Sexta-feira, 31 de Agosto de 2007

EUNICE MUÑOZ

 

Actriz

É habitar um palco.
 
Ser Fédora
Ou Zerlina
A Castro
A Mãe Coragem.
 
Aquela
Que por dom das musas
Ou de Talma
Consegue ser da Arte
A própria imagem
Ou a Arte
Ela própria
Em corpo e alma.
 
Soledade Martinho Costa
 
(Do livro “O Nome dos Poemas”)
publicado por sarrabal às 00:58
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 30 de Agosto de 2007

SOLIDÃO

 
No momento exacto
Chegou a tua mão estendida
Coberta de silêncio
A repetir no gesto
O brilho
Que têm as estrelas.
 
Chamei e ecoou em ti
O grito
Irmã desconhecida.
 
Afinal
Há fendas
No muro de granito
E há mãos
Sem grades nas janelas.
 
Soledade Martinho Costa
 
(Do livro “Reduto”)
 
 
publicado por sarrabal às 23:47
link do post | comentar | favorito
|

COMEÇO

 
 
 
Meu pequenino
Estudante aplicado
Meu dedinhos de tinta
Sempre debruçado
No livro de leitura
E no ditado.
 
Meu homenzinho
De mochila e de calção
Minha carinha de Sol
Enamorado
Da cor dos lápis
Da caixa de cartão.
 
Soledade Martinho Costa
 
(Do livro “Reduto”)
publicado por sarrabal às 23:25
link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 29 de Agosto de 2007

O SÃO JOÃO DA DEGOLA

  

" Salomé com a cabeça de São João Baptista ", Caravaggio, Palácio Real de Madrid.
 
 
Filho de Zacarias, sacerdote judeu, e de Isabel, prima afastada de Maria, mãe de Jesus, São João Baptista, o Precursor (por ter anunciado e preparado a vinda de Cristo), com vinte e quatro anos parte para o deserto em retiro espiritual, alimentando-se apenas de gafanhotos, ervas, raízes, frutos e mel. Mais tarde, baptiza Jesus Cristo nas águas do rio Jordão, na Palestina, apresentando-O ao povo como o Messias.
 
Foi decapitado no ano 31 a pedido de Salomé, princesa judia, que solicitou a cabeça do santo a seu tio Herodes Antipas – tetrarca da Galileia, que julgou Jesus Cristo. Este pedido, segundo a tradição, terá sido feito por exigência de Herodíade, mãe de Salomé e cunhada de Herodes.
 
A degolação de São João Baptista é celebrada a 29 de Agosto.
Esta data associa o santo, uma vez mais, aos banhos rituais e profilácticos, assinalados já na celebração do seu nascimento: 24 de Junho.
 
Com efeito, festas e rituais diversos relacionados com os banhos santos, continuam a verificar-se todos os anos um pouco por todo o país, numa estranha e complexa conjugação em muitas festas e romarias consideradas das mais antigas e populares celebradas entre nós. Avaliando, contudo, a água como um dos elementos essenciais à vida (é ela que envolve desde logo o embrião humano) e também como símbolo do baptismo, ou seja da iniciação e da purificação, será mais fácil reconhecer a sua importância e significado.
 
Prática precessora de outras mais remotas, com origem nos cultos pagãos em louvor das ninfas e outras divindades pré-romanas das águas, há quem a relacione com o culto a Ártemis, deusa grega das florestas, das montanhas e dos animais selvagens (a Diana dos Romanos), que gostava de banhar-se nas águas dos rios e das fontes e cujos templos ficavam sempre junto dos charcos e dos lameiros, ou ainda a Neptuno, deus do mar (na Grécia Posídon).
 
O banho santo mantido e difundido pela devoção popular e aceite pelo cristianismo (conquanto sujeito a várias perseguições, pelo menos desde o século IV e que prosseguiram pela Idade Média), continua a usufruir de toda a devoção de uma sociedade, ontem predominantemente rural, hoje a incluir uma vertente cada vez mais urbana. Muitas festas, romarias ou simplesmente datas cíclicas do calendário circunscritas apenas à consumação de práticas rituais, incluem banhos considerados purificadores e profilácticos, tanto em fontes, como nos rios ou no mar, de pessoas e  animais, principalmente rebanhos de cabras e de ovelhas levados pelos seus pastores.
  
  
Se bem que as sociedades modernas tenham adoptado e aplicado os banhos santos a outras datas igualmente festivas, que não aquelas remotamente estabelecidas pela tradição – supostamente, no sentido de os recriar ou de os recuperar – em particular na noite da passagem do ano, com os banhos purificadores tomados à meia-noite ou de madrugada (por exemplo em Lisboa, nas praias da costa do Estoril, e noutras praias onde o costume se enraizou).
 
Tradicionalmente, as datas são três: no dia de São João (24 de Junho), no dia de São Bartolomeu (24 de Agosto) e no dia da degolação de São João (29 de Agosto). De acordo com a tradição, os banhos devem ser tomados na véspera à meia-noite, ou de madrugada, em jejum, antes de nascer o Sol, altura em que a água, segundo a crença do povo, «é considerada benta». A circunstância de duas das datas coincidirem, uma com o nascimento de São João e a outra com a sua morte, poderá estar associada ao facto bíblico de São João Baptista ter baptizado Jesus Cristo nas águas do rio Jordão.
 
No Algarve, o banho continua a ter lugar, preferencialmente, no dia 29 de Agosto, valendo «por nove e curando o reumatismo» (costume que se supõe, herdado dos Árabes, que tomavam o banho profiláctico de mar nesta mesma data).
 
Na praia da Manta Rota (Vila Real de Santo António), o «banho da degola» (recuperado nos últimos anos) é tomado de manhã, antes de nascer o Sol, com os grupos de participantes vestidos como os antigos banhistas da região: elas em combinação, eles de ceroulas até ao joelho, a deslocarem-se, alguns deles, montados em burros e munidos de merendas destinadas ao piquenique que terá lugar logo depois. Em Lagos a tradição repete-se nos mesmos moldes (recuperada também ela há poucos anos), com o banho tomado no dia 29.
 
Na serra algarvia de Monchique os banhos santos têm lugar não a 29 de Agosto, mas de 28 para 29 de Setembro. A razão da mudança de data vamos apenas encontrá-la na seguinte informação dos mais velhos: “desde que se lembram, sempre assim foi”. Por isso, no final do dia 28, descem da serra até à praia as crianças das escolas, acompanhadas de grupos de adultos, para o «banho do 29», vestidas, por vezes, com fatos de banho a imitar os modelos antigos, sendo o banho tomado à meia-noite em ponto. Ainda aqui, sem esquecer a merenda…
 
O «famoso banho do 29» não se limitava apenas ao Algarve. Também em certas localidades da Beira Baixa e mesmo no Minho se verificava, no dia 29 de Agosto, o banho santo de pessoas e animais.
 
Para além das habituais comemorações litúrgicas desta data, continua a ser no Algarve que a tradição mais se faz cumprir. Não já nos moldes de outrora, mas com as celebrações populares a perdurarem ainda com alguma animação.  Por isso, em Aljezur, o feriado municipal recai no dia 29 de Agosto – assinalando assim, condignamente, em terras algarvias, o «São João da Degola».
  
                                                                    
 
 Soledade Martinho Costa
 
 
Do livro "Festas e Tradições Portuguesas", Vol. VI
Ed. Círculo de Leitores.
 
 
publicado por sarrabal às 00:45
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 28 de Agosto de 2007

A VIDA DA ÁGUA

 

 
Vivo junto de um rio. O meu sonho, desde o tempo de escola, concretizou-se.
Na Selecta de Português, li, muitas vezes, o seguinte, escrito por um grande poeta: “É um regalo na vida/ à beira de água morar/ quem tem sede vai beber/ quem tem calor vai nadar”.
O poeta tinha razão. Por isso, aqui estou eu, agora, usufruindo, diariamente, dessa verdade. Isto é, a morar, a olhar e a ouvir o rio Cávado -lamentando não poder nele tomar banho nem beber da sua água, por imprópria.
Continuando a ouvir a voz dos poetas, principalmente os que amam o Cávado, sinto, penosamente, o texto de Ruy Belo “ A Morte da Água”:
“ Um dos passeios que mais gosto de dar é ir a esposende ver desaguar o cávado. Existe lá um bar apropriado para isso. Um rio é a infância da água. As margens, o leito, tudo o protege. Na foz é que há a aventura do mar largo.
Acabou-se qualquer possível árvore genealógica, visível no anel do dedo. Acabou-se mesmo qualquer passado. É o convívio com a distância, com o incomensurável. É o anonimato. E a todo o momento há água que se lança nessa aventura. Adeus margens verdejantes, adeus pontes, adeus peixes conhecidos. Agora é o mar salgado, a aventura sem retorno, nem mesmo na maré-cheia. E é em esposende que eu gosto de assistir, durante horas, a troco de uma imperial, à morte de um rio que envelheceu a romper pedras e plantas, que lutou, que torneou obstáculos. Impossível voltar atrás. Agora é a morte. Ou a vida”. 

 


Digo para mim: que fazer?
Hoje, véspera da morte de São João Baptista (o São João da Degola), vou pedir ao rio Cávado que, na sua origem, na sua nascente, lá, na serra do Larouco, comece nova infância. Que a partir deste dia se sinta de novo protegido pelas suas margens verdejantes, pelo seu leito. Que se revitalize, que se revigore. Que ame as pedras, as plantas, os peixes, as pontes. Que se embeleze e perfume na Barca do  Lago, tornando-se, assim, o doce “Celanus” de outrora. E, deste modo, amorosamente, se prepare para os seus esplendorosos esponsais com o rico e fecundo mar. Lá, na aventurada foz de Esposende.
Sei que vai atender o meu pedido e eu o celebro: parabéns rio Cávado! Feliz casamento – para a Vida!
 
Maria Júlia Pinheiro
publicado por sarrabal às 11:00
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 25 de Agosto de 2007

PEDRO AYRES DE MAGALHÃES

 

 

Moldam-se os sons

Constroem-se as palavras.
 
Junta-se o dom
A sedução
A forma
De dar ao coração
Sentido e paz.
 
Onde mora o mistério
Habita o sonho.
 
A chama do critério
De quem ousa
A perfeição
Em tudo quanto faz.
  
Soledade Martinho Costa
 
Do livro “O Nome dos Poemas”
publicado por sarrabal às 01:26
link do post | comentar | favorito
|

PEDRO SANTANA LOPES

Se Roma fosse ainda

O que era dantes
E a eloquência
Arte
Apoiada por Mecenas
Augusto
Escolhê-lo-ia a ele
Apenas
Entre os eleitos.
 
Se bem
Que em prol de Apolo
E suas Musas
Esquecido o futebol
E outros feitos.
 
Soledade Martinho Costa
 
Do livro “O Nome dos Poemas”
 
publicado por sarrabal às 00:52
link do post | comentar | favorito
|

CAMPONESA

Serra da Peneda

 

O rosto sem idade
O trajo sem mudança
O lenço atado à nuca
O ar cansado
A mão que se moldou
Afeita à luta
Que lhe travou o cabo da enxada.
 
A manta onde se aquece
Feita de trapo
A arca onde guarda
O pão do tempo.
 
O chão feito de terra
Aonde acende
O fogo que lhe queima
O pensamento.
 
A bilha negra de barro
Que às vezes mata
A sede que vem da alma
Nas tardes quentes
Quem sabe que se estilhaça
Nas noites frias?
 
E a teima dos sonhos mortos
Que lhe renascem
Nos campos
Onde a fadiga cria raízes
Quem sabe que os amortalha
Todos os dias?
 
Soledade Martinho Costa
 
Do livro “A Palavra Nua”
(Ed. Vela Branca)

 


 
publicado por sarrabal às 00:22
link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 20 de Agosto de 2007

SARGACEIRA

 

Onda que vai

Onda que vem
Sargaço verde
Que vem na onda
Que vai e vem.
 
Pernas de mona
Dentro do mar
Espantalho informe
No meio da onda
Colhe o sargaço
Que o mar lhe cospe
Por entre a espuma.
 
Menina velha
De corpo inchado
Roxo e gretado
Ficou-te a vida
Por desvendar.
 
Sargaço humano
Por entre a onda
Que traz sargaço
Que vem do mar.  
 
Soledade Martinho Costa
 
Do livro “Reduto”

 

 

publicado por sarrabal às 01:14
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

MENINA DOS MOINHOS

 

Os moinhos de papel

Que segurava na mão
Feitos de cana e cordel
Eram ganho do seu pão.
 
Moinhos moendo a fome
De dez anos em botão.
 
Soledade Martinho Costa
 
Do livro "Reduto"
publicado por sarrabal às 00:41
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13
14

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30
31


.posts recentes

. CALENDÁRIO - OUTUBRO

. 1 DE OUTUBRO - DIA MUNDIA...

. «O NOME DOS POEMAS»

. HISTORINHA - O MOCHO E A ...

. A CONTRACAPA DE «O NOME D...

. O MEU NOVO LIVRO «O NOME ...

. A VOZ DO VENTO CHAMA PELO...

. ALGUMA COISA ACONTECE

. HISTORINHA - A TOUPEIRA E...

. CALENDÁRIO - AGOSTO

. LEMBRAR AMÁLIA

. PARABÉNS SARRABAL - E VÃO...

. CERTEZA

. SÃO JOÃO - O SOL E AS PLA...

. PORTUGAL A ARDER - O FOGO...

. HISTORINHA - A ABELHA E O...

. ALGUÉM SE LEMBRA?

. SANTO ANTÓNIO - AS MARCHA...

. CANTO DO VENTO

. ZECA AFONSO

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.links

.Contador

conter12
blogs SAPO