Sábado, 29 de Setembro de 2007

CELEBRAÇÃO DOS ARCANJOS SÃO MIGUEL, SÃO GABRIEL E SÃO RAFAEL

 
Hoje, dia 29 de Setembro, celebra a Igreja Católica os três Arcanjos: São Miguel, São Gabriel e São Rafael.
 
São Miguel, reconhecido, liturgicamente, como o principal Arcanjo, é considerado o padroeiro e protector da Igreja Católica Universal. Durante oitenta anos por imposição (e autoria) do papa João XIII, rogou-se, no final da missa, a São Miguel, pelo “combate contra Satanás e os outros espíritos malignos que vagueiam pelo Mundo para perdição das almas”, oração retirada quando da reforma litúrgica, por volta de 1960. Contudo, ainda hoje mantida em certos actos da Igreja.
 
Chefe dos exércitos celestiais, da milícia celeste ou dos exércitos de luz, São Miguel Arcanjo é o anjo da Paz, do Arrependimento e da Justiça, citado na bíblia como “o grande Príncipe que defende os filhos do povo de Deus”. Ainda na bíblia pode ler-se que “ houve uma grande batalha no céu e que o Arcanjo São Miguel e os seus anjos lutaram contra Satanás e as suas legiões, que foram derrotados, banidos dos céus e atirados para a Terra”. Lê-se também que o Arcanjo Miguel enfrentou o diabo e disse: «Que o Senhor te repreenda». Daí, São Miguel Arcanjo ser representado, iconograficamente, a atacar o dragão infernal. É São Miguel que nos defende e protege, com o grande poder que Deus lhe concedeu, contra os Perigos, as Forças do Mal e os Inimigos.
 
Primeiro raio de Deus, o raio da Protecção, da Perfeição e da Vontade de Deus, São Miguel Arcanjo é, igualmente, o Arcanjo da Libertação. O seu nome traduzido liturgicamente será: «Quem é como Deus», ou «Quem é semelhante a Deus» ou ainda «Aquele que é como Deus».  Sinónimo de vindimas e de colheitas, São Miguel Arcanjo tem ainda a função de guiar e conduzir as almas para o céu, depois de tê-las pesado na balança da Justiça Divina.
 
Na hierarquia divina os arcanjos estão acima dos anjos, possuindo grandes poderes. São os arcanjos que transmitem as mensagens divinas, protegendo, principalmente, os médicos e as pessoas ligadas à área da saúde. Líder dos exércitos celestiais, alguns entendidos afirmam ser São Miguel o único a ter a designação de Arcanjo. Embora assim, nessa hierarquia, os arcanjos são sete. Seguem-se São Gabriel, São Rafael, São Jofiel, São Samuel, São Uriel e São Ezequiel. 
 
 
O Arcanjo São Gabriel – cujo nome significa «Aquele que está diante de Deus» – citado várias vezes na Bíblia Sagrada, anunciou a vinda do Redentor e o nascimento de São João Baptista, o Precursor. Juntamente com os seus anjos dão aos homens Sabedoria e Compreensão. São ainda os mensageiros das Boas Notícias.
 
 
O Arcanjo São Rafael – chamado «Medicina de Deus» ou «Deus cura» – tem a seu cargo ajudar na cura dos doentes, sendo o guardião da saúde física e espiritual dos seres humanos. Os três Arcanjos, São Miguel, São Gabriel e São Rafael representam o símbolo do Poder, da Fidelidade e a Glória dos Anjos.
 
 
 
Soledade Martinho Costa
 
 
publicado por sarrabal às 00:31
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 28 de Setembro de 2007

ORIGENS

 
Sou feita de seivas
De geadas e matos
De aves e manhãs
Pedras e regatos.
 
Sou fruto das flores
Safões dos pastores
Água dos cantis.
 
Sou lume ateado
Seara de espigas
Sou pão amassado
Lágrimas, cantigas.
 
Sou mel e orvalho
Sou sede e calor
Sou do milho o malho
Sou a hora do amor.
 
Sou o povo que reza
Sou o Sol a nascer
Sou enxada que pesa
Sou o trigo a crescer.
 
Sou o pisar da uva
Sou o corpo cansado
Sou o canto da chuva
Sou o estrume e o arado.
 
Sou barco parado
Sobre ondas de pranto
Sou o sangue que corre
Nas veias do vento.
 
Sou feita de estrelas
De sal e marés
De limos e algas
Tormenta e convés.
 
Sou sopro de brisa
Saudade, cadência
Vulto de um País.
 
Soledade Martinho Costa
 
Do livro “Reduto”
 
             
publicado por sarrabal às 01:01
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 27 de Setembro de 2007

HISTORINHAS - A ABELHA E A FORMIGA

 
Batem três badaladas na torre da igreja.
- Que tarde já, e eu tão atrasada! – lamenta-se a formiga, a arrastar um cestinho por um carreiro ao longo da relva.
Uma abelha, que segue rumo à colmeia, ao ouvir o seu desabafo, pousa sobre uma flor.
- E onde vai de passeio? Qual é a pressa? Posso ajudá-la, dona Formiga? – pergunta, prestável e intrigada, ante aquela força num corpo tão pequenino.
- Não preciso, dona Abelha, obrigada! Vou perto. A casa da Cigarra, levar-lhe esta encomenda. Começou o Outono, sabe, e qualquer dia meto-me na minha despensa. Depois vem o frio e a geada e ainda é pior. Enfim, é a Natureza…E, aqui para nós, coitada da Cigarra; nada tem. Mas canta. Canta tão bem! E ajuda-me a trabalhar com a sua cantoria. Se não fosse a Cigarra, os meus dias eram menos felizes. Bem merece que reparta com ela o que guardei, se ela comigo divide a sua alegria…
E lá seguem ambas. A formiga: truz! truz! que havia chegado a casa da cigarra. A abelha, a caminho do cortiço.
 
Soledade Martinho Costa
 
Do livro “Histórias que o Outono me Contou”
Ed. Publicações Europa-América
 
publicado por sarrabal às 23:58
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 26 de Setembro de 2007

FERNANDO CARVALHO RODRIGUES

 
Dos oceanos desvendar segredos
Escalar montanhas
Conquistar desertos.
 
Fazer da vida rumo
Descoberta.
 
Prender em cada passo
Um novo Mundo
Lançar no espaço o sonho
Em mão aberta.
 
Soledade Martinho Costa
 
Do livro “O Nome dos Poemas”
 
publicado por sarrabal às 01:33
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 25 de Setembro de 2007

A ESTÁTUA

"Apolo e Dafne", Gian Lorenzo Bernini, Galleria Borghese, Roma.
 
 
Se eu soubesse esculpir a pedra bruta
Retalhava nela a tua imagem.
 
Os vincos do teu rosto
Cada sombra
O teu cismar de monge magoado
O contorno subtil da tua boca
As tuas mãos nodosas e profundas
Onde sonhos e lutas enrugaste.
 
Pudesse a tua imagem ser a arte
Que se venera
Se sente
Se admira
E muito embora de pedra
A tua fronte
Ao tocá-la
O Homem se escutasse
A chamar brandamente pelo teu nome.
 
Soledade Martinho Costa
 
Do livro “A Palavra Nua”
Ed. Vela Branca
publicado por sarrabal às 21:55
link do post | comentar | favorito
|

FILIPE LA FÉRIA

 
 
A vida
Toda ela
Se constrói dia após dia.
 
Mais cheia
Mais audaz
Ou mais vazia.
Tudo depende
De se ser capaz.
 
Que não se diga
Ser só
Obra da estrela que nos guia.
 
Merecer
É lutar por aquilo que se faz.
 
Soledade Martinho Costa
 
Do livro “O Nome dos Poemas”
publicado por sarrabal às 00:53
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 23 de Setembro de 2007

FIAR A SOLIDÃO

  
 
São a roca
E o fuso
Em tuas mãos
A tecerem o nome
À solidão
Que come o pão
Contigo
À tua mesa.
 
São a roca
E o fuso
Nos teus dedos
A tecerem o linho
Da tristeza.
 
Foram caminhos
Feitos de caruma
Foram rebanhos
Tocados por varinha
Foi a brasa do forno
A cozer broa
Foi o cheiro às estevas
No teu corpo.
 
Já nada se repete
Ou se adivinha
Já nada te consome
Ou te magoa.
 
Fiandeira
Dos dias que te sobram
Olhos postos
Aos pés do abandono.
 
Na tua cama o sono
Rés ao sonho
Sem que o Inverno traga
A Primavera
Quando as cegonhas partem
No Outono.
 
Soledade Martinho Costa
publicado por sarrabal às 17:44
link do post | comentar | favorito
|

BORDA-D'ÁGUA - O OUTONO

  
" Guardando o Rebanho ", António Carvalho da Silva Porto, Museu Nacional de Soares dos Reis, Porto.
 
 
O lusco-fusco instala-se na aldeia. Batem novas badaladas no relógio da capela. Os homens e as mulheres regressam da faina do campo.
 
Das chaminés, começa a sair o fumo que anuncia a ceia. Os pastores chegam com os seus rebanhos e encaminham-se para o redil. Amanhã será um outro dia de trabalho. Agora, é preciso comer e repousar. E que bem sabe a sopa, a broa, o queijo e as azeitonas!
 
Mas as tarefas lá estão, do lado de fora das paredes que os abrigam, à espera das mãos, dos braços, do esforço e do suor. Porque a terra precisa de amanho, as árvores de cuidados, as plantas e os animais do zelo que os fará medrar.
 
E enquanto os filhos já dormem, os homens e as mulheres falam dos afazeres que os aguardam durante os meses do Outono: do lavrar da terra para nela semearem o trigo e a cevada; do mel e da cera que terão de recolher das colmeias; do cortar das canas e dos ramos secos e apodrecidos das árvores; do feno, na altura de ser guardado, para servir de sustento ao gado no Inverno; da apanha da castanha, das amêndoas, das avelãs e das nozes; dos vinhos, na fase de serem vigiados nas adegas: da horta, onde irão semear as couves, as ervilhas e as favas; dos cravos, dos goivos e da alfazema que vão semear e plantar nos canteiros, para alegrar e perfumar a entrada das casas.
 
Enquanto a noite cai, a praia, longe, longe, faz chegar até à aldeia o som do marulhar das ondas. Como se o mar gritasse lá do fundo: «Também aqui as tarefas não acabam mais…Lembrem-se, salgado como eu, é o esforço e o suor dos pescadores!».
 
Soledade Martinho Costa
 
   
Do livro “Histórias que o Outono me Contou”
Ed. Publicações Europa-América
publicado por sarrabal às 17:36
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 22 de Setembro de 2007

SAUDADE

 
Um dia, eu sei
Hei-de sentir saudades
Saudades da vossa turbulência de crianças
Aonde a traquinice e a bondade
Se moldam ao sabor da vossa infância.
 
A dar-me conta de vos ver crescer
A ti feita mulher
A ti um homem
Vos vou perdendo de mim em cada hora
A cada descoberta
A cada esperança.
 
E a saudade virá
Eu já a sinto
Na lágrima
No gesto
Na palavra
Em cada frase
Em cada movimento.
 
E chorarei de pena e de saudade
As esferas
Os berlindes coloridos
A boneca que espera sobre a cama
A ternura de um beijo de menina.
 
E chorarei de pena e de saudade
As nódoas
Os rasgões nas camisolas
As histórias que por vezes vos contava
As mãos sujas de terra e de poeira
A hora de acordar-vos para a escola
Os joelhos esfolados sobre as pedras
As gargalhadas
O choro
As brincadeiras.
 
E a saudade virá
Eu já a sinto
Na forma de brinquedo ou de criança
Como se fora sonho onde amanheça
A força de uma imagem prisioneira
De um beijo
De uma flor
De uma distância.
 
Soledade Martinho Costa
 
Do livro “A Palavra Nua”
Ed. Vela Branca
publicado por sarrabal às 02:00
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 21 de Setembro de 2007

SIMONE DE OLIVEIRA

 
 
 
A mais das vezes
Longe se alcança
O que se tem.
 
Distância e querer
Se faz destino.
 
Mas a vida é também
Paixão
Poema
Estrada onde se lê
E escrevem sinas.
 
Em ti
É tempestade
É fogo aceso
Na língua que é a tua
E que dominas.
 
Soledade Martinho Costa
 
Do livro “O Nome dos Poemas”
 
publicado por sarrabal às 02:47
link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
13
14
15

16
17
18
19
21

23
24
25
26
27
28
29

30


.posts recentes

. 23 DE ABRIL - DIA MUNDIAL...

. DEDICATÓRIA

. SEMANA SANTA - O GALO DAS...

. CELEBRAÇÕES DA QUARESMA -...

. CALENDÁRIO - MARÇO

. CARNAVAL - A MÁSCARA

. TODOS OS LUGARES SÃO TEUS

. BOLO-REI - ORIGENS

. A VIAGEM DOS TRÊS REIS MA...

. FELIZ NATAL E BOM NOVO AN...

. OUTROS NATAIS

. UM OLHAR SOBRE A PAISAGEM...

. OUTRO MILAGRE

. «SEARINHAS» DE NATAL

. COMO SE FOSSE HERODES O M...

. NATAL - AS FOGUEIRAS DO M...

. CALENDÁRIO - DEZEMBRO

. VULTO DE UM PAÍS

. POETAS

. CALENDÁRIO - SETEMBRO

.arquivos

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.tags

. todas as tags

.links

.Contador

Site Meter
blogs SAPO