Quinta-feira, 10 de Março de 2011

POR MÃO PRÓPRIA - Responde: RUY DE CARVALHO

 

Ser do palco o senhor/ e ser seu escravo/ e saber dele só amor e dano/ e ser seu lume/ génio/ fama/ é ser maior que as ovações:/ há nomes/ onde nunca cai o pano.

S.M.C.

 

DESABAFO: Tenho alguns desabafos. Não percebo porque é que os homens se degladiam, se matam, se destroem. Não sabem conversar, deixaram de dialogar. Os tempos evoluem, há muito mais possibilidades de saberem o que fazem. Interesso-me pelo bem-estar do meu semelhante e fico muito desiludido com a humanidade. Quando se acusa, ainda, uma juventude que se droga, verificamos que a maioria procurou a felicidade. Se entrarem numa «droga boa», que é a da Cultura, do tratamento espiritual, de ler, ir aos espectáculos, a palavra desabafo deixou de ter o sentido que lhe dou neste momento: o de um desabafo triste. Mas sou optimista. Tenho muita esperança.

 

SUGESTÃO: Peço ao povo português que cultive e fomente mais as coisas do espírito. A riqueza verdadeira de cada país é aquilo que foi ficando da sua própria cultura. Sugiro também que o afecto seja uma realidade. Que toda a gente se saiba beijar com afecto. Há muita gente que nunca deu um beijo de amor. Há filhos que não dão beijos aos pais. Sugiro às pessoas que tratem, que reguem o jardim maravilhoso do afecto. Tudo se resolve com afecto, com simpatia, com um bom sorriso. É uma sugestão…

 

DISPARATE: No nosso país é um disparate a nossa cultura não ser apoiada, desde a mais simples, artesanal, até à erudita. A arca do tesouro de cada país é a sua cultura. Um país que busca o sentido espiritual é, com certeza, muito rico no sentido material. É disparate não apoiar aquilo que vale a pena. E «tudo vale a pena quando a alma não é pequena». Disparate é quando a alma começa a ser pequenina e não apoia o que é grande, porque julga que é pequeno…

 

APLAUSO: Para o actor, o aplauso é fundamental. Tem a ver com a nossa vida. É a minha recompensa. Tenho sentido muito esse aplauso. Na cara, porque me têm beijado muito. Fiz o meu trabalho com modéstia, por amor. Diz o povo «quem corre por gosto, não cansa». Canso, canso, mas com muito gosto! Se alguém pode estar a ser aplaudido neste momento, sou eu.

 

EXPECTATIVA: Há qualquer coisa que se desenha no nosso futuro. Não gostava de me ir embora desta vida para a outra – onde tenho muitos amigos –, sem ver algumas das minhas expectativas realizadas. Em meados do século  podemos atingir os 120 anos! E estamos com reformas aos 65 anos…Um homem e uma mulher não podem reformar-se com essa idade. Que se reformem quando disserem «não posso mais», mesmo que seja aos 90! E há muita gente com 90 anos ainda útil

 

EMOÇÃO: Emociono-me bastante. Qualquer coisa põe-me lágrimas nos olhos. Estou muito sensível. Quando vejo uma criança com fome, fico muito preocupado. E tento convencer o meu neto a não deixar comida no prato. Há meninos que eram capazes de comer a espinha que ele deixa. Comiam-na! E ele deixa uma espinha cheia de peixe. Há milhões de pessoas neste mundo que nada têm e que nós esquecemos todos os dias, sem querer. Um colega de quem era muito amigo, o Fernando Curado Ribeiro, dizia-me poucos dias antes de partir: «Sabes, emociono-me muito, choro muito, comovo-me muito. As coisas impressionam-me. A desumanidade, a frieza com que nos tratamos uns aos outros…» Mas também me emociono nos momentos felizes. Nesses, a lágrima vem, mas o sorriso fica na cara.

 

AMOR: Está no meu coração. Está em tudo em mim. Não quero dizer que às vezes não peque, e não faça juízos da minha falta de amor. Quando não sou capaz de dar dinheiro aos arrumadores de carros, por exemplo. Se der, talvez esteja a ajudar a matá-los. O discurso do «coveiro» no Hamlet, ainda hoje se mantém. Aquelas perguntas que o «coveiro» faz à «caveira». Aquele pensamento é sublime. É uma ajuda amorosa aos homens. Sem o amor, não se vive.

 

SAUDADE: Sou um homem de saudades, mas não sou um saudosista. Tenho muitas saudades de muita gente, de muitas coisas. Dos meus pais. De todos os meus queridos, que já partiram. Saudades de África. Das gentes de África. Dos cheiros. Dos sítios por onde andei. Saudades dos meus colegas – espero encontrar uma Companhia lá em cima, para fazermos depois o Teatro que gostamos. Quando sinto saudades de um amigo, de um familiar, trago-o à memória e mato saudades.

 

SONHO: É o que diz o nosso querido Gedeão: «Sempre que um homem sonha, o mundo gira e avança». Misturou o sonho com as coisas materiais e chamou-lhe «pedra filosofal». Devemos manter o sonho vivo e sonhar todos os dias. Até ao último momento. Principalmente, os sonhos que o acordar nos oferece, que são muitos…

 

MEDO: Quanto mais conhecemos a vida, mais medo temos. Às vezes, não por nós, mas pelos outros. Há vários tipos de medo. O medo profissional, também tenho. É um medo por respeito às pessoas. Medo de falhar, de ser ridículo. Sobretudo, tenho sempre medo de prejudicar alguém. O nosso povo começa a ter medo de andar na rua, de sair à noite, ir ao teatro, ao cinema…Temos de dominar o medo. Com medo que as coisas piorem.

 

INTIMIDADE: As pessoas não me privam da minha intimidade. Ando na rua sem perder a minha intimidade. Tenho «passe» para andar no Metro, no eléctrico, no autocarro…Sou um cidadão normalíssimo. Não fujo ao encontro com as pessoas. Vivo com os outros, preciso deles. Mas prezo muito a minha intimidade familiar. 

 

FIGURA PÚBLICA MAIS: Gorbatchev. Tenho uma grande admiração por ele. Um verdadeiro democrata com ideias socialistas. Um homem que deu uma volta no mundo. Que pôs a palavra democracia no sentido certo que ela tem: o respeito pelos outros. Que deitou abaixo um muro que dividia os homens. Nas suas ideias, não há divisões de ideias. É o homem que me marcou.

 

FIGURA PÚBLICA MENOS: O Ayatollah Khomeyni. Um radicalista horroroso. Sou um homem religioso, sou cristão. Tenho muita honra nisso, sigo Cristo, sou um católico assim-assim, mas radicalismos religiosos, em nenhuma religião admito. Não se pode perseguir um escritor, só porque discorda de nós! Foi uma sombra no mundo e deixou as suas sombras. O seu espírito infernal ficou.

 

CALENDÁRIO: Agradeço todos os dias que vão passando. Espero que os futuros sejam melhores, sempre. Não sou um homem do passado. De efemérides. Se não fosse a minha família, não guardava nada de mim. Tempo? Deixo passar, deixo passar…

 

Autoria e coordenação: Soledade Martinho Costa

In Notícias Magazine/1999

 

N. - Entrevista gravada em casa de Ruy de Carvalho. A nossa amizade vem do tempo do nosso comum e saudoso Amigo José Álvaro Vidal, iniciador da mais importante obra social de Alverca do Ribatejo, chamada CEBI.

Uma família bonita, uma família feliz, uma família que adorei conhecer melhor nessa amena tarde de Junho, ainda em vida de Dona Ruth.

Agradeço (agora virtualmente!) a Ruy de Carvalho ter respondido a este inquérito, e a humildade de ter lido alguns dos poemas do meu livro «Poemas do Sol e da Cal», quando da sua apresentação na Sociedade Portuguesa de Autores. Igual agradecimento vai para seu filho, João de Carvalho (meu amigo e vizinho, aqui, em Alverca do Ribatejo), que leu, durante o seu lançamento, um dos textos do meu livro «6 Histórias numa História de Todas as Cores» (cujos direitos autorais reverteram para o CEBI).

Um beijinho afectuoso para si, Ruy, outro para o João e Esposa (os vossos filhos estão uns homens, e lindos!). E cá vou continuando a vê-los aos dois, nem tanto pessoalmente, mas pela Televisão – como não podia deixar de ser!

 

S.M.C.

                                

 

publicado por sarrabal às 18:04
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De IBEL a 15 de Março de 2011 às 18:11
É uma felizarda por ter o privilégio de poder entrevistar este senhor e por ser amiga dele.

Mas gostar, gostei disto:"Ser do palco o senhor/ e ser seu escravo/ e saber dele só amor e dano/ e ser seu lume/ génio/ fama/ é ser maior que as ovações:/ há nomes/ onde nunca cai o pano."
Que maravilha!


De sarrabal a 15 de Março de 2011 às 20:19
Ibel, sou uma felizarda numas coisas, noutras não - como toda a gente, afinal...
Como o poema/retrato agradou, tanto melhor, minha Amiga. É sempre bom agradar a quem nos lê: é isso que acontece quando leio os seus poemas...

Beijinho da Sol

(Vou enviar-lhe um e-mail. Estou em falta!)


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.posts recentes

. MEDITERRÂNICA

. SAUDADE

. CALENDÁRIO - OUTUBRO

. 1 DE OUTUBRO - DIA MUNDIA...

. «O NOME DOS POEMAS»

. HISTORINHA - O MOCHO E A ...

. A CONTRACAPA DE «O NOME D...

. O MEU NOVO LIVRO «O NOME ...

. A VOZ DO VENTO CHAMA PELO...

. ALGUMA COISA ACONTECE

. HISTORINHA - A TOUPEIRA E...

. CALENDÁRIO - AGOSTO

. LEMBRAR AMÁLIA

. PARABÉNS SARRABAL - E VÃO...

. CERTEZA

. SÃO JOÃO - O SOL E AS PLA...

. PORTUGAL A ARDER - O FOGO...

. HISTORINHA - A ABELHA E O...

. ALGUÉM SE LEMBRA?

. SANTO ANTÓNIO - AS MARCHA...

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.links

.Contador

conter12
blogs SAPO