivo significado, isto é, ao bolo cerimonial da quadra pascal, para passar a designar o presente de Páscoa dos padrinhos, expresso por qualquer objecto, roupas, amêndoas ou dinheiro.
 
Substituído, embora, por outros presentes, a obrigação da oferta do «folar» cessa depois da maioridade ou do casamento dos afilhados. Neste caso, o ritual obriga (ou obrigava) a que os afilhados no dia seguinte ao do casamento, levem aos padrinhos a «fatia» (uma fatia de bolo de noz, de chocolate, pão-de-ló ou outro), enquanto os padrinhos oferecem aos afilhados um último «folar» na Páscoa a seguir à boda. Este procedimento continua a verificar-se em muitas localidades do nosso país.
            
                   
                     Pia baptismal do Mosteiro de Leça do Balio, Matosinhos.
 
Menos relevante do que antigamente, o parentesco cerimonial entre padrinhos e afilhados, assume, ainda hoje, aspectos de protecção familiar, determinando que famílias com menores posses assegurem bons padrinhos para os seus filhos, menosprezando, até, os laços do parentesco e da amizade.
 
Outrora, em Nisa (Alto Alentejo), chamava-se à criança «mourinho» antes do baptismo. O nome, de acordo com o preceito, era escolhido pelos padrinhos. Presentemente, e de um modo geral, são os próprios pais a fazer a escolha. O uso obrigava também que os primeiros filhos de um casal tivessem como padrinhos os avós, os tios ou parentes mais próximos. Eram igualmente os padrinhos do baptismo os escolhidos para padrinhos do casamento.
  
               
                                                Vela de baptismo.
 
Os dias preferidos para os baptizados recaíam, por norma, um pouco como hoje, no dia de Natal, no dia de Ano Novo e no domingo de Páscoa. No dia do baptismo, era hábito os padrinhos virem à janela ou à porta para distribuir pelas crianças que ali se juntavam, maçãs, castanhas, nozes e bolos.
 
Actualmente, em Nisa, as crianças continuam a ir «pedir o bolo» a casa dos padrinhos no domingo de Páscoa. Levam uma bolsa própria para este dia, na qual recolhem depois o pão e o bolo. O primeiro, um pão normal, mas de formato grande, feito propositadamente para esta data, o segundo, o chamado «bolo dormido», com uma cruz funda ao centro, marcada com a mão no acto da cozedura, a substituir o antigo «bolo de sementinhas» (anis ou erva-doce).
 
A bolsa, passada em muitas famílias de geração em geração, é feita com pedacinhos de damasco (sobras de colchas), leva um folho de organdi em volta e um cordão de seda para apertar. Nas casas mais pobres, em vez de seda, eram utilizados quadradinhos de pano. Quem a não tem, chega a pedi-la emprestada, para que os filhos possam cumprir a tradição
           
                       
                                                         
                                                Trouxas de ovos
  
Em Beja (Baixo Alentejo) era uso os padrinhos, na festa do baptismo, oferecerem um prato com «trouxas-de-ovos» e outro com doce de gila e fios de ovos, constituindo a oferta «um doce de rigor nestas ocasiões».
 
                             
                                             «Bolo Ferradura»
 
Nos arredores de Idanha-a-Nova (Beira Baixa), o «folar dos padrinhos» continua a ser simbolizado por um bolo em forma de ferradura, untado por cima com azeite para «ficar bonito e brilhante».
            
            
 
Na serra de Arga (Caminha, Minho), antigamente, no dia do baptizado, deixava-se o lume aceso toda a noite e pregava-se («serrava-se», no dizer local) um prego no chão da cozinha «para ali nunca se entornar vinho», sinal de mau augúrio. Guiados por velhas superstições, competia à mãe acender uma candeia e fazer no chão uma cruz com milho painço (miúdo) «para que as «meigas» (bruxas) não atormentassem o filho até ao dia do baptismo». Enquanto não chegasse esse dia, as pessoas da casa não podiam dar esmola a ninguém.
 
Na mesma localidade (onde as crianças continuam a ser baptizadas apenas ao domingo), na altura do banho molhavam os dedos na água, colocavam-nos junto da boca da criança e diziam o salmo: «um bocadinho de água para o meu menino beber, outro bocadinho para o meu menino crescer, outro bocadinho para o meu menino falar, para chamar pelo pai, pela mãe, pelo padrinho, pela madrinha e por toda a gentinha».
                 
               
                         «Madona Solly», Rafael, Gemaldegalerie, Berlim.
 
Esta prática andará associada à tradição de que a Sagrada Família, ao regressar a Israel e ao chegar a Belém, terá tido conhecimento da peste que grassava por lá e que atacava os olhos das crianças. Os pais levavam então os filhos a Maria. A Virgem dava-lhes a beber um pouco da água onde o Menino tinha tomado banho e as crianças ficavam curadas. Daí, talvez o antigo uso no Algarve de darem a beber às crianças a água que servira ao banho «para que o mal não entrasse no seu corpo».
 
Na freguesia de Mar (Esposende, Minho) era costume as mães só entrarem na igreja depois do baptizado do filho, a lembrar os antigos ritos de purificação. Ainda ali, ao saírem da igreja, enquanto os sinos repicavam festivamente, os padrinhos ofereciam guloseimas à garotada que os esperava no adro, fazendo o mesmo depois, ao longo do percurso até à casa dos pais do recém-baptizado.
                                                                    
Soledade Martinho Costa
  
                                                
                                                                                                   
Do livro «Festas e Tradições Portuguesas». Vol. III
Ed. Círculo de Leitores
 
publicado por sarrabal às 15:30
link do post | comentar | ver comentários (6) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

12
13
15
16
17

20
21
22
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. SÃO JOÃO - O SOL E AS PLA...

. PORTUGAL A ARDER - O FOGO...

. HISTORINHA - A ABELHA E O...

. ALGUÉM SE LEMBRA?

. SANTO ANTÓNIO - AS MARCHA...

. CANTO DO VENTO

. ZECA AFONSO

. 23 DE ABRIL - DIA MUNDIAL...

. DEDICATÓRIA

. SEMANA SANTA - O GALO DAS...

. CELEBRAÇÕES DA QUARESMA -...

. CALENDÁRIO - MARÇO

. CARNAVAL - A MÁSCARA

. TODOS OS LUGARES SÃO TEUS

. BOLO-REI - ORIGENS

. A VIAGEM DOS TRÊS REIS MA...

. FELIZ NATAL E BOM NOVO AN...

. OUTROS NATAIS

. UM OLHAR SOBRE A PAISAGEM...

. OUTRO MILAGRE

.arquivos

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.tags

. todas as tags

.links

.Contador

Site Meter
blogs SAPO