Sábado, 18 de Novembro de 2017

MEDITERRÂNICA

 

algar4.jpg

Terra arroteada ao calor das veias

Em ti se enrola

O corpo em sobressalto

Preso das ondas

Do vento

Da maresia

Do voo das gaivotas

Em manhãs de espuma.

 

Em ti se acoita

O medo

A lágrima

A agonia

No ventre abrupto e prenhe

Das escarpas e das dunas.

 

Em ti se fala

A língua

Dos vultos embuçados

Da névoa

Dos corais

Dos búzios

E dos limos.

 

Em ti se ausculta

A noite

A morte

E os segredos

Que estalam

Nos chicotes

Que zurzem os destinos.

 

Marco de bruma

Travo de sal

Que a vastidão da raia

Aponta

Descreve

Delimita

Ao canto das sereias

No embrião dos dias.

 

Terra sem nome

Suspensa dos rochedos

Aonde aportam

Insones os fantasmas

A clamar palavras impossíveis

Ante o perfil

Das altas penedias.

 

Soledade Martinho Costa

 

Do livro “Poemas do Sol e da Cal”

(Ed. Editorial Presença)

 

publicado por sarrabal às 17:23
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 26 de Outubro de 2017

SAUDADE

22729137_1492265230861371_2811029334590813741_n.jp

Um dia, eu sei
Hei-de sentir saudades
Saudades da vossa turbulência de crianças
Aonde a traquinice e a bondade
Se moldam ao sabor da vossa infância.

A dar-me conta de vos ver crescer
A ti feita mulher
A ti um homem
Vos vou perdendo de mim em cada hora
A cada descoberta
A cada esperança.

E a saudade virá
Eu já a sinto
Na lágrima
No gesto
Na palavra
Em cada frase
Em cada movimento.

E chorarei de pena e de saudade
As esferas
Os berlindes coloridos
A boneca que espera sobre a cama
A ternura de um beijo de menina.

E chorarei de pena e de saudade
As nódoas
Os rasgões nas camisolas
As histórias que por vezes vos contava
As mãos sujas de terra e de poeira
A hora de acordar-vos para a escola
Os joelhos esfolados sobre as pedras
As gargalhadas
O choro
As brincadeiras.

E a saudade virá
Eu já a sinto
Na forma de brinquedo ou de criança
Como se fora sonho onde amanheça
A força de uma imagem prisioneira
De um beijo
De uma flor
De uma distância.

Soledade Martinho Costa

Do livro “A Palavra Nua”
Ed. Vela Branca

 

publicado por sarrabal às 13:12
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 1 de Outubro de 2017

CALENDÁRIO - OUTUBRO

Gravetos para a lareira.jpg

O dourado das copas            

Desnuda o arvoredo

Hibernam os ouriços

Para dormir um sono.

 

O frio

Já se apronta

Na hora da chegada.

 

Outubro vem lembrar

Recados do Outono

Preparam-se os gravetos

Que a lenha está guardada.

 

Soledade Martinho Costa

 

Foto: Fernando Ribeiro

publicado por sarrabal às 23:11
link do post | comentar | favorito
|

1 DE OUTUBRO - DIA MUNDIAL DO IDOSO - LAR DE TERCEIRA IDADE

551312_10202339626161967_859660659_n (1).jpg

Quem impôs aqui tamanha solidão

Quem impediu o sol de atravessar estas vidraças

Quem recusou a palavra

O gesto

No momento exacto

Quem impediu a vida nas veias sedentadas?

 

Quem se esconde para além deste silêncio

Destas portas trancadas

Destas cadeiras de rodas

Destas mesas de ferro

Deste cheiro a urina

Que se agarra ao encerado?

 

Quem paga estas paredes nuas

Estes cobertores tecidos de vigílias

Este abandono que flagela os corpos rejeitados?

 

Soledade Martinho Costa

 

Do livro “A Palavra Nua”

Ed. Vela Branca

publicado por sarrabal às 23:04
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 28 de Setembro de 2017

«O NOME DOS POEMAS»

Cópia de IMG_4701.jpg

Do escritor, poeta, jornalista e crítico literário José do Carmo Francisco, esta apreciação sobre o meu novo livro «O Nome dos Poemas»:

 

«O Nome dos Poemas» de Soledade Martinho Costa

 

Toda a Poesia (mistura de canção e reflexão) procura a síntese e no caso de Soledade Martinho Costa essa busca existe desde 1973 quando publicou o livro «Reduto». O projecto inicial da autora do livro era um desafio («Publicar poesia numa revista semanal») e data de 1999 quando os primeiros 20 poemas do volume foram publicados na Revista «Notícias/Magazine», do «Diário de Notícias». Os restantes 33 poemas estão inéditos. Dos iniciais 20 poemas, como sugestão de leitura, damos citação a dois deles: «João de Melo - Coloque-se a infância / No meio de uma ilha / Acorde-se a distância / No olhar. / Tome-se nas mãos / A neblina / Dê-se o coração / À voz do mar» ou «Isabel Silvestre – Água / Serias rio ou fonte / Regato que murmura / Entre dois lírios. / Ave / Um noitibó / Escondido / Entre as dobras de um lençol / Mas porque assim te queres / Terra e raiz / E tanto aquece / o matiz da tua voz / Só posso comparar-te / Ao próprio sol.»

Dos restantes 33 poemas uma nota especial para os poemas de Rodrigo Leão e de Maria Velho da Costa. O primeiro: «A música da chuva / Dos regatos /Das aves / E do vento / Do mar em fúria /Amante das maresias. / Ao homem /Coube ouvi-la / E copiá-la. / Juntou-lhe o coração / A alma / O génio / E conseguiu a fórmula / De todas as magias». A segunda: «Porque os tempos não eram / O que hoje são / Mais a voz se elevou / A inundar de luz a escuridão. / Rompeu feita coragem / Sem medo ao medo / a fustigar as normas / E o preconceito que regia a mulher e a Nação / No mesmo jeito / Três Marias souberam / Denunciar a palavra / Calada e ofendida / Como se fora um só nome / E uma só mão.»

Estamos em 2017, quase 20 anos passaram e os poemas continuam a surpreender como em 1999 conforme Sofia Barrocas escreve no prefácio: «Arriscaria mesmo dizer que daqui a vinte anos estaremos a lê-los com o mesmo espanto e prazer com que o fizemos da primeira vez.» Tal como no título do seu primeiro livro («Reduto») estes poemas de Soledade Martinho Costa resistem num reduto ao tempo que passa. À sua erosão, ao seu desgaste e ao seu esquecimento.

 

(Editora: Vela Branca, Prefácio: Sofia Barrocas, Revisão: L. Baptista Coelho, Capa: Victor Gabriel Gilbert, Separador interior: Peter Mork Monsted)

 

José do Carmo Francisco

 

 

publicado por sarrabal às 21:33
link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 23 de Setembro de 2017

HISTORINHA - O MOCHO E A CORUJA (Para os mais pequenos)

untitled nn.bmp                        

- Ora, boa noite, bons olhos o vejam! – diz a coruja para o mocho, seu companheiro e ave de rapina nocturna como ela – Há muito que não aparece por estas bandas. Por onde tem andado, se não é segredo?

- Olhe, minha amiga, mudei de casa.

- Mudou de casa!? Não sabia! – espanta-se a coruja, num pio prolongado.

- Pois é verdade. – continua o mocho – O buraco onde vivia, no tronco de uma azinheira, começou a ser pequeno. Então, mudei-me para um outro maior, na fraga do monte.

- E fica longe? – interessa-se a coruja.

- Oh! amiga Coruja, essa pergunta nem parece sua! Para quem possui asas como nós, acha que a distância é coisa importante!?

- Claro, tem razão! – exclama a coruja embaraçada.

É a vez de o mocho perguntar:

- E por aqui, como vai a caça?

- Assim-assim. No Outono, é o costume. Os ratos do campo começaram a procurar refúgio nos currais e nos celeiros. Os arganazes escavam as galerias onde vão dormir um sono até chegar Abril. Os lagartos, agora mais friorentos, já aparecem pouco. Restam os insectos e os morcegos… – informa a coruja, que logo quer saber: - E lá pelos seus lados, compadre, há mais fartura?

- A mesma coisa. É o Outono, como a comadre disse – replica o mocho. – Eu bem adejo as asas sem fazer barulho; graças à leveza das minhas penas, sou tão silencioso que ninguém dá por mim. Mas estes meses, são meses ruins – acrescenta no seu piar sonoro e sempre triste.

- Lá isso, é verdade – pia a coruja, numa aprovação.

E seguem ambos, de ramo em ramo, num adejar feito de lendas e segredos. Ouvidos atentos, olhos a investigar a noite. Que tanto a coruja como o mocho têm boa visão, embora não suportem muito bem a luz do dia.

 

Soledade Martinho Costa

 

Do livro “Histórias que o Outono me Contou”

Ed. Publicações Europa-América

 

publicado por sarrabal às 01:57
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 15 de Setembro de 2017

A CONTRACAPA DE «O NOME DOS POEMAS»

Cópia de IMG_4804.jpg

 Dois dos nomes destes poemas. Espero que gostem! (Não ficou na foto a barrinha em baixo. Paciência!)

 

SMC

publicado por sarrabal às 22:47
link do post | comentar | favorito
|

O MEU NOVO LIVRO «O NOME DOS POEMAS»

Cópia de IMG_4701.jpg

Reune 53 «retratos poéticos» de figuras públicas consagradas, das artes e das letras. Iclui um depoimento inédito de Amália Rodrigues. Estará nas livrarias a partir do dia 10 de Outubro.

 

Soledade Martinho Costa

publicado por sarrabal às 22:40
link do post | comentar | favorito
|

A VOZ DO VENTO CHAMA PELO TEU NOME

1959314_608233165931253_409509948_n.jpg 

Se algum dia chegasse a libertar-me

Deste laço a tornar-me prisioneira

Voltaria de certeza a enlear-me

No teu braço que me traz nesta cegueira.

 

Tão certa do que digo e do que faço

Espero por ti parada frente ao tempo

Como um retrato antigo de menina

Com um bouquet de rosas no regaço.

 

Sem esperança de esquecer-te

E de encontrar-me

Meu coração aos pés

Da tua imagem

Sou a pedra que mora sob o rio

Mas com ele não parte de viagem.

 

E quando o dia morre na voragem

Das horas que se apressam sem retorno

Acendem-se as estrelas na paisagem

E a voz do vento chama pelo teu nome.

 

Soledade Martinho Costa

 

Do livro «O Tempo (En)cantado»

 

publicado por sarrabal às 22:35
link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 3 de Setembro de 2017

ALGUMA COISA ACONTECE

Raoul-De-Longpre-Spray-of-Lilacs.jpg

Se o dia vier ao Mundo

Em que o gelo nos aqueça

E o Sol no céu arrefeça

O calor das nossas veias

Esse será o sinal;

Decerto que a nosso lado

Alguma coisa acontece.

 

E se o riso

Que ontem vinha

Alegrar a nossa face

Morre aos poucos

Esmorece.

 

Nesse dia pedirei

A quem tiver

Por dentro de cada dia

Nada ter

A força que tem o vento

Que atravessa o pensamento

E liberta a nossa voz.

 

Nesse dia pedirei

À pressa que tem a vida

Que modere essa corrida

Da nascente até à foz.

 

E se ao longe há um veleiro

Que se perde atrás do mar

Que se afunda em nosso olhar

Onde a água é nevoeiro.

 

Chamarei

Companheiro desta dor

E da raiva cada vez maior

Aperta na minha mão

O que a tristeza juntou.

 

Na estrada que percorremos

A desdita é coisa pouca

Comparada ao que sobrou.

 

Nesse dia pedirei

A quem tiver

Por dentro de cada dia

O amor.

 

Soledade Martinho Costa

publicado por sarrabal às 16:45
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
10
11

12
13
14
15
16
17

19
20
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30


.posts recentes

. MEDITERRÂNICA

. SAUDADE

. CALENDÁRIO - OUTUBRO

. 1 DE OUTUBRO - DIA MUNDIA...

. «O NOME DOS POEMAS»

. HISTORINHA - O MOCHO E A ...

. A CONTRACAPA DE «O NOME D...

. O MEU NOVO LIVRO «O NOME ...

. A VOZ DO VENTO CHAMA PELO...

. ALGUMA COISA ACONTECE

. HISTORINHA - A TOUPEIRA E...

. CALENDÁRIO - AGOSTO

. LEMBRAR AMÁLIA

. PARABÉNS SARRABAL - E VÃO...

. CERTEZA

. SÃO JOÃO - O SOL E AS PLA...

. PORTUGAL A ARDER - O FOGO...

. HISTORINHA - A ABELHA E O...

. ALGUÉM SE LEMBRA?

. SANTO ANTÓNIO - AS MARCHA...

.arquivos

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

.links

.Contador

conter12
blogs SAPO