Sexta-feira, 12 de Novembro de 2010

ABRE-LATAS - FLORES NATURAIS OU DE PLÁSTICO, EIS A QUESTÃO!

 

Tenho o hábito de oferecer flores. Gosto de flores e acho que qualquer pessoa gosta de as receber. Ofereço-as quando faço uma visita mais cerimoniosa ou quando não é cerimoniosa, mas sei que a pessoa a quem vou visitar gosta de flores, como eu, e que vai sentir-se agradada. E ofereço flores em datas especiais: aniversários, no Dia da Mãe, no Dia da Mulher ou aos meus santos. Não sendo praticante, faço promessas e quase sempre sou atendida. Umas vezes por minha própria intenção ou pelos meus, outras pelos amigos. Alguns deles (mais elas), menos crentes, dizem-me por vezes: «Faz umas orações por mim, uma promessa, põe uma velinha!». Digo que sim. E cumpro. Além de acender uma velinha e de fazer as minhas orações, cumpro as promessas: a oferta de flores, de ramos de flores. E gosto de colocá-las nas jarras, que vou buscar às sacristias (nem sempre cumpro as minhas promessas na mesma igreja), de ajeitá-las e de pô-las depois nos respectivos altares.

 

Um dos floristas com estabelecimento em Alverca do Ribatejo, já conhece esta minha faceta, basta telefonar-lhe: «Paulo, preciso de um ramo bonito (dois ou mais, conforme as promessas a cumprir). Depois passo por aí.». E pronto. O Paulo já sabe do que se trata, daquilo que gosto e como gosto. As flores é que diferem de acordo com a época.

  

Gosto, também, de flores secas, naturais. Com elas costumava fazer arranjos florais. Devido a outros afazeres, deixei esse meu hobby de parte. Mas houve um tempo em que foram muitos (dezenas) os arranjos que fiz. Um deles, feito apenas com uma gama variada de flores roxas e lilases ofereci-o a Amália Rodrigues. Ao recebê-lo disse-me: «Vai direitinho para o meu oratório!». Dos muitos que fiz, espalhei-os pelas minhas casas do Bom Velho de Cima (mais rústicos), de Alverca do Ribatejo e do Algarve. Conforme o género e as cores, assim os locais onde foram colocados. Outros, ofereci-os. Para os confeccionar precisava de procurar em casas da especialidade as flores secas de que necessitava. Deslocava-me, por isso, algumas vezes a uma conhecida e afamada florista de Lisboa. Também adquiria ali outras flores. Umas vezes por motivos tristes (falecimentos), outros felizes, como atrás referi.

 

Nessa florista a variedade de flores era tal, que me perdia perante a beleza, a cor, o perfume, o milagre da Natureza que nos oferece (com a ajuda da mão do homem) prodígios assim. Confesso que não dava pelo tempo passar enquanto deambulava pelo amplo espaço, extasiada perante as flores expostas nas cantoneiras de zinco (creio) com a arte de quem sabe.

  

Num desses dias, entra no estabelecimento uma senhora de meia-idade, vestida, modestamente, de escuro. Semblante triste, ar um pouco tímido. Parava de vez em quando junto de um tufo de flores e perguntava o preço a uma das empregadas. Mas logo passava a outras flores, repetindo a pergunta e recebendo a resposta. No seu olhar, a pena por não se poder decidir pela compra. O preço ali é sempre elevado - muito embora não faltem clientes. Trata-se de um local onde impera o poder de compra. A extensa avenida e os altos prédios «respiram» desafogo. Há quem compre na referida florista (soube) dois a três ramos por semana!

  

A senhora de semblante triste e ar modesto, continuava a sua pesquisa por entre as flores. As perguntas em relação aos preços, também. A vontade de levar flores era muita, o dinheiro, pouco, deduzia-se. Aproximei-me e gabei a beleza e variedade das flores expostas. Sorriu, embaraçada, e explicou: «Queria um raminho aí para cinco euros, mas não há. É para levar ao cemitério.». Lamentei e confirmei que sim, as flores tinham, realmente, preços elevados.

  

Voltei à escolha das minhas flores secas. Foi nessa altura que a dona da florista se aproximou da senhora em causa. Em vezes anteriores tinha reparado na sua falta de delicadeza, principalmente, para com as empregadas. Pessoa de aspecto pouco cuidado, mal-encarada, amplo avental enxovalhado, chinelos nos pés, sempre a resmungar, a vistoriar com mil olhos o amplo estabelecimento. Era ela quem atendia o telefone e dava toda a espécie de ordens. Nunca cheguei a saber se era a dona ou a gerente do estabelecimento. Mas que tinha um cargo de chefia, lá isso, tinha. Notava ainda o receio no rosto das empregadas quando, por qualquer motivo, as interpelava, embora se entregassem diligentemente à tarefa de fazer os ramos, as coroas e as palmas de flores, além de atenderem os clientes. No que me diz respeito, nunca tive razão de queixa. Só não entendia como era possível uma pessoa assim estar à frente de um estabelecimento daqueles.

  

Foram estas as palavras que dirigiu à senhora que procurava um raminho de cinco euros: «Olhe cá, não tem que fazer lá em casa, em vez de vir para aqui chatear a gente?!» – Naturalmente, apercebendo-se que não tinha ali cliente à altura do seu estabelecimento.

 

Ainda com mais acanhamento do que aquele com que havia entrado, a senhora saiu da conhecida florista da Avenida Estados Unidos da América. Olhei as empregadas, que me olharam também.

 

Não me lembro de lá ter voltado. Com a encomenda dos oito volumes da colecção «Festas e Tradições Portuguesas» pelo Círculo de Leitores, o meu hobby acabou pouco tempo depois. Não sei porquê, não o retomei. Fui perdendo o entusiasmo por fazer os bouquets colocados em pequenas taças de porcelana. Até há pouco tempo, tinha três guardados. Em Julho último ofereci um deles à Maria Anka, uma jovem romena que trabalha em minha casa e de quem gosto. À custa de muito trabalho, construiu uma casa na sua aldeia, na Roménia. Ofereci-lho «para a casa nova». Levou-o quando foi de férias.

 

Este episódio, que relato e a que assisti, leva-me a pensar que, por vezes, as flores de plástico que vejo nas campas dos cemitérios, têm a sua razão de existir…

 

 Soledade Martinho Costa  

                                                                         

 

publicado por sarrabal às 19:34
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. 8 DE DEZEMBRO - NOSSA SEN...

. MEDITERRÂNICA

. SAUDADE

. CALENDÁRIO - OUTUBRO

. 1 DE OUTUBRO - DIA MUNDIA...

. «O NOME DOS POEMAS»

. HISTORINHA - O MOCHO E A ...

. A CONTRACAPA DE «O NOME D...

. O MEU NOVO LIVRO «O NOME ...

. A VOZ DO VENTO CHAMA PELO...

. ALGUMA COISA ACONTECE

. HISTORINHA - A TOUPEIRA E...

. CALENDÁRIO - AGOSTO

. LEMBRAR AMÁLIA

. PARABÉNS SARRABAL - E VÃO...

. CERTEZA

. SÃO JOÃO - O SOL E AS PLA...

. PORTUGAL A ARDER - O FOGO...

. HISTORINHA - A ABELHA E O...

. ALGUÉM SE LEMBRA?

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.links

.Contador

conter12
blogs SAPO