Quinta-feira, 8 de Abril de 2010

SEGREDOS - BADANICO E BADANECA

                                            

              
 
            
 
Quando cheguei ao Bom Velho de Cima, disposta a recuperar a casa em ruínas que adquiri, fui instalar-me numa outra, pertencente a uma amiga, pagando, por insistência minha, uma renda simbólica. A espaços, por lá permaneci longos meses. Além da sala de entrada, a casa tinha dois quartos a darem para um terraço com uma vista magnífica. Dali, podia o nosso olhar percorrer, como numa tela, os vales, os pinhais e o denso arvoredo que circundam a aldeia.
  
Enquanto punha a casa a meu jeito, ia fazendo visitas diárias aos pedreiros e carpinteiros que avançavam na minha obra. Espécie de fiscal atento, para meu bem e aprendizagem de quem para mim trabalhava – fiscalização mais no sentido estético do que técnico, diga-se a verdade. Essa ficava para quem, melhor do que eu, sabia tratar do assunto. Ninguém se melindrava e as minhas correcções e sugestões eram aceites e cumpridas, servindo de diversão. «Lá vem o fiscal da obra!», ouvi várias vezes e achava graça.
 
Pouco depois de instalada na casa da minha amiga, comecei a ver do terraço, aos longe, dois gatos amarelos sentados ou deitados sobre os muros de pedras sobrepostas, que separam terrenos e courelas. Não se mexiam, parecendo duas estátuas de pêlo amarelo, mas de olhar fixo na direcção da casa. Via-os diariamente e comecei a chamá-los, sem que os bichanos se mostrassem interessados. Na posição em que estavam, assim ficavam.
 
Perguntei na aldeia a quem pertenciam os dois gatos: «São do tio Leopoldino, está velhote e foi morar com o filho. Deixou a casa e os gatos. Mas não são dois, são três. Um deles, não sai do quinteiro. Os outros, andam por aí…» – Disseram-me.
 
Um dia em que o tio Leopoldino veio de manhã, muito cedo, como era seu costume, fazer a visita semanal à casa que deixara, aproveitando para dar uma espreitadela à adega e à vinha, meti conversa: «Como é que os seus gatos se alimentam, senhor Leopoldino?» – Pergunta ingénua, a minha. «Ora, minha senhora, de ratos e de pássaros! São bons caçadores. Aquele, ali – e apontou o terceiro gato, para mim até então desconhecido, embora uma réplica dos outros – ia sempre comigo como se fosse um cão. Às vezes, andávamos quilómetros. Os outros, não.». Foi a resposta do tio Leopoldino.
 
O tempo passava e comecei a reparar que os dois gatos encurtavam cada vez mais a distância entre os muros e a casa. Um dia dei com eles no terraço que ficava à entrada da porta. Pensei: «Saltaram o portão e instalaram-se!» À minha aproximação, assustadiços, voltaram a saltar o portão e sumiram-se por entre o tojo. Nesse dia não voltei a vê-los. Insisti, chamei, mas sem resultado. No dia seguinte, coloquei um prato com leite no terraço e aguardei. Quando espreitei, lá estavam os dois. Do leite, nem vestígios.
 
E foi assim que os dois bichanos começaram a fazer parte da casa e do meu quotidiano, sempre que me encontrava no Bom Velho de Cima. Um deles, uma gata, era um bicho grande, bonito, robusto. O outro, tão magro e enfezado que se lhe notavam os ossos sob o pêlo. Comiam e dormiam no terraço e dali não arredavam pata. Sempre que me ausentava da aldeia, notava-lhes a tristeza no olhar, ao dizer-lhes adeus, já dentro do carro. Quando regressava, era uma festa. Na minha ausência, soube depois, os animais não deixavam o terraço – naturalmente, à espera de me verem chegar. Comigo, vinham os mimos e novas ementas, que de ratos e pássaros deviam andar fartos.
 
Numa outra vez, voltei a encontrar o tio Leopoldino: «Então, os meus gatos agora são da senhora! Já sei que se mudaram para casa da Isabelinha (a minha amiga). Ora, não, bom trato, barriga cheia…Bem fazem eles!» Nessa altura fiquei  a saber o nome dos tarecos: Badaneca, a gata-mãe, Badanico, o gato-filho – que o tio Leopoldino também me esclareceu qual o parentesco entre os dois.
 
Analisando o comportamento dos bichanos, até batia certo. A Badaneca, mais «sisuda», sonolenta, comilona. O Badanico, por vezes a brincar com ela e a levar uma sapatada, mas tão magrinho e tão «piqueiro» (como se diz na aldeia), que na comida mal tocava. Badaneca, essa, comia a parte dela e acabava por comer a que o filho deixava.
 
Um dia, para meu desgosto, o Badanico, sem que nada o fizesse prever, apareceu morto no terraço. Nos últimos dias tinha reparado que se agravara a sua magreza, que mal tocava na comida. Mas não imaginei um desfecho assim. Sempre ouvi dizer que «os gatos têm sete foles». Julguei que o ditado fosse verdadeiro.
 
Badaneca, continuou impávida, a fazer as suas sestas no terraço, aninhada no banco corrido, de madeira, seu poiso favorito, e a comer por dois, não parecendo dar pela falta do Badanico.
  
Ainda assim, semanas depois, notei que a Badaneca não estava bem. Sintomas? Falta de apetite, coisa que nela não augurava nada de bom. Ao lembrar-me do Badanico, chamei o veterinário. Um jovem médico que diagnosticou uma pneumonia. Provavelmente, disse, o mesmo que vitimara o Badanico – agravado pelo facto da sua debilidade crónica. Tratamento? Antibióticos em comprimidos, dissolvidos no leite (por vezes, desfeitos e introduzidos à força na boca da Badaneca), e em injecções. Logo nesse dia levou a primeira. O veterinário ficou de voltar até terminar o tratamento.
 
Quando souberam do sucedido, foi um espanto na aldeia. Um médico para um bichano vadio?! Pagar uma consulta, remédios e a vinda do clínico para aplicar as injecções?! Sacrilégio! O veterinário só era chamado quando adoecia uma vaca, um porco, uma ovelha ou uma cabra. Isso, sim! Principalmente, quando os animais estavam para parir e o parto se apresentava complicado.
 
Casos que fui conhecendo bem, por ter presenciado alguns, coisa que me afligia bastante, de nada me servindo apelar para que lhes fosse prestada assistência urgente. Acontecia, por vezes, os animais estarem para dar à luz, sofrendo dias a fio, sendo o veterinário chamado já em último recurso, com o animal em agonia. Se calhava, salvavam-se os dois, se não calhava, morriam os dois ou salvava-se apenas o filho, raramente a mãe. A vida nas aldeias é assim e cada qual sabe da sua. São princípios ancestrais. O trabalho rural é duro, e as pessoas, talvez por isso, não podem dar-se ao luxo de se deixarem emocionar – ou ser piegas.
 
Passados dias, a Badaneca estava «como nova». Voltou-lhe o apetite, por conseguinte, a saúde. Assim tivesse acontecido com o Badanico. Mas aprendi a lição.
 
Entretanto, mudei para a casa nova. A Badaneca não se atrevia a aparecer por causa dos cães, de vigia à aldeia, sempre a rondarem a minha porta e o portão do jardim. Ia regularmente mudar-lhe a água e levar-lhe comida ao quinteiro do tio Leopoldino, para onde a Badaneca voltou. Como a adivinhar que de nada lhe servia agora esperar por mim no terraço da outra casa – onde tinha sido uma gata feliz, assim como o seu filho Badanico. Isto, diria a Badaneca se porventura falasse. Tenho a certeza.
 
Soledade Martinho Costa
 
                                                     
 
publicado por sarrabal às 00:38
link do post | comentar | favorito
|
13 comentários:
De Armando Pinto a 8 de Abril de 2010 às 13:38
Este é mesmo um texto com sensibilidade e visão de uma grande escritora. E está tudo dito...
Apenas quero acrescentar que o Sarrabal está na coluna dos meus blogues no meu blog pessoal, onde, apesar do último post ser de temática diferente, de uma das minhas paixões, anteriormente dediquei espaço às tradições regionais da Quaresma e Páscoa.
Um abraço


De sarrabal a 8 de Abril de 2010 às 16:38
Armando Pinto:

«Fui a Lôngara» e deixei-lhe um comentário. Resolvi colocar também o seu blog na minha lista de blogs a visitar. Mas verifico que não abre. O mais provável é o seu e-mail não estar correcto. Poderá deixar-mo aqui, por favor? O que tenho é o seguinte: apintolongra@gmail.com

Fico à espera.
Abraço da Sol


De Armando Pinto a 8 de Abril de 2010 às 16:56
O meu e-mail é mesmo esse. Não sei o que se passará, pois nos outros casos, de outros blogues, têm conseguido a respectiva colocação. A não ser que, tal como eu fiz em relação ao Sarrabal , em vez do mail seja pelo Url
longara.blogspot.com /
mas não sei ao certo.
Agora, quanto ao resto, isto da blogosfera resulta, nestes casos, num bom convívio espiritual, cultural e noutros aspectos mais. Ah, sobre o clube, eu, como bairrista que sou, apegado aos valores da minha região, que é do Distrito do Porto, e como quero ir para o céu e o firmamento celeste é azul, só podia... ser do F C Porto.
Também, além do aspecto literário que aprecio, sei que reside na zona de Alverca, uma área que me diz algo, pois aí está o Museu do Ar, onde consta uma vitrine com recordações de uma viagem aérea efectuada por um meu conterrâneo, de quem cheguei a ser amigo, apesar da grande diferença de idades - o já falecido piloto-aviador Francisco sarmento Pimentel, autor da 1ª travessia Portugal - Índia, em 1930. Como vê há sempre diversos pontos de contacto...
Um abraço
Armando Pinto


De Atento a 8 de Abril de 2010 às 18:15
Já descobri... embora tenha o endereço do mail correcto, enganou-se e em vez de longra pôs longara (confusão com o nome do blog - quando é o actual da localidade...).
Então é:
apintolongra@gmail.com


De sarrabal a 8 de Abril de 2010 às 23:51
Também pensei que me tinha enganado ao escrever o e-mail, mas não. Está exactamente assim: apintolongra@gmail.com. Que fazer? Armando Pinto ou Atento, poderão dar uma ajuda? Agradeço.

Saudações

Sol


De Lena a 16 de Abril de 2010 às 10:40
Olá Sol!
Pronto, este texto foi parar direitinho ao meu coração.Adivinhe porquê? Pois, tenho uma gata. É a Tweenie, preta e branca, rafeira, que ouvi miar ao nascer e desde esse dia ficou comigo. Hoje tem 8 anos, quase 9 em Julho. É mimada claro, a rainha da casa. Come, dorme, vigia, passeia no jardim nas horas das minhas refeições, atura a cadela (adquirida em Nov.2009, 1 labradora cheia de vida) e faz de bibelot vivo nos parapeitos da janela.Não aprecia estranhos,nem visitas à casa.Foge e só dá confiança se a visita voltar várias vezes. Posso dizer que é a minha Melhor Amiga :) também me segue para todo o lado. Quando viajo, opto por a deixar em casa, com amigas a tomar conta e ela agradece,pois prefere a sua casinha. Paz ao Badanico e Longa vida a Badaneca. É difícil para os pastores ou assim entenderem que se pague para tratar de cão, gato...mas eles sentem o mesmo pelos seus bichos, so que nem sempre podem cuidar deles como gostariam.

Bem, excedi-me no texto já.lol...Espero que teja tudo bem consigo. Jocas gordas
Lena


De sarrabal a 16 de Abril de 2010 às 20:51
Olá,Lena!

Também eu gosto muito de gatos. Tive o Pelé (como o nome indica, jogava lindamente à bola!) e o Bigodes. O primeiro, depois do nascimento da minha filha, foi para casa da minha mãe. Um dia fui dar com ele a dormir um belo sono no berço da Maria João, que tinha apenas uma semana - coisa que me apavorou. O outro, era um companheiro das brincadeiras dos meus filhos. Ia, mesmo, à rua com eles, levado no carrinho das bonecas. Como estava habituado a sair, um dia saiu sozinho e foi atropelado. Pode imaginar o nosso desgosto. Não voltei a ter gatos. Só os das histórias que tenho escrito para os mais pequenos - e são muitas! O nome Bigodes vem, exactamente, do livro «O Gato dos Bigodes», que conta a história de um gato que vai à loja comprar uma gravata...e nenhuma lhe agrada. É um livro divertido, com bonecos engraçados, e que já fez diversas edições.
Também tive um cão (que desapareceu; outro desgosto) e um periquito que morreu de velhinho - 10 anos! Sempre em liberdade pela casa toda. Enfim, que a Tweenie tenha muitos anos de vida para alegria da sua dona...

Beijinho, Lena!

Sol


De garatujando a 17 de Abril de 2010 às 01:17
RECTIFICATIVO

A Net é como uma grande cidade, com muita gente que se passeia pelas suas avenidas largas e rectilíneas, ou deambula, com movimentos esquivos e suspeitos, por sombrias e sujas vielas.
Por vezes depara-se com um largo ajardinado onde apetece determo-nos a beneficiar da carícia do sol que ali alegra e aquece, ou a repousar à sombra acolhedora das árvores, ou ainda a alegrar os olhos na beleza colorida dos canteiros floridos do seu bem tratado jardim..
O SARRABAL é como um desses aprazíveis lugares, onde se respira o ar fresco e sadio do seu sempre agradável conteúdo, ora pedagógico, ora cultural, ora poético, duma poesia limpa que nos embala e dispõe bem. Apreciável é também a ternura das suas estórias singelas, escritas num estilo escorreito por onde perpassa a sensibilidade da autora, notória em tudo o que escreve.
Assim é, bela na sua simplicidade, a estória do BADANICO E BADANECA..

À SOLEDADE, o abraço amigo de sempre

Carlos Ferreira


De sarrabal a 18 de Abril de 2010 às 01:07
Carlos:

Hoje, o comentário (sempre generoso!) está em duplicado! Naturalmente, devo apagar o primeiro, será?

Vou enviar-lhe um e-mail (à falta do prometido telefonema...)

Abraço amigo da Sol


De garatujando a 18 de Abril de 2010 às 08:34
Sim, minha querida Amiga. Agradeço-lhe o favor de eliminar o primeiro dos meus dois comentários e deixe ficar o outro, o que contém a palavra RECTIFICATIVO
Algumas incorrecções obrigaram-me àquela rectificação. Peço-lhe desculpa pela maçada.
Que tenha um excelente Domingo, e cá fico à espera do seu mail.
Abraço
Carlos Ferreira


De sarrabal a 18 de Abril de 2010 às 13:09
O comentário está apagado!

Bom domingo também para si, Carlos.

Sol


De Armando Pinto a 17 de Abril de 2010 às 23:55
Querida D. Sol
Peço desculpa, mas só agora, por ver que no acompanhamento (no meu blog) não aparecia qualquer actualização do Sarrabal, resolvi vir directamente e, então, apercebi-me daquele seu último comentário, referente a não conseguir colocar o link do meu blog

http://longara.blogspot.com/

Se não conseguir não tem mal. Mas julgo que deveria anular o que fez e depois fazer de novo - pois, no próprio dia, eu também verifiquei que havia troca do endereço.
Assim, começando de novo e indo por
apintolongra@gmail.com
deve conseguir.
Reparar em se não equivocar: é Longra... e não Longara, que esse é o nome do blog e não do mail.
Todos os meus seguidores conseguiram, portanto...
Mas, repito, se por qualquer motivo não obtiver resultado positivo, não faz mal.
Abraço
Armando Pinto


De sarrabal a 18 de Abril de 2010 às 01:03
Armando Pinto:

Finalmente, já abre! Acabei por colocar o seu URL e resolvi o problema. «Tudo está bem quando acaba bem!»

Abraço da Sol


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

12
13
15
16
17

20
21
22
24

25
26
27
28
29
30


.posts recentes

. SÃO JOÃO - O SOL E AS PLA...

. PORTUGAL A ARDER - O FOGO...

. HISTORINHA - A ABELHA E O...

. ALGUÉM SE LEMBRA?

. SANTO ANTÓNIO - AS MARCHA...

. CANTO DO VENTO

. ZECA AFONSO

. 23 DE ABRIL - DIA MUNDIAL...

. DEDICATÓRIA

. SEMANA SANTA - O GALO DAS...

. CELEBRAÇÕES DA QUARESMA -...

. CALENDÁRIO - MARÇO

. CARNAVAL - A MÁSCARA

. TODOS OS LUGARES SÃO TEUS

. BOLO-REI - ORIGENS

. A VIAGEM DOS TRÊS REIS MA...

. FELIZ NATAL E BOM NOVO AN...

. OUTROS NATAIS

. UM OLHAR SOBRE A PAISAGEM...

. OUTRO MILAGRE

.arquivos

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.tags

. todas as tags

.links

.Contador

Site Meter
blogs SAPO