Sexta-feira, 29 de Fevereiro de 2008

CORADINHA

 
   
 
Era uma moça
Trigueira
Miudinha
Que um dia vi
Debruçada na janela.
 
Passei na rua
E atrevi-me cá de baixo
Cumprimentei-a
Erguendo o rosto para ela.
 
Não respondeu
A fingir que não me ouviu
Voltou a cara
Mas pareceu-me que corou.
 
Então, à noite
Perguntei ao meu avô
Quem era aquela
Menina tão bonita
 
Ele sorriu
E sem rodeios revelou
Ser ela a neta
Da mulher que mais amou.
 
Pois pode crer
Respondi de imediato
Que essa menina
Debruçada na janela
I’nda algum dia
É sua neta de verdade
Se o meu destino
For o de casar com ela.
 
E agora passo
A vida naquela rua
Defronte à casa
Que me esconde o vulto dela
A ver se a moça
Trigueira
Miudinha
Volta de novo
A debruçar-se na janela.
 
Letra: Soledade Martinho Costa
Música e interpretação: José da Câmara
(Do álbum “Noitadas”)
 
publicado por sarrabal às 20:16
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 28 de Fevereiro de 2008

UM OLHAR SOBRE A PAISAGEM - O SOL

 
 
O Sol começou agora mesmo a levantar-se. Primeiro, a bocejar por entre os lençóis de neblina com que se tapa. No Inverno, levanta-se mais tarde. Ou recusa-se, mesmo, a levantar-se. A debruçar-se, por pouco tempo que seja, lá em cima, à janela da sua casa.
E a terra fica mais fria sem o calor dos seus raios. E menos alegre sem a claridade do seu esplendor. Mas o Sol, talvez para se fazer mais desejado, esconde-se atrás do reposteiro cor de cinza que veste a abóbada do céu. E não se mostra, o maroto. Não dá sinal de si. Não se vê rasto dele. Às vezes, entretém-se a pregar destas partidas dias e dias a fio. Ainda que saiba muito bem a falta que faz.
As aves queixam-se:
- Sem o Sol tiritamos de frio.
Os homens dizem:
- Quem dera que o Sol desponte.
A terra pede:
- Anda, meu amigo. Vem até mim que morro de saudades. Bem sabes que sem ti não sou ninguém…
É nesta altura que o Sol não resiste mais e aparece. Feliz por se saber amado mostra-se lá em cima. E retribui à terra a sua prova de amor com o beijo mais dourado dos seus raios.
 
Soledade Martinho Costa
 
  
Do livro “Histórias que o Inverno me Contou”
Ed. Publicações Europa-América
 
publicado por sarrabal às 22:37
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 25 de Fevereiro de 2008

LUÍS REPRESAS

  
Da música
Às palavras do poema
Há um caminho oculto
Onde se esconde
A alma
E o pulsar do coração.
 
Só depois vem o rigor
O fio-de-prumo
Testar a voz
A viola
E a canção.
 
Soledade Martinho Costa        
Do livro “O Nome dos Poemas”
 
publicado por sarrabal às 01:07
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 23 de Fevereiro de 2008

HISTORINHAS - O PARDAL E A GEADA

 

 

- Quem será o primeiro? O mais afoito? Qual dos meus vizinhos e companheiros se atreverá a pôr a cabeça fora do ninho ou do buraco onde se recolhe? Quem terá coragem de convidar-se para um passeio nesta manhã tão fria? – Interroga-se o pardal, ainda sonolento, a espreitar, pousado sobre o beirado onde faz a sua casa.

- Se não fosse a Geada – chilra um pouco mais desperto –, era eu o primeiro a tomar o pequeno-almoço. Mas, assim…Brrrrrr! Com este frio! – E acomoda-se de novo no casaco de penas que lhe veste o corpo.
 
- Ora, não querem lá ver, o mal-agradecido! – Resmunga a geada ao ouvir o chilreio do pardal. – A queixar-se do frio…E eu, que culpa tenho disso? Acaso não cheguei na altura própria? Não estamos no Inverno? Então, o que quer que lhe faça? Se calhar do Vento, da Chuva e do Pedraço não se queixa ele. E olha que são sempre pontuais nesta época do ano. Além de serem muito mais fortes do que eu. Só não vê, o ingrato do Pardal, como me afadigo a enfeitar com teias de cristal estes campos sem fim… – amua a geada, suspiro branco na manhã mal desperta.
 
O que a geada não disse, por se ter esquecido ou por acanhamento, é que o seu corpo, feito de pequeninas gotas de orvalho, que congelam quando a temperatura desce, embora belo, não é benéfico. Porquê? Porque também ela é forte, apesar da sua leveza. Tão forte, que a formação dos seus cristais de gelo, tem a força do fogo. Por isso, queima o cetim das flores e as plantas que lhe servem de pouso.
 
Soledade Martinho Costa
                                                         
                                                     
  
Do livro “Histórias que o Inverno me Contou”
Ed. Publicações Europa-América
publicado por sarrabal às 18:28
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 22 de Fevereiro de 2008

DOM VICENTE DA CÂMARA

 
Se a mágoa não sente pena
Nem carinho por ninguém
Agarra-se uma viola
Uma guitarra também
Solta-se a voz
E num fado
Deixa-se a alma falar
Cantando
As mágoas que tem.
 
 
Soledade Martinho Costa
 
Do livro “O Nome dos Poemas”
 
publicado por sarrabal às 11:56
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 18 de Fevereiro de 2008

ABRE-LATAS - OS SAPATOS

 
Seguia eu por um dos passeios da Avenida Estados Unidos da América, quando o meu olhar me conduziu até à criança que se encontrava sentada no degrau da porta de um prédio daquela artéria.
Franzina, loirita, encolhida sobre si mesma, a saia puxada, a tapar-lhe os joelhos até aos pés. Pareceu-me que chorava. A seu lado, dois sacos de plástico com qualquer coisa dentro.
Avancei na sua direcção até ficar junto dela. Não se mexeu nem levantou os olhos. Chorava, confirmei. Falei baixo, um pouco a medo:
- O que foi, estás a chorar?
- Não vê que não!? – Respondeu, meio trocista, meio a precisar de ser consolada.
- Claro que estás a chorar. Mas porquê, queres dizer-me?
- Por isto! – Levantou um pouco a saia e atirou ao ar, com a ponta do pé, um sapato, que voou dois palmos até aterrar, deitado de lado, no empedrado do passeio.
- Por causa deste sapato? – Indaguei, curiosa.
- Então, não percebe? – Mostrou o outro pé, ainda calçado, levantando um pouco mais a saia. – Não percebe que não posso dar um passo com isto calçado? Que estou sempre a cair!? – E atirou, num gesto gémeo, o outro sapato ao ar.
- Tens razão. – Concordei. – São sapatos de senhora e de salto muito alto. Não tens outros? – Indaguei, embora consciente da ingenuidade da pergunta.
- Ora, ora. - Bateu, em ritmo acelerado, com os pés descalços sobre as pedras. – Acha que sim? Vê-se logo…
As lágrimas foi-as enxugando às costas da mão e o ranho à manga da camisolita barata.
- Bem, conta-me lá essa história para eu perceber…
- Foi assim. Eu vendo cabides de plástico. Estão aqui. – Apontou um dos dois sacos, junto dela. – E lembrei-me de ir às portas, porque não tenho vendido nada. Foi num prédio, ali em baixo. Toquei a uma campainha qualquer e abriram a porta. Havia elevador, mas eu subi as escadas. Estava escuro e tive um bocado de medo. Depois, toquei a uma campainha. Está a perceber? – Interrompeu, de súbito, a olhar-me interrogativa.
- Perfeitamente. – Respondi, interessada no desenrolar da história.
- Ainda bem. – Continuou: - Veio uma senhora e eu perguntei se queria comprar cabides. Não respondeu, mas disse: espera aí. Fechou a porta e eu fiquei ali, à espera, e já estava arrependida. Depois a senhora veio outra vez e entregou-me esse saco. – Apontou para o segundo saco de plástico. – Toma, disse ela. E fechou a porta. Saí do prédio e espreitei para dentro do saco. Queria saber o que é que ela me tinha dado.
Chegada a este ponto da descrição do acontecido, levanta-se, agarra no saco e despeja no passeio outro par de sapatos.
- Foi isto o que ela me deu! Estes e esses. – Aponta com o dedo, outra vez, agora para o primeiro par de sapatos acrobatas.
- Mas sabe – prossegue com um sorriso maroto –, à primeira impressão até achei giros. Tinha uns sapatos velhos, encostei-os lá a um canto, e calcei aqueles. – Voltou a apontar o primeiro par de sapatos. – O pior, é que conforme vim andando, vim sempre a tropeçar e a torcer os pés até chegar aqui. Não quero mais esta porcaria! – Vociferou, desta vez.
Não sabia o que dizer, nem que solução dar ao problema. Arrisquei:
- Se calhar, é melhor ires buscar os teus sapatos velhos…
- É o que vou fazer e já. A senhora toma conta disto?
“Isto”, eram os sapatos e os cabides dentro do saco.
E já numa corrida:
- Vamos lá ver é se ainda lá estão!
Fiquei a olhá-la, descalça, numa corrida lesta, por entre quem se cruzava com ela, até que a perdi de vista. Não tinha grande pressa e aguardei. Estupidamente, eu sei, dei por mim a pensar quanto seria bom os sapatos velhos não terem saído do lugar onde a garota os deixara.
A espera não foi demorada. Ei-la, arfante e vitoriosa a meu lado.
- Felizmente, ainda lá estavam. Não mos levaram! – E olhava para os pés onde, gastos, sujos e rotos, se mostrava um par de sapatos, dos quais nem suspeitas da cor primitiva.
“Felizmente, ainda lá estavam”, repeti a frase para comigo. "Quem os quereria?", interroguei-me.
- Então, está tudo resolvido. – Disse.
- Não, não. – O dedinho levantado, fazia a rotação dos ponteiros do relógio.
- Não!? – Repeti.
Desembaraçada, começou a enfiar os dois pares de sapatos no saco de plástico. Ajudei-a na tarefa.
- Agora, vou pô-los à porta da senhora que mos deu. Toco numa campainha qualquer da porta da rua. Só para entrar. Mas não toco à campainha da porta dela. Vou deixar o saco no tapete.
- Acho bem. – Respondi, a concordar com a ideia. E acrescentei:
- Já reparaste que estamos aqui há imenso tempo e ainda não me disseste o teu nome, nem quantos anos tens?
Saiu-me a frase tão repentinamente, que não tive tempo de travar a pergunta, tão inútil a achei depois.
- Chamo-me Gisela e tenho dez anos.
- Eu sou Eduarda, mas tenho mais anos. – Rimos as duas.
O vento, na sua insistência, acabara por soltar o saco onde a Gisela guardava os cabides. Tentei apanhá-lo, sem sucesso.
- Não faz mal, deixe-o ir. Prefiro vender os cabides sem saco. Os fregueses vêem melhor…
E correu, agora sem cair, passeio acima.
Fiquei com duas palavras escritas na frente dos meus olhos. Quando ajudei a Gisela a apanhar os sapatos, novos, bonitos, modernos, li neles um nome. A assinatura de quem os concebeu. Era esse nome, bem calçado, que dançava, uma dança sem sentido na frente dos meus olhos: Ana Salazar. 
 
Soledade Martinho Costa
 
 
                                        " Par de Sapatos ", Van Gogh
publicado por sarrabal às 19:36
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

A TERRA VOLTA A FLORIR

Rio Tejo, lezírias 
     
 
Porque o Tejo
Mora à porta
Das terras do Ribatejo
Na ânsia de lhe querer tanto
Galga as margens
Estende o manto
Inunda a terra num beijo.
 
E são promessas que oferece
Quando a lezíria parece
Ser o Tejo por inteiro.
 
Porque o Tejo
Mora à porta
Do povo que lhe quer bem
Dá-lhe a riqueza que vem
Da terra
Porque lhe basta
Cumprir Invernos
Que gasta
Para tornar a florir
A semente que se abrir
Pelos campos
Que a água arrasta.
 
Soledade Martinho Costa
publicado por sarrabal às 14:22
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 17 de Fevereiro de 2008

RITA FERRO

 
Há heranças
Que resistem
E definem
O poder
Ou a Arte
Ou a coragem.
 
Mas se tudo
Se repete
Nas veias de quem fica
Sublime brilha a estirpe.
 
Embora pese a mágoa
Da saudade por quem parte.  
 
Soledade Martinho Costa
 
Do livro “O Nome dos Poemas”
publicado por sarrabal às 22:10
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 16 de Fevereiro de 2008

UM OLHAR SOBRE A PAISAGEM - NO INVERNO O CAMPO

 
Vizela, Braga
 
Os campos alargam-se até onde o olhar alcança. Lindos, lindos sempre, mesmo no Inverno. Mesmo que a maior parte das árvores e dos arbustos se encontre despida de folhas.
 
Para acolher as aves e outros bichos que precisam de guarida durante a estação mais fria do ano, lá estão as plantas e as árvores de folha perene prontas a serem a casa, o agasalho daqueles que procuram abrigo. Enquanto isso, a terra dorme um sono descansado. E sonha. Sonho após sonho, sonha que os meses frios vão passar depressa e ela há-de voltar a vestir-se de verde. A florir. A ser fecunda. E prepara-se.
 
Aconchega a si as sementes que hão-de despontar e ser, por sua vez, planta, flor e fruto. Aconchega-as bem. De encontro a si. Com o jeito de quem sabe e a ternura de quem ama. Como se as sementes à sua guarda e protecção fossem meninos a dormir um sono no regaço de sua mãe.
 
Carinhosa, a terra. E mãos-largas. Pronta a dar tudo quanto tem.
 
Soledade Martinho Costa
 
Do livro “Histórias que o Inverno me Contou”
Ed. Publicações Europa-América
publicado por sarrabal às 19:52
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 14 de Fevereiro de 2008

APENAS PARA DIZER-TE...

" Rapto de Psique ", William-Adolphe Bouguereau
 
Hoje
Para provar-te
Apenas
Que te amo
Poderia voar pelo céu além
E cobrir de estrelas os meus dedos.
 
Poderia
Dar-te o cântico dos anjos
Iluminar-te a noite mais escura.
 
Pedir
Que o vento soletrasse
As letras que fazem o teu nome.
 
Poderia
Lançar-me sobre o fogo
Descer
À cratera mais profunda
Ou transformar-me
Em água cristalina.
 
Poderia
Ainda
Deixar que a morte me vestisse
De treva e neblina
Para provar-te
Apenas
Que te amo.
 
Soledade Martinho Costa
 
Do livro “Reduto”
 
publicado por sarrabal às 15:20
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. CALENDÁRIO - OUTUBRO

. 1 DE OUTUBRO - DIA MUNDIA...

. «O NOME DOS POEMAS»

. HISTORINHA - O MOCHO E A ...

. A CONTRACAPA DE «O NOME D...

. O MEU NOVO LIVRO «O NOME ...

. A VOZ DO VENTO CHAMA PELO...

. ALGUMA COISA ACONTECE

. HISTORINHA - A TOUPEIRA E...

. CALENDÁRIO - AGOSTO

. LEMBRAR AMÁLIA

. PARABÉNS SARRABAL - E VÃO...

. CERTEZA

. SÃO JOÃO - O SOL E AS PLA...

. PORTUGAL A ARDER - O FOGO...

. HISTORINHA - A ABELHA E O...

. ALGUÉM SE LEMBRA?

. SANTO ANTÓNIO - AS MARCHA...

. CANTO DO VENTO

. ZECA AFONSO

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.links

.Contador

conter12
blogs SAPO